EUA e OTAN respondem às demandas da Rússia após Moscou alertar sobre ‘medidas de retaliação’

Sem concessões, mas em busca de diálogo

Por Mimi Nguyen Ly 

Os Estados Unidos e a aliança de segurança ocidental da OTAN responderam às demandas de segurança da Rússia em declarações escritas separadas, como esforços diplomáticos contínuos para chegar a uma resolução sobre a situação na Ucrânia, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken afirmou na quarta-feira.

A Rússia em dezembro de 2021 exigiu que a OTAN nunca adicionasse a Ucrânia e outras nações ex-soviéticas como membros, e também exigiu que os membros da OTAN retirassem o envio de tropas na Europa Central e Oriental. Desde então, Moscou também enviou cerca de 100 mil soldados com tanques e outras armas pesadas para suas fronteiras com o nordeste da Ucrânia, mas nega que esteja planejando um ataque.

Washington e aliados da OTAN rejeitaram as exigências da Rússia, mas apresentaram várias propostas e estão buscando o diálogo com Moscou.

Blinken declarou a repórteres na Casa Branca na quarta-feira que o embaixador dos EUA na Federação Russa, John Sullivan, entregou pessoalmente as respostas escritas do governo Biden ao Ministério das Relações Exteriores da Rússia em Moscou. Ele afirma que as propostas apresentadas pelos Estados Unidos podem atender às preocupações da Rússia, ao mesmo tempo em que aumentam a segurança dos países membros da OTAN.

Embaixador dos EUA na Rússia, John Sullivan, entra no prédio do Ministério das Relações Exteriores da Rússia em Moscou, no dia 26 de janeiro de 2022 (AP Photo/Alexander Zemlianichenko)
Embaixador dos EUA na Rússia, John Sullivan, entra no prédio do Ministério das Relações Exteriores da Rússia em Moscou, no dia 26 de janeiro de 2022 (AP Photo/Alexander Zemlianichenko)

O governo Biden, no documento entregue a Moscou, deixou claro os princípios fundamentais com os quais está comprometido à defesa, que inclui “a soberania e integridade territorial da Ucrânia e o direito dos estados de escolherem seus próprios arranjos e alianças de segurança”, afirmou Blinken a repórteres.

“Abordamos a possibilidade de medidas de transparência recíproca em relação à postura da força na Ucrânia, bem como medidas para aumentar a confiança em relação a exercícios e manobras militares na Europa”, declarou Blinken.

“E abordamos outras áreas em que vemos potencial de progresso, incluindo controle de armas relacionado a mísseis na Europa, nosso interesse em um acordo subsequente ao novo tratado START que abrange todas as armas nucleares e maneiras de aumentar a transparência e a estabilidade”, adicionou ele.

Sob o novo tratado START, os Estados Unidos e a Rússia estão limitados a um número igual de ogivas estratégicas e armas que as carregam.

Blinken afirmou que as respostas dos EUA a Moscou foram “totalmente coordenadas com a Ucrânia e nossos aliados e parceiros europeus”.

“Espero falar com o ministro [russo] das Relações Exteriores, Lavrov, nos próximos dias, após Moscou ter a chance de ler o jornal e estiver pronta para discutir os próximos passos”, declarou Blinken. “Não deve haver dúvidas sobre nossa seriedade de propósito quando se trata de diplomacia, e estamos agindo com igual foco e força para reforçar as defesas da Ucrânia e preparar uma resposta rápida e unida a novas agressões russas.”

Logo após a coletiva de imprensa de Blinken, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg , declarou em um briefing online que a aliança havia enviado uma resposta separada à Rússia.

Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, se pronuncia durante uma coletiva de imprensa conjunta na sede da Otan em Bruxelas, na Bélgica, no dia 24 de janeiro de 2022 (John Thys/AFP via Getty Images)
Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, se pronuncia durante uma coletiva de imprensa conjunta na sede da Otan em Bruxelas, na Bélgica, no dia 24 de janeiro de 2022 (John Thys/AFP via Getty Images)

Stoltenberg afirmou a repórteres que há três áreas principais em que a OTAN vê espaço para progresso: relações OTAN-Rússia; segurança europeia; e redução de riscos, transparência e controle de armas.

Ele pediu para restabelecer as comunicações e os laços diplomáticos entre a Rússia e a aliança de 30 membros para ajudar a melhorar as relações e prevenir incidentes ou acidentes militares.

Ele também afirmou que a Otan está preparada para se envolver com Moscou em “uma conversa real sobre como defender e fortalecer os princípios fundamentais da segurança europeia”.

“Isso inclui o direito de cada nação de escolher seus próprios arranjos de segurança”, observou ele, pedindo a Moscou que “se abstenha de postura de força coercitiva, retórica agressiva e atividades malignas dirigidas contra Aliados e outras nações”.

“A Rússia também deve retirar suas forças da Ucrânia, Geórgia e Moldávia, onde estão posicionadas sem o consentimento desses países”, acrescentou.

Stoltenberg também ofereceu uma série de abordagens para aumentar a transparência militar e discutir o controle de armas – inclusive sobre armas e mísseis nucleares. “Essas áreas representam a agenda para um diálogo significativo, e convidei os Aliados e a Rússia para uma série de reuniões para abordar todas essas questões com mais detalhes no Conselho OTAN-Rússia”, declarou.

Um comboio de veículos russos blindados se move ao longo de uma estrada na Crimeia, no dia 18 de janeiro de 2022 (AP Photo)
Um comboio de veículos russos blindados se move ao longo de uma estrada na Crimeia, no dia 18 de janeiro de 2022 (AP Photo)

Stoltenberg relatou que a Otan rejeitou qualquer tentativa de bloquear associações, como os Estados Unidos.

“Não podemos e não vamos comprometer os princípios sobre os quais a segurança de nossa aliança e a segurança na Europa e na América do Norte se baseiam”, afirmou ele, acrescentando mais tarde: “Trata-se de respeitar as nações e seu direito de escolher seu próprio caminho”.

Stoltenberg afirmou que os aliados da Otan aumentaram nos últimos dias a presença militar com mais navios e aviões na região do Mar Negro e do Mar Báltico, para vigiar a área dentro e ao redor da Ucrânia e tranquilizar os aliados.

Ele relatou que a Otan “há algumas semanas” também aumentou a prontidão de sua Força de Resposta. “Esta força de resposta [é] composta por diferentes elementos e o elemento principal da Força de Resposta da OTAN é composto por cerca de 5.000 soldados. Atualmente é liderado pela França. Mas também outros Aliados contribuem com tropas para esse elemento principal, e ele pode ser implementado em poucos dias”.

Resposta da Rússia 

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Grushko, afirmou à agência de notícias Interfax, na quarta-feira, que a Rússia vai “estudar” a proposta da OTAN.

“Vamos ler. Estudá-lo. Os sócios estudaram nosso projeto por quase um mês e meio”, declarou.

Antes das respostas às demandas da Rússia, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou aos legisladores russos na quarta-feira que ele e outros altos funcionários aconselharão o presidente Vladimir Putin sobre os próximos passos, informou a Associated Press.

“Se o Ocidente continuar seu curso agressivo, Moscou tomará as medidas de retaliação necessárias”, afirmou Lavrov, acrescentando: “Não permitiremos que nossas propostas sejam afogadas em discussões intermináveis”.

EUA requisita aos americanos para ‘considerar fortemente sair’ da Ucrânia

O Departamento de Estado dos EUA, no dia 23 de janeiro, ordenou a evacuação de familiares de funcionários de sua embaixada em Kiev, na Ucrânia, e instou todos os americanos na Ucrânia a “considerar partir agora usando serviços comerciais ou outras opções de transporte privado disponíveis”.

Blinken reiterou na quarta-feira que os americanos deveriam “considerar fortemente deixar” a Ucrânia, acrescentando que a embaixada “pode conceder empréstimos àqueles que não podem pagar o custo de uma passagem comercial”.

“Se a Rússia invadir, civis – incluindo americanos ainda na Ucrânia – podem ser pegos em uma zona de conflito entre forças combatentes”, alertou. “O governo dos EUA pode não estar em condições de ajudar indivíduos nessas circunstâncias. Este tem sido o caso em zonas de conflito em todo o mundo”.

Separadamente, Oleksii Reznikov, Ministro da Defesa da Ucrânia, afirmou aos cidadãos ucranianos em 24 de janeiro que, no momento, “não há motivos para acreditar” que Moscou esteja preparando uma invasão em um futuro próximo, e não há necessidade de cidadãos “terem [suas] malas prontas”.

O presidente Joe Biden está considerando a possibilidade de enviar tropas dos EUA para a Europa Oriental para unir esforços para defender a Ucrânia e países aliados. O Pentágono anunciou em 24 de janeiro que, caso a situação o justifique, 8.500 soldados americanos estão em “maior prontidão para desdobramento”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas