EUA solicita relatório completo das vítimas do Massacre de Tiananmen na véspera do 31º aniversário

Por Cathy He

Os Estados Unidos reiteraram os apelos à responsabilização pública dos mortos no massacre da Praça da Paz Celestial de 1989, na véspera do 31º aniversário da repressão do regime chinês aos manifestantes pró-democracia.

“Lamentamos a morte das vítimas de 4 de junho de 1989 e estamos com o povo da China que continua desejando um governo que proteja os direitos humanos, as liberdades fundamentais e a dignidade humana básica”, disse a porta-voz do Departamento de Estado para Estados Unidos, Morgan Ortagus, em comunicado em 3 de junho.

Na noite de 3 de junho de 1989, o Partido Comunista Chinês (PCC) mobilizou o exército para reprimir estudantes pacíficos que protestavam por maiores liberdades na Praça Tiananmen de Pequim. Os soldados entraram com tanques, passaram por cima de manifestantes e dispararam balas carregadas contra estudantes desarmados. Estima-se que milhares de pessoas tenham morrido.

Até hoje, o PCC não divulgou o número ou os nomes daqueles que morreram na sangrenta repressão. As informações sobre o incidente são fortemente censuradas na China continental.

“Reiteramos nosso pedido de um relatório público completo dos mortos e desaparecidos”, disse Ortagus.

O aniversário do massacre deste ano ocorre quando uma crescente condenação internacional do PCC é intensificada por sua recente iniciativa de impor uma lei de segurança nacional a Hong Kong, que os críticos temem esmagar as liberdades no país, que é uma ex-colônia britânica.

Ativistas de Hong Kong planejaram uma manifestação na quinta-feira para marcar o aniversário, apesar de a polícia ter cancelado uma vigília anual devido à preocupação com o vírus. A cidade recebe a vigília todos os anos desde 1990, com mais de 100.000 participantes nos últimos anos.

O secretário de Estado Mike Pompeo condenou o cancelamento no Twitter, dizendo: “Se houver alguma dúvida sobre a intenção de Pequim, é negar ao povo de Hong Kong uma voz e uma escolha, tornando-os iguais aos da China continental”.

Na sexta-feira passada, o presidente Donald Trump anunciou que o governo começará a revogar privilégios especiais de Hong Kong concedidos pelos Estados Unidos porque a cidade não é mais suficientemente autônoma com relação à China continental após a recente ação de Pequim. Quando a cidade foi transferida do domínio britânico para o domínio chinês em 1997, o regime havia prometido fornecer a Hong Kong um alto grau de autonomia dentro da estrutura de “um país, dois sistemas”.

Por outro lado, Pompeo se encontrou com quatro sobreviventes do massacre da Praça da Paz Celestial na terça-feira: Wang Dan, Su Xiaokang, Liane Lee e Henry Li.

Os parlamentares bipartidários também reiteraram o pedido de justiça do governo em comemoração ao evento.

“Apoiamos os familiares sobreviventes das vítimas, incluindo as corajosas Mães Tiananmen, que ainda buscam a verdade e a justiça correndo grande risco pessoal”, disse o representante James P. McGovern (D-Mass.) e o senador Marco Rubio. (R-Flórida), presidente e copresidente da Comissão Executiva do Congresso Chinês, em uma declaração de 3 de junho.

As Mães Tiananmen são um grupo de parentes de vítimas que há décadas buscam justiça, responsabilidade e compensação por seus entes queridos. Membros do grupo foram assediados e reprimidos pelo regime chinês.

“Trinta e um anos após o derramamento de sangue, os esforços do povo chinês para exercer suas liberdades fundamentais continuam sujeitos a repressão brutal com muita frequência”, disseram os legisladores.

Eles concluíram com as palavras das Mães Tiananmen: “Os fatos concretos do massacre estão registrados na história. Ninguém pode apagá-los; nenhum poder, por mais poderoso que seja, pode alterá-los; e nenhuma palavra ou idioma, por mais inteligente que seja, pode negá-los”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 

 

 
Matérias Relacionadas