EUA prendem ex-agente da CIA acusado de trabalhar para a China

Por Brehnno Galgane – Terça Livre

A Justiça norte-americana prendeu na última sexta-feira (14) um ex-oficial da CIA suspeito de ter vendido segredos confidenciais de defesa dos Estados Unidos ao regime chinês.

O caso investiga uma possível espionagem envolvendo Alexander Yuk Ching Ma, de 67 anos, sob a acusação de conspirar com um parente seu, que também era ex-oficial da CIA, para comunicar informações confidenciais até o nível “Top Secret” para funcionários de inteligência da República Popular da China (RPC). Conforme a Justiça, o homem recebeu milhares de dólares do Partido Comunista pelas informações.

Cidadão americano naturalizado, ele foi detido depois de confessar a um agente do FBI disfarçado o que fez, bem como o desejo de ver “a pátria mãe” bem-sucedida em suas ações contra o Ocidente.

De acordo com os documentos do tribunal, Alexander Yuk Ching Ma começou a trabalhar para a CIA em 1982, manteve uma autorização “Top Secret” e assinou vários acordos de não divulgação nos quais ele reconheceu sua responsabilidade e obrigação contínua de proteger os segredos do governo dos EUA durante seu mandato na CIA. Ma deixou a CIA em 1989 e morou e trabalhou em Xangai, na China, antes de chegar ao Havaí em 2001.

De acordo com os documentos do tribunal, Ma e seu parente conspiraram entre si e com vários oficiais de inteligência da RPC para comunicar informações confidenciais de defesa nacional ao longo de uma década.

O esquema começou com três dias de reuniões em Hong Kong em março de 2001, durante as quais os dois ex-oficiais da CIA forneceram informações ao serviço de inteligência estrangeira sobre o pessoal, operações e métodos da CIA para ocultar comunicações.

Parte da reunião foi capturada em vídeo, incluindo uma parte em que Ma pode ser visto recebendo e contando US$ 50.000 em dinheiro pelos segredos que eles forneceram.

Os documentos do tribunal alegam ainda que, depois que Ma se mudou para o Havaí, ele procurou emprego no FBI para mais uma vez obter acesso a informações confidenciais do governo dos Estados Unidos que, por sua vez, poderia fornecer aos seus responsáveis ​​pela RPC.

Em 2004, o escritório de campo de Honolulu do FBI contratou Ma como linguista com a tarefa de revisar e traduzir documentos em chinês. Nos seis anos seguintes, Ma regularmente copiou, fotografou e roubou documentos que exibiam marcas de classificação dos EUA, como “Top Secret”.

Ma levou alguns dos documentos e imagens roubados com ele em suas frequentes viagens à China, com a intenção de fornecê-los a seus encarregados. Ma também costumava voltar da China com milhares de dólares em dinheiro e presentes caros, como um novo conjunto de tacos de golfe.

De acordo com documentos judiciais, na primavera de 2019, ao longo de duas reuniões presenciais, Ma confirmou suas atividades de espionagem para um funcionário secreto do FBI que Ma acreditava ser um representante do serviço de inteligência da RPC, e aceitou US$ 2.000 em dinheiro do FBI disfarçado como “pequeno símbolo” de agradecimento pela ajuda de Ma à China.

Ma também se ofereceu para trabalhar novamente para o serviço de inteligência da RPC. Em 12 de agosto de 2020, durante uma reunião com um funcionário disfarçado do FBI, antes da prisão, Ma novamente aceitou dinheiro por suas atividades de espionagem anteriores, expressou sua vontade de continuar a ajudar o governo chinês e afirmou que queria que “a pátria mãe” tivesse sucesso.

Ele é acusado de conspiração para comunicar informações de defesa nacional para ajudar um governo estrangeiro e enfrentará a pena máxima de prisão perpétua se for condenado.

Com informações, Departamento de Justiça dos Estado Unidos

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas