EUA e Coreia do Sul suspendem treinamentos militares de larga escala em apoio aos esforços diplomáticos

Trump disse que as despesas envolvidas na condução dos exercícios em larga escala foram um fator na decisão de descontinuar e considerar estratégias alternativas

Por Melanie Sun

Autoridades dos Estados Unidos e da Coreia do Sul confirmaram que os dois aliados seguirão em frente planejando encerrar dois de seus maiores exercícios militares na primavera em favor de iniciativas mais simplificadas.

O Pentágono informou em um comunicado de imprensa, em 2 de março, que os Estados Unidos e os chefes de defesa sul-coreanos decidiram concluir seus exercícios em larga escala e substituí-los por programas de treinamento mais focados.

“Após uma estreita coordenação, ambos os lados decidiram concluir a série de exercícios KEY RESOLVE e FOAL EAGLE”, diz o comunicado.

Em vez disso, depois de analisar o resultado da segunda cúpula do presidente Donald Trump com o líder norte-coreano Kim Jong Un, o secretário de Defesa americano, Patrick Shanahan, e o ministro da Defesa da Coreia do Sul, Jeong Kyeong-doo, concordaram em “manter uma prontidão militar firme através de exercícios de Posto de Comando recém-elaborados e programas de treinamento de campo revisados.”

Ambas as autoridades “deixaram claro que a decisão da Aliança de adaptar nosso programa de treinamento reflete nosso desejo de reduzir a tensão e apoiar nossos esforços diplomáticos para alcançar a desnuclearização completa da Península Coreana, de uma maneira final e totalmente confirmada”, disse o comunicado.

O Ministério da Defesa de Seul divulgou uma declaração semelhante.

Um funcionário disse à NBC News: “Os Estados Unidos identificaram formas de mitigar potenciais preocupações de prontidão, observando as tarefas exigidas na missão, em vez de ter que realizar exercícios em grande escala”.

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul suspenderam alguns outros exercícios conjuntos, como os exercícios conjuntos Ulcus-Freedom Guardian, em junho de 2018, e o exercício aéreo Vigilant Ace, em outubro de 2018,  após a primeira cúpula de Trump com Kim em Cingapura no ano passado.

Na cúpula de Cingapura, Trump prometeu cancelar os “jogos de guerra” na região, para garantir a segurança da Coreia do Norte, depois que Kim concordou em interromper imediatamente todos os testes nucleares e de mísseis e destruir o principal local de testes nucleares do Norte, além de outro local para testes de tecnologia de mísseis. Kim também concordou em se comprometer com a completa desnuclearização da Península Coreana na cúpula.

“Nas circunstâncias em que estamos negociando um acordo completo e abrangente, acho inadequado ter jogos de guerra”, disse Trump na época.

Depois que a segunda cúpula com Kim, em Hanói, terminou em 28 de fevereiro, sem um acordo para avançar a desnuclearização, Trump foi questionado pela mídia se ele iria re-impor exercícios militares na região.

Um F / A-18F Super Hornet de dois lugares pousando no convés do porta-aviões da classe Nimitz USS Carl Vinson durante exercícios militares em 14 de março de 2017 (JUNG YEON-JE / AFP / Getty Images)

Trump disse aos repórteres que as despesas envolvidas na condução dos exercícios em larga escala foram um fator na decisão de descontinuar e considerar estratégias alternativas.

“Esses exercícios são muito caros”, disse Trump. “Eu não estou dizendo que não seja necessário, porque em alguns níveis é, mas em outros níveis não é. Mas é uma coisa muito, muito cara. E você sabe, nós temos que pensar sobre isso também”.

O presidente Donald Trump realiza uma coletiva de imprensa após sua cúpula com o líder norte-coreano Kim Jong Un no hotel JW Marriott em Hanói, no Vietnã, em 28 de fevereiro de 2019 (Reuters / Leah Millis)

Trump disse que, em sua opinião, a Coreia do Sul deveria pagar mais pela presença militar dos Estados Unidos na região. “Estamos protegendo a Coreia do Sul. Eu acho que eles deveriam nos ajudar com isso”, disse ele.

“Estamos gastando uma quantidade enorme de dinheiro em muitos países, protegendo países que são muito ricos e que certamente podem pagar”.

Soldados sul-coreanos se reúnem em Arrowhead Ridge, um local de batalhas na Guerra da Coreia de 1950-53, enquanto uma estrada tática é construída através da linha de demarcação militar dentro da Zona Desmilitarizada (DMZ) em Cheorwon, Província de Gangwon, Coreia do Sul em 22 de novembro , 2018 (Kim Min-Hee / AFP / Getty Images)

A península coreana permanece em estado técnico de guerra porque a Guerra da Coréia de 1950 a 53 terminou com um armistício, não um tratado de paz. Cerca de 28.500 soldados americanos estão na Coreia do Sul para deter a possível agressão da Coreia do Norte.

A declaração do Pentágono acrescentou que tanto os Estados Unidos quanto a Coreia do Sul continuam compartilhando uma aliança robusta para garantir “paz e segurança na Península Coreana” e estão de acordo em “continuar fortalecendo a coordenação e a cooperação” por meio de reuniões no futuro próximo.

De NTD.com

 
Matérias Relacionadas