EUA pedem regime chinês para pôr fim à perseguição ao Falun Gong

"Vinte e um anos de perseguição a praticantes do Falun Gong são muito longos e devem terminar"

Por Cathy He

Os Estados Unidos pediram ao Partido Comunista Chinês (PCC) que acabe imediatamente com seus “abusos e maus-tratos depravados” contra a prática espiritual Falun Gong.

“Vinte e um anos de perseguição a praticantes do Falun Gong são muito longos e devem terminar”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em uma rara declaração de um alto funcionário do governo sobre a repressão.

“Extensas evidências mostram que o governo da República Popular da China continua reprimindo e abusando dessa comunidade até hoje, incluindo tortura relatada de praticantes do Falun Gong e detenção de milhares de pessoas”, disse ele em 20 de julho, no 21º aniversário do início de Campanha de perseguição de Pequim.

Pompeo também exigiu que o regime chinês libere adeptos presos do Falun Gong e explique o paradeiro de praticantes desaparecidos.

Seus comentários se somam aos de cerca de 30 legisladores e oficiais dos EUA que emitiram declarações expressando solidariedade com os praticantes do Falun Gong no aniversário. Centenas de legisladores em todo o mundo também condenaram a brutal repressão do regime.

O Embaixador dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional Sam Brownback disse que conversou com representantes do Falun Gong em 20 de julho sobre a perseguição em andamento em Pequim.

“Estou inspirado pela perseverança dos praticantes do Falun Gong, sob ameaça da pressão do governo da RPC para renunciar a suas crenças”, escreveu Brownback em um tweet.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma disciplina espiritual que inclui exercícios meditativos e um conjunto de ensinamentos morais baseados nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. A prática se espalhou amplamente na China, com pelo menos 70 milhões de pessoas praticando até o final dos anos 90, segundo estimativas oficiais chinesas da época.

Em 20 de julho de 1999, os praticantes do Falun Gong na China encontraram-se alvos de perseguição quando o PCC considerou a popularidade do Falun Gong uma ameaça ao seu domínio e proibiu a prática. Desde então, os aderentes foram submetidos a assédio, detenção e tortura, em um esforço para coagi-los a abandonar suas crenças. Milhões foram detidos, de acordo com estimativas do Centro de Informações do Falun Dafa (FDIC). Confirma-se que mais de 4.000 morreram de tortura, de acordo com o Minghui.org, um centro de informações on-line para obter informações sobre a perseguição ao Falun Gong, embora seja provável que seja um eufemismo do número real de mortes, devido à dificuldade de obter informações confidenciais na China.

“Desde 1999, o Partido Comunista Chinês (PCC) procura erradicar o Falun Gong, uma prática espiritual originária da China, e seus praticantes pacíficos e defensores dos direitos humanos que lutam pelo seu direito de praticar suas crenças”, afirmou Pompeo.

O secretário descreveu a história de Zhang Yuhua, uma adepta do Falun Gong que sobreviveu às detenções na China. Pompeo deu as boas-vindas a ela no ano passado na Reunião Ministerial para o Avanço da Liberdade Religiosa, em Washington, organizada pelo departamento.

“Depois de sobreviver ao que ela descreveu como tortura enquanto trabalhava em um campo de trabalho e em uma prisão na China, ela advoga em nome de seu marido preso, Ma Zhenyu, que sofreu meses de tortura porque se recusa a renunciar às suas crenças no Falun Gong”, disse ela.

Zhang foi presa várias vezes e sofreu tortura na China por um período combinado de 7 anos e meio antes de fugir para os Estados Unidos em 2015.

Ela estava entre os 27 sobreviventes de perseguição religiosa para se encontrar com o presidente Donald Trump no Salão Oval em julho passado. Zhang disse a Trump sobre a situação do marido, implorando ao presidente para agir. Ela temia que Ma tivesse seus órgãos extraídos pelo regime comunista.

“A extração forçada de órgãos ainda existe, então devemos agir”, disse Zhang na época. “Palavras não funcionam”.

As evidências dessa prática horrenda aumentaram desde que as alegações surgiram em 2006. Um tribunal popular independente em 2019, após uma investigação de um ano, descobriu além de uma dúvida razoável que o PCC matou – e continua a matar – praticantes do Falun Gong aprisionados por seus órgãos para venda no mercado de transplantes.

O porta-voz da FDIC, Zhang Erping, aplaudiu o apoio dos Estados Unidos à “causa de liberdade de consciência, associação e expressão” do grupo.

“Sua declaração de imprensa [Pompeo] e seu apoio de longa data inspirarão dezenas de milhões de chineses a continuarem sua luta por liberdades”, disse Zhang em um comunicado.

“Apelamos à comunidade internacional para seguir a liderança dos Estados Unidos e ajudar a acabar com essa perseguição horrível de duas décadas ao Falun Gong na China”.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas