EUA: memorando pode encerrar investigação da Rússia e abrir novos inquéritos

O muito esperado memorando do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos foi finalmente divulgado ao público em 2 de fevereiro e detalha como a gestão Obama usou uma pesquisa não verificada da oposição para obter uma série de mandados baseados na Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA) para espionar Carter Page, um voluntário da campanha de Donald Trump, iniciando operações de espionagem que provavelmente se expandiram para incluir outros membros da equipe de Trump.

As conclusões descritas no memorando mostram que ex-funcionários do Departamento Federal de Investigação (FBI) e do Departamento de Justiça (DOJ) usaram o chamado “dossiê Trump” como sua principal fonte de referência para obter mandados de espionagem contra a equipe de Trump antes e depois das eleições e retiveram seus conhecimentos do Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISC) que o dossiê foi pago pelo Comitê Nacional Democrata (DNC) e pela campanha presidencial de Hillary Clinton.

O documento também mostra que Christopher Steele, o ex-espião britânico que compilou o dossiê baseado em fontes vinculadas ao Kremlin, estava trabalhando com o FBI e foi demitido por revelar à mídia que ele estava trabalhando para a agência. Apesar desta violação de Steele, seu produto, o dossiê, continuou sendo usado nas requisições de mandados da FISA. Além disso, Steele informou um repórter do Yahoo! News, e a reportagem do Yahoo foi usada como evidência para corroborar seu dossiê para uma renovação dos mandados da FISA; apesar do fato de que fontes para ambos eram Steele.

Leia também:
• Investigação do Epoch Times: Além do Memorando
• Casa Branca publica memorando que revela escandalosa espionagem do governo
• EUA: por que o memorando é tão significante
• Trump revela que altos funcionários do FBI e DOJ politizaram investigação em favor de Clinton

O memorando poderia ter sérias implicações, não só para a investigação sobre a Rússia, que é liderada pelo conselheiro-especial Robert Mueller, mas também para os funcionários da gestão Obama que ajudaram a iniciar a investigação.

Se os oficiais do FBI e do DOJ mentiram ou deliberadamente enganaram o tribunal para obter os mandados da FISA, é possível que eles enfrentem acusações de perjúrio; e se os mandatos da FISA foram obtidos por meios inadequados, as descobertas subsequentes seriam “frutos da árvore envenenada”, e as acusações de investigação da Rússia podem ser descartadas.

Uma pessoa comete perjúrio quando ele ou ela está sob juramento e, de acordo com Marc Ruskin, ex-agente do FBI e autor de “The Pretender: My Life Undercover for the FBI“, é possível cometer perjúrio ao enviar um depoimento juramentado para obter um mandado, como um pedido da FISA.

“O perjúrio tem a ver com a questão do depoimento porque você está jurando sob juramento ao juiz que isso é verdade”, disse Ruskin. “Se eles tivessem motivos para acreditar que havia informações falsas ou omissões materiais na declaração jurada, então isso seria perjúrio.”

Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente e deslegitimá-lo uma vez que ele estivesse no cargo. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)
Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente e deslegitimá-lo uma vez que ele estivesse no cargo. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)

O memorando nomeia vários funcionários que assinaram pedidos de autorização da FISA, utilizando o dossiê Trump não verificado como sua fonte principal. Eles incluem o ex-diretor do FBI, James Comey, que assinou três pedidos da FISA, o ex-vice-diretor do FBI, Andrew McCabe, a ex-procuradora-geral Sally Yates e o vice-procurador-geral Rod Rosenstein.

Comey descreveu o dossiê Trump como “não verificado e imoral” em testemunho juramentado, mas ainda assim assinou seu conteúdo. O memorando observa que funcionários estavam cientes de que a campanha de Clinton e o DNC pagaram pelo dossiê, mas sonegaram essa informação em seus pedidos da FISA.

De acordo com Ruskin, a retenção de informações é uma bandeira vermelha, mas precisaria de mais investigação para determinar se os funcionários cometeram um crime.

“Se você retiver o fato material ou você fizer uma omissão relevante que engana o tribunal, isso talvez possa ser interpretado como perjúrio”, disse ele. “No entanto, a questão seria se eles retiveram o fato material e se o fato de que o documento foi pago por uma campanha [presidencial] prejudicou sua credibilidade.”

Se os funcionários sonegaram a informação conscientemente também é importante. Ruskin disse: “Se eles não tivessem uma base para saber se os fatos subjacentes eram falsos, então seria difícil argumentar que houve perjúrio e crime.”

Em resposta à afirmação de Comey de que o dossiê era “não verificado e imoral”, e ainda assim ele o assinou, Ruskin disse que é possível que Comey possa ser acusado de cometer fraudes no tribunal.

“Se ele acreditou que não é verificado, a conclusão que você poderia tirar é que Comey afirmou que era sua convicção que o dossiê – e, portanto, os fatos subjacentes – não corroboravam”, disse Ruskin. “Portanto, ele estava assinando um documento que ele não acreditava ser verdade.”

Com essas questões em mente, Ruskin observou que agora é provável que uma investigação oficial aconteça para determinar se crimes foram cometidos.

“Seria inapropriado não acompanhar e descobrir se houve omissões materiais de fatos que induziriam erros e fazer com que o juiz interpretasse sua conclusão sem estar em posse de todos os fatos relevantes”, disse ele.

Ele acrescentou: “Pelo menos a omissão deliberada de fatos materiais levaria a questão da ética de quem os apresentou e assinou, e pode constituir um crime.”

Estados Unidos, Donald Trump, Fusion GPS, dossiê, Hillary Clinton, Barack Obama - Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)
Um gráfico que mostra a rede de conexões para prevenir Trump de se tornar presidente. Para ver a imagem ampliada, clique aqui (The Epoch Times)

Leia também:
• Altos funcionários do FBI discutem ‘sociedade secreta’ trabalhando contra Trump
• Agentes do FBI veem demissão do vice-diretor como desvencilhar agência da política
• CEO do Comitê Nacional Democrata renuncia em meio à reestruturação e pobre financiamento
• Donald Trump Jr. responde à participação de Hillary Clinton na premiação do Grammy
• Por que organizações de mídia não podem abandonar narrativa falsa sobre colusão russa
• Trump alerta sobre a ‘enfermidade’ nas instituições dos EUA
• Hillary Clinton enfrenta agora três investigações, e pode ser parte de uma quarta

 
Matérias Relacionadas