EUA opõem-se à influência chinesa na ONU, afirma Pompeo

Atualmente, as autoridades chinesas chefiam quatro das 15 agências especializadas da ONU

Por Cathy He

O secretário de Estado Mike Pompeo disse que o governo Trump está intensificando os esforços para combater a crescente influência de Pequim sobre organizações internacionais, como parte da campanha “multirregional” dos Estados Unidos contra o Partido Comunista Chinês (PCC), que ele descreveu como a “ameaça central dos nossos tempos”.

Pompeo disse que houve “pelo menos um declínio de 15 anos” na influência dos EUA no sistema das Nações Unidas (ONU), que coincide com o crescente domínio do PCC.

Atualmente, as autoridades chinesas chefiam quatro das 15 agências especializadas da ONU. O regime chinês também trabalhou para aumentar sua presença nas principais agências da ONU para promover seus próprios interesses, de acordo com um relatório de abril da Comissão de Revisão de Economia e Segurança EUA-China.

“Estamos tristemente e inadequadamente representados em todos os níveis nessas organizações internacionais”, afirmou Pompeo em audiência no Comitê de Relações Exteriores do Senado em 30 de julho.

Mas o governo está pressionando contra as ações de Pequim, disse ele, citando seu recente sucesso em garantir que um candidato chinês não seja eleito para chefiar a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Wang Binying foi derrotado pelo cingapuriano Daren Tang, apoiado pelos Estados Unidos e por muitas outras nações ocidentais, por 28 a 55 votos.

“Os chineses pensaram que tinham um caminho rápido”, disse Pompeo. “Apresentamos um bom candidato. … E nós o esmagamos ”.

“Foi um esforço diplomático incrível.”

Pompeo diz que o Departamento de Estado criará uma equipe permanente para se concentrar nas eleições de liderança nas agências das Nações Unidas e também para aumentar os esforços para garantir a representação dos Estados Unidos nessas agências.

Ele também defendeu a decisão do governo de se retirar formalmente da Organização Mundial da Saúde (OMS) no início deste ano por lidar com a pandemia e por sua relação com o regime chinês. Washington criticou repetidamente a agência de saúde por sua deferência a Pequim e por ajudar o regime a encobrir o vírus do PCC durante a fonte do surto.

Ele disse que os esforços dos EUA ao longo dos anos para despolitizar a OMS não tiveram êxito.

“Toda vez que as reformas eram feitas, não havia capacidade de atingir uma organização baseada na ciência e nem uma organização política”, disse Pompeo.

O secretário disse que “a maré está virando” contra o PCC no cenário mundial, enquanto os Estados Unidos trabalham para construir uma “aliança global” que se concentra nas ações hostis do regime.

“Nossa vigorosa diplomacia ajuda a levar o despertar internacional à ameaça do PCC”, afirmou Pompeo.

Ele disse que um número crescente de países está rejeitando a gigante chinesa de telecomunicações Huawei de suas redes 5G, denunciando o regime por seu crescente controle sobre Hong Kong e intensificando as manobras marítimas no Mar da China Meridional em resposta a ataques militares de Beijing.

“Estamos pedindo a cada país soberano que escolha entre liberdade e tirania”, disse ele.

“Todo mundo sabe que os Estados Unidos são o país com quem querem estar. Todo mundo sabe que liberdade, e nosso sistema de valores, o Estado de direito, direitos de propriedade; a proteção desses direitos inalienáveis ​​é essencial para o seu país. E é por isso que acho que a maré está virando no mundo.”

Os comentários de Pompeo ocorrem em meio a crescentes tensões entre os Estados Unidos e a China. Na semana passada, os Estados Unidos ordenaram o fechamento do consulado chinês em Houston, com Pompeo descrevendo o local como “um covil de espiões”. Pequim forçou o consulado dos EUA em Chengdu a fechar em retaliação.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas