EUA insta Ortega a iniciar ‘imediatamente’ a transição democrática na Nicarágua

Regime Ortega-Murillo "se recusa a reconhecer o perigo dessa pandemia mortal"

Por Agência EFE

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, convocou no sábado o líder nicaragüense Daniel Ortega, para ceder “imediatamente” a uma transição democrática em seu país, quando o segundo aniversário dos protestos contra a Regime do líder sandinista em que, segundo o Departamento de Estado, pelo menos 325 pessoas inocentes morreram.

“Pedimos ao presidente Ortega e ao vice-presidente (Rosario) Murillo que iniciem imediatamente uma transição democrática, incluindo a restauração das garantias de direitos humanos e eleições livres e justas – para proporcionar saúde, prosperidade e liberdade à Nicarágua”, lê um comunicado de Mike Pompeo.

O chefe da diplomacia dos EUA apontou na nota, divulgada por ocasião da crise de dois anos no país da América Central, que Ortega abandonou o diálogo nacional com a oposição política em julho passado e que até o momento ele não cumpriu os termos com o qual seus representantes concordaram em março de 2019, incluindo a restauração das liberdades civis, a libertação de presos políticos e o estabelecimento de uma reforma eleitoral significativa.

“Mais de 70 presos políticos permanecem encarcerados”, alertou Pompeo, que denunciou que a Polícia Nacional da Nicarágua e a para-polícia mascarada continuam a espalhar o medo através da intimidação e da violência contra ativistas e críticos, enquanto continuam os ataques à imprensa “infinitamente.”

O Secretário de Estado assinalou que a pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como novo coronavírus “, ilustra mais uma vez a má administração de Ortega e Murillo”, enquanto critica a falta de liderança por parte do governante e o “desprezo” dessa administração “pelo bem-estar de seu povo, evitando as medidas públicas necessárias para conter a COVID-19”.

Segundo Pompeo, enquanto o resto do mundo cancela grandes reuniões e eventos, suspende atividades econômicas não essenciais e adota medidas de distanciamento social, o regime Ortega-Murillo “se recusa a reconhecer o perigo dessa pandemia mortal”.

Na quarta-feira passada, Ortega reapareceu na televisão após 34 dias sem manifestação pública e defendeu a estratégia adotada por seu regime em relação à pandemia causada pelo vírus do PCC.

Acompanhado por sua esposa e vice-presidente, Ortega argumentou que a decisão de seu regime de não decretar qualquer tipo de emergência devido à pandemia, de não suspender aulas ou restringir a entrada ou mobilidade em seu território a qualquer viajante é porque “se o país parar de trabalhar, o país estrá morrendo, as pessoas estarão morrendo, estará se extinguindo”.

Mas um dia depois, um grupo de “prisioneiros políticos” e suas famílias emitiram um “alerta” por medo de que a pandemia pudesse chegar à prisão “La Modelo”, na qual eles disseram que permanece sob condições superlotadas e insalubres.

Até o momento, a Nicarágua contabilizou nove casos confirmados de COVID-19, com apenas um falecido, conforme declarado pelo regime.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas