EUA rejeitam oficialmente alegações de Pequim no Mar da China Meridional

"O mundo não permitirá que Pequim trate o Mar da China Meridional como seu império marítimo"

Por Cathy He

Em 13 de julho, os Estados Unidos rejeitaram formalmente quase todas as principais reivindicações territoriais de Pequim no Mar da China Meridional, com uma forte resposta do governo Trump às ameaças colocadas pelo Partido Comunista Chinês.

“As alegações de Pequim sobre recursos offshore, na maior parte do Mar da China Meridional, são completamente ilegais, assim como sua campanha de intimidação para controlá-los”, disse o secretário de Estado Mike Pompeo em um comunicado.

Embora as autoridades americanas tenham descrito anteriormente as atividades do regime de Pequim na região como “ilegais”, as declarações de Pompeo representam a rejeição oficial dos Estados Unidos de reivindicações específicas feitas por Pequim, alinhando-se a uma decisão de 2016 de um tribunal internacional. As Filipinas contestaram as alegações da China na hidrovia e levaram a disputa ao tribunal internacional.

Essa decisão vinculativa rejeitou as reivindicações marítimas da China relacionadas às Ilhas Spratly e aos recifes e bancos de areia vizinhos. O regime chinês se recusou a reconhecer a decisão.

“A República Popular da China não tem base legal para impor unilateralmente sua vontade à região”, afirmou Pompeo.

China, Filipinas, Vietnã, Malásia, Brunei e Taiwan têm reivindicações competitivas no Mar da China Meridional. As reivindicações de Pequim são as maiores e cobrem quase toda a hidrovia. Lar de pesqueiros ricos e recursos naturais potencialmente valiosos, o Mar da China Meridional também é uma das principais rotas marítimas do mundo.

Nos últimos anos, o regime de Pequim tentou reforçar suas reivindicações na hidrovia estratégica, construindo postos militares em ilhas e recifes artificiais. Além disso, também enviou navios da Guarda Costeira da China e barcos de pesca para intimidar embarcações estrangeiras, bloquear o acesso a hidrovias e apreender bancos e recifes.

Suas ações agressivas causaram disputas territoriais com o Vietnã, as Filipinas e a Malásia nos últimos anos.

“Pequim usa a intimidação para minar os direitos soberanos dos estados costeiros do sudeste asiático no mar da China Meridional, intimidá-los com recursos extraterritoriais, afirmar domínio unilateral e substituir o direito internacional por ‘poder de mudança de regra'”disse Pompeo.

“A visão predatória do mundo da RPC não tem lugar no século 21”, acrescentou.

Aplicando a decisão de 2016, os Estados Unidos rejeitaram as reivindicações marítimas da China em várias áreas e características do Mar da China Meridional, que também são reivindicadas pelas Filipinas, Malásia, Brunei e Indonésia. Como resultado, considerará ilegal qualquer assédio chinês a navios de pesca ou exploração de petróleo nessas áreas, disse o Departamento de Estado.

As forças armadas dos EUA realizaram exercícios de liberdade de navegação e exercícios navais nas águas disputadas para combater as reivindicações de Pequim e preservar o acesso a áreas que, segundo ele, constituem águas internacionais. Neste mês, o Pentágono enviou dois porta-aviões para participar de exercícios no Mar da China Meridional, enquanto Pequim também realizou exercícios na região.

A decisão do departamento reflete uma resposta administrativa mais dura à agressão de Pequim, incluindo o encobrimento do regime pelo surto de vírus do PCC, controle mais rígido sobre Hong Kong e abusos dos direitos das minorias étnicas.

“O mundo não permitirá que Pequim trate o Mar da China Meridional como seu império marítimo”, afirmou Pompeo.

“Apoiamos a comunidade internacional em defesa da liberdade dos mares e respeitamos a soberania e rejeitamos qualquer tentativa de impor ‘poder de mudança de regra’ no Mar da China Meridional ou na região como um todo”.

A Associated Press contribuiu para esta reportagem.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência de regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas