Europa condena China diante de abuso dos direitos humanos e agressão Marítima

“Nas forças armadas, direitos humanos, disputas territoriais e outras questões de grande poder, a China é inimiga dos EUA e da UE. Mas em comércio e desenvolvimento tecnológico, a China é mais como um parceiro do que um rival”

Por Nicole Hao

A União Europeia condenou a atuação do regime chinês em matéria de direitos humanos durante uma reunião recente, enquanto este último tentou cortejar mais comércio e investimentos com os países da Europa Central e Oriental.

Na mesma época, a França enviou um navio de guerra e um submarino ao Mar da China Meridional para uma patrulha de “liberdade de navegação”, para a ira de Pequim.

Alguns analistas da China disseram que essas medidas indicam que os países europeus, embora ansiosos para fazer negócios com a China, também estão tomando uma posição firme contra as agressões de Pequim.

Conferência Wang-Borrell

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e o Alto Representante da UE para Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, realizaram uma videoconferência em 8 de fevereiro.

De acordo com a declaração da UE sobre a conferência, Borrell sublinhou as “fortes preocupações da UE sobre a pressão contínua sobre a democracia e os direitos fundamentais em Hong Kong, o tratamento dos defensores dos direitos humanos, bem como o tratamento das minorias étnicas e religiosas, em particular em Xinjiang”.

Cerca de um milhão de uigures e outras minorias étnicas muçulmanas na região de Xinjiang estão atualmente detidos em campos de concentração, de acordo com estimativas das Nações Unidas.

A declaração de Pequim sobre a conferência observou que Wang enfatizou que as questões de Hong Kong, direitos humanos e Xinjiang são todas “questões internas” da China.

“A China se opõe a outros países interferindo em nossos assuntos internos e inventando ou disseminando mentiras e informações falsas”, segundo o comunicado.

A mídia estatal chinesa classificou a mídia ocidental e os relatórios do governo sobre abusos de direitos em Xinjiang como notícias falsas.

Borrell pediu a libertação de políticos na Birmânia que foram detidos após o golpe militar e expressou “profunda preocupação com a trajetória nuclear do Irã”, segundo o comunicado da UE. Borrell também “sublinhou os fortes laços da UE com os EUA”.

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, é recebido pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, antes de uma reunião em Bruxelas, Bélgica, em 18 de março de 2019 (Yves Herman / Reuters)

O lado chinês disse em seu comunicado que “compartilhava opiniões sobre as relações com os EUA, Birmânia e Irã”, mas não forneceu mais detalhes.

A declaração de Pequim centrou-se principalmente nas opiniões de Wang sobre as relações UE-China, que a declaração da UE não analisou.

“A China e a UE são duas grandes forças independentes no mundo”, disse Wang ao comunicado chinês. “Enquanto a China e a UE aderirem aos nossos interesses comuns e tomarem decisões de forma independente, podemos realizar grandes coisas”.

Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China sediado nos EUA, disse que as relações UE-China caminham na direção dos EUA-China, com tensões mais notáveis.

“Nas forças armadas, direitos humanos, disputas territoriais e outras questões de grande poder, a China é inimiga dos EUA e da UE. Mas em comércio e desenvolvimento tecnológico, a China é mais como um parceiro do que um rival”, disse Tang.

Em março de 2019, a UE pela primeira vez chamou a China de “rival sistêmico que promove modelos alternativos de governança” e “um competidor econômico”, destacando sua busca pelo domínio tecnológico.

Tang observou o movimento incomum da França em 8 de fevereiro, quando enviou um navio de guerra e um submarino nuclear ao Mar da China Meridional para conduzir uma patrulha de “liberdade de navegação”. O regime chinês reivindica a maior parte da hidrovia como seu território, apesar de vários outros países asiáticos também terem reivindicações lá.

A ministra da Defesa francesa, Florence Parly, postou fotos das duas embarcações no Twitter. “É a prova da capacidade da nossa marinha de navegar para longe e navegar por muito tempo, com nossos parceiros estratégicos, que são os australianos, americanos e japoneses”.

Pequim condenou a medida em uma coletiva de imprensa em 9 de fevereiro.

O presidente francês Emmanuel Macron participa de uma reunião de videoconferência com o presidente do Conselho Europeu, presidente da Comissão Europeia, chanceler alemão e líder chinês para aprovar um pacto de investimento entre a China e a União Europeia no Fort de Bregancon, em Bormes-les-Mimosas, sudeste da França em 30 de dezembro de 2020 (SEBASTIEN NOGIER / POOL / AFP via Getty Images)

Promessa de Xi

Também em 9 de fevereiro, o líder chinês Xi Jinping organizou uma videoconferência para a Cúpula de Cooperação entre a China e os Países da Europa Central e Oriental (China-PECO).

A Cúpula China-PECO é uma conferência anual com os líderes da Albânia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Estônia, Grécia, Hungria, Letônia, Lituânia, Macedônia do Norte, Montenegro, Polônia, Romênia, Sérvia, Eslováquia, Eslovênia e China. A cúpula foi organizada pela primeira vez em 2012.

No discurso de Xi, ele revisou a história de nove anos da cúpula e prometeu: “A China planeja importar US$ 170 bilhões em produtos avaliados da Europa Central e Oriental nos próximos cinco anos”.

Ele também disse que a China buscará importar o dobro da quantidade de produtos agrícolas da Europa Central e Oriental nos próximos cinco anos.

O regime chinês publicou dados limitados sobre seu comércio com os países PECO. Os dados mais recentes foram anunciados em fevereiro de 2017: o volume total de comércio em 2016 foi avaliado em $ 58,65 bilhões, com a China exportando $ 45,54 bilhões e importando $ 13,11 bilhões – o que significa que a China teve um superávit comercial de $ 32,43 bilhões.

Agora, a China afirma reduzir essa lacuna comercial.

O porta-voz do ministério do comércio da China, Gao Feng, disse em uma coletiva de imprensa em 5 de fevereiro que o comércio entre a China e os 17 países PECO atingiu US$ 103,45 bilhões em 2020, o que foi 8,4 por cento maior do que o valor em 2019.

Se o comércio entre a China e os PECO continuar aumentando a 8,4% ao ano, o comércio total de 2021 a 2025 será de US$ 663,15 bilhões. Se, em cinco anos, a China importar US$ 170 bilhões dos PECO, então a China exportará US$ 493,15 bilhões (US$ 663,15 bilhões menos US$ 170 bilhões) para os PECO. O superávit comercial da China será de US$ 323,15 bilhões.

Nos últimos anos, Pequim conseguiu estreitar os laços econômicos com as nações da Europa Central e Oriental, principalmente por meio de investimentos em projetos de tecnologia e infraestrutura .

O ex-secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo havia tentado convencer essas nações dos riscos de segurança ao fazer negócios com a China. Em particular, ele pressionou os países europeus a rejeitarem o equipamento de telecomunicações 5G da gigante chinesa de tecnologia Huawei.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas