EUA e Rússia concordam em negociar armas nucleares em junho e convidam a China

Por Sua Kietlinska

Os Estados Unidos e a Rússia concordaram em uma data e local para as negociações de armas nucleares em junho e também convidaram a China, escreveu o enviado especial dos Estados Unidos para o controle de armas, Marshall Billingslea, na segunda-feira no Twitter.

“A data e o local das negociações de armas nucleares em junho foram acordadas com o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Ryabkov, hoje. A China também foi convidada. A China avançará e negociará de boa fé? Escreveu Billingslea.

“O presidente Trump encomendou este governo para iniciar um novo capítulo em busca de uma nova era de controle de armas que vá além dos tratados bilaterais anteriores”, disse o Departamento de Estado em comunicado em 10 de abril.

“As autoridades chinesas agora estão falando abertamente sobre os objetivos de ‘renovação nacional’ que incluem o ‘Sonho de um exército forte’ para garantir que as forças armadas de Pequim adquiram capacidades de classe mundial superiores a qualquer outra no planeta até 2049, escreveu o secretário de Estado assistente. Christopher Ford em um documento de 20 de maio.

“Hoje, a RPC está envolvida em um aumento militar gigantesco e de amplo espectro que … também envolverá pelo menos o dobro do tamanho do arsenal nuclear de Pequim na próxima década”, escreveu Ford.

Veículos militares que transportam mísseis balísticos intercontinentais DF-31AG passam pela Praça da Paz Celestial durante o desfile militar que marca o 70º aniversário da fundação da República Popular da China em seu Dia Nacional em Pequim, China, em 1 de outubro de 2019 (Foto do arquivo)
Veículos militares que transportam mísseis balísticos intercontinentais DF-31AG passam pela Praça da Paz Celestial durante o desfile militar que marca o 70º aniversário da fundação da República Popular da China em seu Dia Nacional em Pequim, China, em 1 de outubro de 2019 (Foto do arquivo)

O único acordo de controle de armas nucleares entre os EUA e a Rússia que ainda permanece e que liga os dois países é o Novo Tratado START, que foi assinado em 2010 e expirará em fevereiro de 2021.

O novo Tratado START limita o número de armas nucleares estratégicas que cada país pode usar para “1.550 ogivas nucleares em 700 mísseis e bombardeiros pesados”, segundo o site da Associação de Controle de Armas.

De acordo com dados trocados em 1º de março, “os Estados Unidos usaram 1.372 ogivas nucleares em 655 mísseis e bombardeiros pesados. A Rússia implantou 1.326 ogivas em 485 sistemas de lançamento”, afirmou o site, indicando que os dois estados participantes estão em conformidade com o Tratado.

O tratado também permite que os Estados Unidos e a Rússia realizem inspeções no local, de acordo com o site.

Os Estados Unidos testam um míssil de alcance intermediário na Califórnia em 19 de agosto de 2019 (Departamento de Defesa)
Os Estados Unidos testam um míssil de alcance intermediário na Califórnia em 19 de agosto de 2019 (Departamento de Defesa)

Em agosto de 2019, os Estados Unidos retiraram o Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) com a Rússia porque o país não cumpriu o tratado, incluindo o não cumprimento de pedidos para destruir seus mísseis balísticos 9M729.

Funcionários dos EUA começaram a levantar preocupações sobre a não conformidade da Rússia com o tratado em 2013.

Tanto os Estados Unidos quanto a Rússia suspenderam suas obrigações sob o Tratado INF em fevereiro, depois de meses de fracassadas negociações e anos de tentativas de Washington para impor o pacto histórico de armas de Moscou.

Após a retirada oficial do Tratado INF, os Estados Unidos começaram a testar um míssil de cruzeiro de médio alcance lançado no solo que seria banido pelo tratado.

Os Estados Unidos apresentaram recentemente uma notificação para se retirar do Tratado de Céus Abertos, citando violações do tratado pela Rússia, de acordo com uma declaração do Secretário de Estado Mike Pompeo.

O tratado permite que seus participantes realizem vôos de vigilância desarmados sobre os territórios uns dos outros.

“No caso de a Rússia cumprir totalmente com o tratado novamente”, os Estados Unidos reconsiderarão sua participação nos Céus Abertos, segundo comunicado.

O senador Bob Menendez (DN.J.), membro sênior do Comitê de Relações Exteriores do Senado, apresentou dois novos projetos de lei em 2 de junho, com o objetivo de limitar a Rússia e a China em seus esforços para desenvolver e modernizar seus arsenais nucleares estratégicos.

“Sem uma base firme que limite os arsenais nucleares de nossos adversários, os Estados Unidos poderão novamente se encontrar em uma corrida armamentista cara, com poucas oportunidades de reduzir os riscos nucleares com a Rússia e a China”, disse Menendez.

O primeiro projeto de lei, a Lei sobre o Futuro do Controle de Armas, pede a extensão imediata do Novo START e impede o presidente de tomar qualquer ação contra o tratado se uma decisão sobre seu escopo não for tomada, disse Menéndez no comunicado.

O segundo projeto de lei, a Lei de Política de Controle de Armas da China, exige que os Secretários de Estado e Defesa enviem um relatório ao Congresso sobre métodos de envolvimento da China no controle de armas.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

A conexão de Wall Street com a pandemia

 
Matérias Relacionadas