EUA iniciam exercício militar marítimo global simultâneo não visto desde a Guerra Fria, China reage

Por Nicole Hao

A Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos lançaram um importante exercício militar global em 3 de agosto, o maior desse tipo desde a Guerra Fria. No dia seguinte, a China anunciou uma operação em grande escala no Mar da China Meridional em resposta.

“LSE 2021 é o primeiro exercício naval e anfíbio de grande escala realizado desde os exercícios Ocean Venture da OTAN, lançados em 1981 durante a Guerra Fria”, disse as Forças Navais dos EUA Europa-África e a 6ª Frota dos EUA em um comunicado datado de 27 de julho .

O exercício militar marítimo, denominado Exercício de Grande Escala 2021 (LSE 2021), acontecerá entre 3 e 16 de agosto e contará com a participação de seis comandos navais e do Corpo de Fuzileiros Navais, cinco das frotas listadas dos Estados Unidos e três forças expedicionárias da Marinha em 17 fusos horários, acrescentou o comunicado.

Isso inclui aproximadamente 36 navios vivos, de porta-aviões a submarinos, mais de 50 unidades virtuais e uma série ilimitada de unidades de construção, informaram as forças dos EUA um dia antes do início.

Em 4 de agosto, a Administração de Segurança Marítima da China anunciou que os militares chineses realizariam um exercício de treinamento ao longo de cerca de 38.600 milhas quadradas do Mar da China Meridional entre 6 e 10 de agosto.

“É claramente uma reação ou resposta à LSE 2021, mas não é agressiva”, disse o comentarista chinês Tang Jingyuan ao Epoch Times em 4 de agosto. “É mais uma declaração política proclamar que as autoridades de Pequim protegerão as ilhas que ocuparam.”

“A meu ver, os Estados Unidos querem mostrar ao mundo que têm capacidade para enfrentar os desafios do Mar Negro, do Mar Mediterrâneo, do Mar da China Meridional e do Mar da China Oriental, simultaneamente, mediante o LSE 2021. Tang disse sobre o grande exercício americano.

“Em outras palavras, que os militares dos EUA são fortes o suficiente para lidar com a situação se a Rússia e a China romperem a paz na Europa e na Ásia ao mesmo tempo”, disse ele.

Mantendo a paz, estabilidade regional

O hovercraft da Marinha dos Estados Unidos passa na frente do USS Wasp, um navio de assalto anfíbio multiuso, durante exercícios anfíbios como parte do exercício militar anual conjunto EUA-Filipinas na costa da cidade de San Antonio, ao largo do Mar da China Meridional, província de Zambales em Filipinas em 11 de abril de 2019 (Ted Aljibe / AFP via Getty Images)

A Marinha e o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA querem “refinar a maneira como sincronizamos as operações marítimas em várias frotas, em apoio à força combinada”, declarou a Marinha em 3 de agosto.

O exercício será feito em todos os 17 fusos horários ao mesmo tempo. As operações marítimas sincronizadas incluem “operações marítimas distribuídas, operações expedicionárias de base e operações litorâneas em um ambiente disputado”, de acordo com o comunicado.

O número total de funcionários dos EUA que participaram do exercício não está claro. Além dos marinheiros e fuzileiros navais, civis e funcionários públicos contratados também estão participando do exercício. A equipe de treinamento está fornecendo suporte.

Os veículos de assalto anfíbios do Corpo de Fuzileiros Navais (AAVs) lideram o Corpo de Fuzileiros Navais das Filipinas em pousos enquanto simulam um exercício anfíbio como parte do Exercício Militar Conjunto anual na Praia da Marinha das Filipinas em San Antonio, província de Zambales a noroeste de Manila, nas Filipinas, em 9 de maio, 2018 (Ted Aljibe / AFP via Getty Images)

“LSE é mais do que apenas treinamento, está aproveitando o poder de combate integrado de várias forças navais para compartilhar sensores, armas e plataformas em todos os domínios em ambientes disputados globalmente”, disse o almirante Christopher W. Grady, comandante do Comando do Forças da Frota dos Estados Unidos.

“O LSE testará as habilidades de nossos comandantes para produzir efeitos coordenados, de todas as direções, a qualquer momento ou em todos os momentos. Isso nos ajudará a construir a memória muscular necessária para fazer isso rotineiramente nos níveis operacional e estratégico da guerra ”, acrescentou o almirante Robert P. Burke, comandante das Forças Navais dos Estados Unidos na Europa.

O objetivo deste exercício militar marítimo é manter a paz e a estabilidade na região, disse o almirante Samuel Paparo, comandante da Frota do Pacífico dos Estados Unidos, segundo o comunicado.

“A ordem baseada em regras internacionais é essencial para nossa nação e nossos parceiros e aliados para a paz, segurança e estabilidade.”

Uma implementação sistemática

Um Hornet F / A-18 decola durante o exercício militar conjunto Saxon Warrior, a bordo do USS George HW Bush, na costa noroeste do Reino Unido, em 6 de agosto de 2017. (Dan Kitwood / Getty Images)

O LSE 2021 é apenas uma das ações que o governo dos Estados Unidos está realizando em todo o mundo, especialmente no Mar da China Meridional e no Mar da China Oriental.

O Diálogo Quadrilateral de Segurança entre os Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia concordou em 12 de março em sua declaração conjunta de 2021 , em ser unidos em “uma visão compartilhada por um Indo-Pacífico livre e aberto” e uma “ordem marítima baseada em regras. nos mares do leste e do sul da China ”, algo que os membros do Quad dizem ser necessário porque a China está promovendo suas reivindicações marítimas.

A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, planeja visitar o Vietnã e Cingapura no final deste mês com o objetivo de fortalecer a segurança regional no Sudeste Asiático, que está ameaçado pela agressão do Partido Comunista Chinês.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também participou de cinco reuniões ministeriais virtuais entre 2 e 6 de agosto com países membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

“Com o apoio dos Estados Unidos, Taiwan, Japão e os países do sudeste asiático não estão preocupados que as autoridades de Pequim queiram invadir seus territórios”, disse Tang.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas