EUA: pais não têm direito de saber conversas das crianças com professores

“O distrito não atenderá aos pedidos de pais e responsáveis ​​para serem informados"

Por Katabella Roberts 

Quase 70 escolas no estado de Missouri promulgaram políticas declarando que os distritos não são obrigados a divulgar conversas sobre “questões acadêmicas e pessoais” entre alunos e professores ou conselheiros para os pais ou responsáveis ​​do aluno.

A política, com base em uma amostra fornecida pela Associação do Conselho Escolar do Missouri, foi adotada por pelo menos 68 distritos escolares do Missouri no final de 2020 ou no início de 2021, segundo a Fox News.

Especificamente, afirma-se que “há muitas situações em que os funcionários da escola se reúnem com os alunos individualmente” e que “os conselheiros da escola se reúnem com os alunos para discutir assuntos acadêmicos e pessoais, os professores geralmente discutem o desempenho acadêmico com os alunos e os funcionários da escola se reúnem com os alunos ao investigar violações disciplinares”.

“Essas conversas são uma parte essencial do processo educacional”, afirma a política. “O distrito não atenderá aos pedidos de pais e responsáveis ​​para serem informados antes dessas discussões, estar presente durante as discussões ou proibir conversas entre um aluno e funcionários”.

Andy Wells é pai de três filhos em um distrito escolar do Missouri que promulgou essa política. Ele também é o presidente do Missouri da No Left Turn in Education (Sem Virar a Esquerda na Educação, em tradução livre), uma organização que promove os direitos dos pais na educação e enfatiza que os pais são os principais guardiões de seus filhos, não o estado ou funcionários da escola.

Wells disse à Fox News que acredita que não foi coincidência que a política tenha sido implementada na mesma época em que a mídia começou a cobrir os protestos dos pais nas reuniões do Conselho Escolar do Condado de Loudon, na Virgínia. Pais de todo o país também começaram a participar de reuniões do conselho escolar para fazer perguntas sobre teoria crítica racial e teoria de gênero no currículo, bem como conteúdo sexualmente explícito nos materiais de leitura dos alunos.

Na época em que as políticas foram implementadas, a Associação do Conselho Escolar do Missouri (MSBA, em suas siglas em inglês) era afiliada à Associação Nacional de Conselho Escolar (NSBA).

No entanto, a MSBA deixou a associação nacional em outubro de 2021, alegando que “demonstrou que atualmente não se alinha com os princípios orientadores de governança local da MSBA” depois que a NSBA comparou os pais a “terroristas domésticos” em uma carta enviada ao presidente Joe Biden.

Essa carta pedia ao governo Biden que tomasse medidas para impedir o que descreveu como “ameaças e atos de violência” contra conselhos escolares, professores e outros na educação pública por pais que estavam descontentes com as políticas de mascaramento e o ensino de teoria crítica racial, entre outras coisas.

“O que isso me diz é que… quando tudo estava começando, quando os pais começaram a fazer perguntas sobre o que estava acontecendo nas escolas de seus filhos, as escolas estavam se debatendo: ‘Como não deixarmos os pais saberem o que está acontecendo?’” disse Wells.

“Agora, [os professores] têm permissão para ter uma conversa privada com um aluno sem o conhecimento dos pais, consentimento dos pais, e os pais nem têm o direito de impedir que essas conversas aconteçam”, acrescentou Wells.

Wells também questionou como a política se alinha com a Lei de Proteção à Família, que, segundo ele, afirma que os pais podem ter abertura para os registros de seus filhos e que “nada pode ser escondido da mãe e do pai”.

“Como, no mundo, isso se encaixa?” disse Wells.

No entanto, Kelli Hopkins, advogada da MSBA, disse à Fox News em comunicado que a política fornecida pela Associação do Conselho Escolar do Missouri, só é aplicável em circunstâncias específicas.

“Nada na política da JFGA dá autoridade ao pessoal da escola para manter informações dos pais de crianças menores, exceto na circunstância em que a Divisão de Crianças esteja investigando se a criança é vítima de abuso por parte de um dos pais”, disse Hopkins. “Todas as políticas do modelo MSBA estão em conformidade com as leis estaduais e federais”.

O Epoch Times entrou em contato com a Associação do Conselho Escolar do Missouri para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas