EUA: reforma da imigração falha e Trump diz que democratas ‘abandonaram’ imigrantes

Por Charlotte Cuthbertson, Epoch Times

Passar leis substanciais de reforma da imigração tem se provado impossível para o Congresso dos Estados Unidos há mais de uma década. E esta semana não foi exceção.

Quatro projetos de lei de imigração do Senado não conseguiram ir a lugar algum esta semana numa enxurrada de ações antes do prazo de 5 de março que o presidente norte-americano Donald Trump estabeleceu para o Congresso legislar uma solução permanente para o grupo da Ação Diferida para Chegada de Jovens Imigrantes (DACA, na sigla em inglês).

Trump respondeu com uma mensagem no Twitter em 16 de fevereiro, “Não consigo acreditar como os beneficiários da DACA foram maltratados pelos democratas… totalmente abandonados! Os republicanos ainda estão trabalhando duro.”

O projeto de “Lei de Segurança e Sucessão” do senador Chuck Grassley, baseado nas prioridades definidas por Trump e apoiado pela Casa Branca, falhou com voto de 39-60, na votação final em 15 de fevereiro.

A legislação de Grassley baseou-se nas quatro prioridades de imigração de Trump e incluiu uma segurança de fronteira mais estrita, além do financiamento de um muro de fronteira, o fim da loteria de vistos de diversidade (green card), a substituição da imigração em cadeia por um sistema baseado no mérito e o oferecimento aos beneficiários da DACA de um caminho para a cidadania.

O primeiro voto foi para um projeto de lei do senador Chris Coons (D-Del.) e do senador John McCain (R-Ariz.), que não incluiu o financiamento para um muro fronteiriço. Ele falhou numa votação de 52-47.

O segundo foi o projeto de lei do senador Pat Toomey (R-Pa.), que retiraria o financiamento federal das jurisdições de santuário que não cooperavam com as autoridades de imigração. O projeto de Toomey falhou com uma votação de 54-45.

O terceiro projeto de lei, que falhou numa votação de 54-45, foi apresentado por um grupo liderado pela senadora Susan Collins (R-Maine). Trump ameaçou vetar este projeto de lei se ele chegasse a suas mãos.

O projeto de lei Collins teria impossibilitado o Departamento de Segurança Interna (DHS) de remover a maioria dos estimados 11 milhões de estrangeiros ilegais que estão atualmente nos Estados Unidos, bem como qualquer um que possa chegar até o dia 30 de junho de 2018.

O DHS só poderia remover estrangeiros criminosos, ameaças de segurança nacional e aqueles que chegassem após 30 de junho, o que criaria um “aumento maciço na fronteira nos próximos quatro meses”, disse o departamento num documento informativo publicado em 15 de fevereiro.

O DHS disse que a emenda seria “o fim da aplicação da lei relativa à imigração na América”.

A Casa Branca divulgou uma declaração em 15 de fevereiro dizendo “os democratas do [senador Chuck] Schumer… não são sérios sobre a DACA, eles não são sérios sobre a reforma da imigração, e não são sérios sobre a segurança pública.”

“Hoje, eles compactuaram com uma minoria extremista em detrimento dos homens e mulheres trabalhadores do Departamento de Segurança Interna.”

Schumer respondeu escrevendo no Twitter: “Este voto é uma prova de que o plano de @realDonaldTrump nunca se tornará lei. Se ele parasse de torpedear os esforços bipartidários, um bom projeto de lei passaria.”

A Casa Branca agora está observando a Câmara dos Representantes para continuar promovendo a proposta dos congressistas Bob Goodlatte (R-Va.) e Michael McCaul (R-Texas).

O projeto de lei de Goodlatte é o mais abrangente até agora, contendo muito do que o projeto de Grassley cobriu, bem como legislação contra as cidades-santuário e a introdução obrigatória do E-verify, que restringiria as empresas de contratarem estrangeiros ilegais.

 
Matérias Relacionadas