EUA precisa ‘expandir campo de batalha’ para vencer guerra contra a China por Taiwan, afirmam especialistas

'O espaço de batalha precisa ser expandido não apenas na arena militar, mas também na arena econômica e diplomática', afirma especialista

Por JM Phelps

Os Estados Unidos podem vencer uma guerra contra China por Taiwan, afirmam analistas, mas devem tomar medidas para expandir seus esforços nos diferentes domínios da economia, guerra e diplomacia contra o regime chinês.

Descrevendo um exercício de simulação de guerra realizado em outubro de 2020, incluindo um conflito simulado com o regime chinês sobre Taiwan, o então vice-presidente do Joint Chiefs, o general John Hyten, afirmou em julho: “Sem exagerar, a questão falhou miseravelmente”. Como resultado, Hyten convocou o Pentágono a revisar sua estratégia de combate para ganhar vantagem na batalha até 2030.

Grant Newsham, um coronel aposentado da Marinha dos EUA que foi o primeiro oficial de ligação da Marinha da Força de Autodefesa Terrestre do Japão, afirmou ao Epoch Times que “quanto mais as pessoas ouvem sobre perder uma briga com a China por Taiwan, mais se cria uma sensação de derrotismo, uma sensação de que não há nada que possamos fazer”. Ele afirmou que “a América deve expandir o campo de batalha” para ter sucesso contra o regime chinês.

James Fanell, ex-diretor de operações de inteligência e informação da Frota do Pacífico dos EUA, concordou, declarando que “os EUA teriam dificuldades em operar dentro da primeira cadeia de ilhas, então o espaço de batalha precisa ser expandido não apenas na arena militar, mas também na arena econômica e diplomática”.

Enfraquecido por sanções

Newsham e Fanell afirmaram que as linhas de comércio podem ser afetadas, se não interrompidas. E isso teria um impacto significativo na capacidade do regime chinês de exercer-se sobre Taiwan. “Porque a China depende de ativos no exterior”, relatou Newsham. “Ela é muito vulnerável”.

Algumas das principais importações da China incluem circuitos integrados, petróleo bruto e gases de petróleo e soja. A China é o segundo maior destino comercial do mundo, com importações totais de aproximadamente US $1,61 trilhão.

“As forças armadas chinesas, apesar de seu rápido crescimento e poder, não são capazes de defender os interesses da China no exterior, ou suas linhas de comunicação no exterior”, afirmou Newsham. O país é “simplesmente dependente demais” da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e da União Europeia, seus principais parceiros de importação.

Fanell declarou: “Ao limitar o acesso a ativos no exterior, incluindo tecnologia, energia e até alimentos, isso colocaria o Partido Comunista Chinês (PCC) em grande risco”.

Newsham afirmou que, embora raramente seja mencionado, também vale a pena notar que “o renminbi [RMB] não é uma forma conversível de moeda”. É apenas a moeda oficial da República Popular da China, mas “a China mal pode comprar qualquer coisa no exterior com ela, e ninguém realmente quer a moeda”, declarou ele.

De acordo com Newsham, os Estados Unidos poderiam impor sanções financeiras à China para tirar proveito dessas “enormes vulnerabilidades”, interrompendo o fluxo de mercadorias e mantendo o uso da “moeda popular” internalizado.

Fanell concordou, afirmando que “sanções econômicas incapacitantes chamariam a atenção da China muito rapidamente”. Além disso, ele declarou que a Marinha dos Estados Unidos poderia “interditar para parar ou desviar navios” de entregar muitos de seus recursos importados.

Então, o regime chinês se tornaria “muito vulnerável, não apenas militarmente, mas também financeira e economicamente”. Ao expandir o campo de batalha dessa maneira, Newsham afirmou que “a China receberia uma mão muito ruim para jogar e seria colocada em uma posição muito fraca”.

É certo que, se uma luta com o regime chinês se limitasse ao Estreito de Taiwan, Newsham afirmou: “A América teria dificuldades, [mas] ao expandir o campo de batalha, as probabilidades mudariam imensamente a favor dos Estados Unidos”.

Romper o isolamento de Taiwan

Décadas de “isolamento” de exercícios conjuntos em larga escala com seus aliados militares também devem chegar ao fim, de acordo com Newsham. “As forças armadas de Taiwan não se desenvolveram da maneira que deveriam nos últimos 40 anos devido à falta de exposição a outras forças armadas”, explicou.

“Considere os problemas que os taiwaneses podem enfrentar em operações de larga escala com outros militares, nunca tendo treinado e conduzido exercícios juntos.”

Newsham declarou que suspeita que esse treinamento com Taiwan tenha sido negligenciado por tanto tempo por medo de perturbar o regime chinês. “Isso envia uma mensagem a Taiwan: nós amamos você e vamos apoiá-lo, mas temos medo de ser visto em público com você”, afirmou. “Já passou da hora dos aliados de Taiwan quebrarem o isolamento e se envolverem em treinamento e exercícios multilaterais com Taiwan”.

Se o isolamento não for quebrado, ele afirmou que as chances de permitir que Taiwan se desenvolva para que possa se defender estão seriamente comprometidas.

Além disso, Fanell relatou que o PCC ouviu de líderes militares americanos que os Estados Unidos não “atacarão o continente”. Segundo ele, muitos temem que um ataque ao continente chinês se transforme imediatamente em uma guerra nuclear. Mas Fanell não concorda.

“Os Estados Unidos não fizeram nada além de dar ao regime chinês o benefício involuntário de saber que eles nunca terão que se defender de verdade”, afirmou. Os Estados Unidos precisam estar dispostos a fazer o que for necessário para “mudar o cálculo do regime chinês e fazê-lo reconsiderar o ataque a Taiwan”, acrescentou.

Condenação Coletiva

Outros países devem usar meios diplomáticos para impactar a posição global do regime chinês, afirmou Fanell. Uma possibilidade inclui o uso do Quadrilateral Security Dialogue (Quad), uma parceria informal entre Austrália, Índia, Japão e Estados Unidos.

Fanell sugeriu que o Departamento de Estado dos EUA encorajasse os ministros das Relações Exteriores do Quad a emitir uma declaração conjunta, ao lado de qualquer outra nação do Indo-Pacífico, que condenaria o regime chinês pelo que fez contra Hong Kong e está fazendo contra Taiwan. “A questão é que, se o regime chinês for confrontado, todas as alavancas do poder nacional terão que ser usadas”.

Em termos de diplomacia, Fanell afirmou que “o mundo precisa ser muito mais agressivo” ao confrontar o regime chinês pelo que está fazendo “contra a liberdade e contra as normas e padrões internacionais”. Ele relatou que o regime chinês é “a nação estranha” e “a exceção à regra”, acrescentando que “não é sobre os Estados Unidos contra a China, mas sobre a China contra o mundo”.

Segundo Fanell, isso deve ser exposto de uma maneira que “diminua ainda mais a posição e a postura” do regime chinês em escala global. E parte do problema pode ser atribuída aos Estados Unidos, acrescentou.

“Grandes corporações e empresas de investimento precisam parar de despejar bilhões de dólares na China, [porque] uma parte de cada dólar que é gasto lá vai para a construção do ELP, [Exército de Libertação Popular] que, por sua vez, o usa para se preparar para a guerra contra os Estados Unidos.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas