EUA: FDA retira tratamento para COVID de 8 estados

“É improvável que seja eficaz contra a variante BA.2”, disse a FDA

Por Zachary Stieber 

Os reguladores de medicamentos dos EUA instruíram os profissionais de saúde em oito estados a parar de usar um tratamento para a COVID-19 porque pode não ser eficaz contra a subvariante da Ômicron, que está aumentando em prevalência.

A Food and Drug Administration (FDA) disse que o sotrovimab, um anticorpo monoclonal usado para tratar a COVID-19, não pode mais ser usado em Connecticut, Maine, Massachusetts, Nova Hampshire, Nova Jersey, Nova Iorque, Rhode Island e Vermont.

Os provedores em Porto Rico e nas Ilhas Virgens também foram instruídos a parar de usar stotrovimab.

Os reguladores acreditam que o tratamento, que recebeu autorização de uso emergencial em maio de 2021, “é improvável que seja eficaz contra a variante BA.2”, disse a FDA em comunicado.

BA.2 é uma subvariante da Ômicron, uma variante do vírus do PCCh (Partido Comunista Chinês), o patógeno que causa a COVID-19.

De acordo com a vigilância genômica conduzida pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, a BA.2 foi responsável por 12,6% dos casos de COVID-19 nos Estados Unidos na semana que acabou em 5 de março. Mas a agência projetou um aumento de 35% na semana que terminou em 19 de março, e a subvariante foi marcada como circulando amplamente no nordeste.

Com base nas estimativas, a BA.2 é responsável pela maioria dos casos nos estados onde a administração de sotrovimabe agora é limitada.

A FDA havia indicado em fevereiro que limitaria o tratamento.

Vários estudos indicaram que o sotrovimab não funciona bem contra BA.2, incluindo um publicado na Nature Medicine.

Mas a GlaxoSmithKline e a Vir Biotechnology, fabricantes do medicamento, disseram que os testes sugeriram que o tratamento manteve a atividade neutralizante contra a BA.2.

As empresas disseram em 25 de março que estavam cientes do movimento da FDA e estão se preparando para enviar um pacote de dados para a agência e outras autoridades reguladoras que mostram que uma dose mais alta de sotrovimabe funciona contra a BA.2.

Os tratamentos para a COVID-19 que parecem ser eficazes contra a BA.2 incluem a pílula da Pfizer, Paxlovid; o antiviral da Gilead Sciences conhecido como Remdesivir; e o recém-autorizado Bebtelovimab, um monoclonal fabricado pela Eli Lilly, de acordo com a FDA.

“Continuaremos monitorando a BA.2 em todas as regiões dos EUA e podemos revisar ainda mais a autorização para garantir que os pacientes com a COVID-19 tenham tratamentos eficazes disponíveis. Os prestadores de cuidados de saúde também devem monitorar a frequência de BA.2 em sua região ao escolherem as opções de tratamento apropriadas para os pacientes”, afirmou a agência.

A FDA anteriormente cortou a autorização para o REGEN-COV, um monoclonal da Regeneron, e um tratamento separado da Eli Lilly porque os testes de laboratório sugeriram que eles não resistiram bem à Ômicron.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas