EUA planejam refazer a fabricação quando a bomba-relógio demográfica da China explodir

Por Chriss Street

Os Estados Unidos devem recuperar uma capacidade de produção substancial, pois a bomba-relógio demográfica da China explodirá em breve, elevando mais  os salários à medida que os aposentados gastam suas economias.

Apesar da força de trabalho da China triplicar de 341 milhões em 1950 para um pico de pouco mais de 1 bilhão em 2010, o “índice de dependência” da terceira idade (proporção de população com mais de 65 anos por 100 trabalhadores entre 20 e 64 anos) aumentou de 8,7% para apenas 12,4%, de acordo com um relatório da empresa de pesquisa chinesa Enodo Economics. Como resultado, a China desfrutou de seis décadas de alto crescimento dos trabalhadores e custos modestos de aposentadoria e assistência médica.

A entrada da força de trabalho maciça da China na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001 criou um dínamo industrial que viu sua participação no valor agregado da fabricação global aumentar de 11% em 2005 para 25% em 2018. O maior perdedor entre os membros da OMC foram os Estados Unidos , que viu sua participação global despencar de 20% em 2005 para 15% em 2018, segundo dados da Enodo Economics.

A força de trabalho da China ultrapassou 1 bilhão em 2010 e permaneceu estável nesse nível na última década. O relatório constatou que o aumento da demanda da OMC e o crescimento estagnado do trabalho fizeram com que os salários médios dos trabalhadores chineses aumentassem 326,6% entre 2005 e 2017; cerca de dez vezes mais rápido que o crescimento salarial de 34,3% para o trabalhador americano médio no mesmo período.

Devido ao envelhecimento da população, a força de trabalho da China deve diminuir em cerca de 35 milhões por ano nas próximas três décadas. O “índice de dependência” saltará de 18,5% em 2020; para 27,6% em 2030; para 43% em 2040; e 50,6% em 2050, de acordo com a Enodo Economics.

Os bancos estatais da China foram capazes de financiar internamente o boom da OMC a baixas taxas de juros porque a taxa de poupança das famílias dos trabalhadores chineses subiu de 36,5% em 2000 para um pico de 51,7% em 2010. A taxa de poupança caiu para 46,6% em 2018 e continua caindo rapidamente.

A China afirmou em 2009 que poderia expandir a produção, apesar do fim da expansão da força de trabalho, através da reciclagem de trabalhadores pouco qualificados para realizar tarefas intensivas em conhecimento. Mas a China informou em 2018 que sua força de trabalho não era qualificada, com apenas 21 por cento classificados como “qualificados” e apenas 7 por cento classificados como “altamente qualificados”.

Devido à bomba-relógio demográfica, o número de estudantes chineses que frequentavam a faculdade caiu de 22,4 milhões em 2010 para 15,6 milhões em 2018. O número atual de estudantes que ingressaram na faculdade caiu de 8,7 milhões para 5,6 milhões no mesmo período, segundo Enodo Economics.

Não apenas o número de estudantes universitários chineses está em declínio, mas 34,8% dos graduados afirmam que seu “emprego ideal” é estar trabalhando para o Partido Comunista ou uma organização governamental, apesar de apenas 8% da disponibilidade de emprego. Cerca de 45,2% dos empregos disponíveis são de empresas privadas, mas apenas 10,3% dos graduados consideram esse trabalho “ideal”, segundo uma pesquisa do JP Morgan, Tsinghua University e Fudan University.

A Enodo Economics prevê que a China corre o maior risco de perder empregos, onde as empresas podem aumentar as margens de lucro construindo fábricas altamente automatizadas que podem se beneficiar da maior produtividade dos trabalhadores americanos trabalhando com robôs colaborativos (cobots).

Uma pesquisa da Deloitte e do Manufacturing Institute constatou que entre os 400 principais fabricantes americanos, 70% estão criando ou expandindo seus programas de treinamento nos EUA. Esses fabricantes temem um déficit de 2,4 milhões em 2028 de trabalhadores americanos com as habilidades necessárias para a Quarta Revolução Industrial “que transformarão o mundo do trabalho através da inteligência artificial, robótica avançada, automação, análise e Internet das Coisas”.

A Enodo Economics prevê que os setores mais prováveis ​​de voltar para os Estados Unidos incluem automóveis; maquinaria elétrica; produtos de madeira e grama; fibra química; material e produto químico; equipamento de transporte; borracha e plásticos; produtos farmacêuticos; e produto mineral não metálico.

Você sabia?

O Epoch Times é a primeira e única mídia que expõe a verdadeira natureza, impacto e objetivo final do comunismo. Explicamos seu dano ao nosso fundamento moral e às tradições orientais e ocidentais. Também discutimos os resultados do socialismo e seu impacto na estabilidade econômica e política dos países.

Apoie nosso jornalismo independente e doe um ‘café’ agora.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas