EUA e China competem pelo controle do futuro através da inteligência artificial

'Inteligência artificial é um recurso de poder colossal, aqueles que a possuírem irão assumir a liderança', afirmou Vladimir Putin

Por Shi Shan & Anne Zhang

À medida que cada aspecto da vida moderna se torna cada vez mais digitalizado, não apenas as economias das nações, mas sua influência soberana dependerá cada vez mais do domínio da tecnologia, e especialmente a tecnologia emergente da inteligência artificial (IA).

Na revolução da tecnologia da informação do século XXI, quem chegar a um avanço no desenvolvimento de IA dominará o mundo.

“A inteligência artificial é um recurso de poder colossal”, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou na conferência AI Journey 2019, um importante fórum do Leste Europeu sobre IA, realizada em Moscou, no dia 9 de novembro de 2019. “Aqueles que a possuírem irão assumir a liderança e irão adquirir uma enorme vantagem competitiva”.

Putin expressou sua preocupação com o papel da Rússia na corrida pela inteligência artificial no fórum – seus dois concorrentes, os Estados Unidos e a China, estão muito à frente de outros países na corrida pela IA.

“Devemos, e estou confiante de que podemos nos tornar um dos líderes globais em IA. É uma questão do nosso futuro, do lugar da Rússia no mundo”, acrescentou Putin.

Embora os Estados Unidos ainda sejam o líder mundial em termos de IA, a China está rapidamente se movendo para ocupar o seu lugar.

Em 16 de outubro, Nicolas Chaillan, o ex-chefe de software da Força Aérea dos Estados Unidos, declarou ao Epoch Times que os Estados Unidos perderão a corrida pela IA ​​contra a China comunista se Washington não agir rápido.

“Estamos perdendo essa batalha”, afirmou Chaillan. “Se não agirmos agora e não acordarmos imediatamente … não teremos chance de lutar pelo sucesso em 10 a 15 anos a partir de agora”.

Chaillan sugeriu que se os Estados Unidos não tomarem uma atitude agressiva, eles perderão sua vantagem sobre a China comunista no campo da IA ​​em dez anos.

As vantagens dos EUA em IA que Chaillan mencionou referem-se principalmente ao campo militar. No entanto, no campo não militar, a China pode levar vantagem. Os aplicativos de IA do Partido Comunista Chinês (PCC), como vigilância digital, big data e computação em nuvem, há muito tempo são usados ​​para fortalecer seu governo autoritário.

‘Nova forma’ de fortalecer o autoritarismo do PCC

O PCC priorizou o desenvolvimento de IA nos últimos anos, tornando-a uma “estratégia de desenvolvimento nacional chave”. Ele exigiu a IA em muitos aspectos da vida do cidadão comum, não apenas para vigiar e controlar seu povo, mas também para usar sua enorme população como estímulo ao desenvolvimento da tecnologia.

Para apoiar o rápido desenvolvimento da IA, o PCC emitiu uma série de políticas e regulamentos de apoio, incluindo o “Fabricado na China 2025” e o “13º Plano Quinquenal”.

Em 2017, o Conselho de Estado da China emitiu o “Plano de Desenvolvimento de Inteligência Artificial da Nova Geração”, enfatizando a importância da IA ​​em ajudar o governo a compreender e controlar a sociedade.

“A tecnologia de inteligência artificial pode perceber, prever e alertar com precisão as principais tendências da sociedade. [Ela pode] compreender as mudanças psicológicas e cognitivas das pessoas e decidir as respostas de forma proativa. [Esta tecnologia] irá melhorar significativamente a capacidade e o nível de governança social. É insubstituível para efetivamente manter a estabilidade social”, de acordo com o plano.

“Isso terá um impacto profundo na gestão governamental, na segurança econômica, na estabilidade social e na governança global.”

O colunista de finanças e economia de Hong Kong, Alexander Liao, afirmou que o PCC acredita que a revolução tecnológica emergente – da inteligência artificial – pode trazer uma nova vida ao sistema autoritário, que estava à beira do colapso.

Em 2013, o PCC propôs o plano de “Modernização do Sistema de Governança Nacional e da Capacidade de Governança” e o adotou após cinco anos em sua plenária de 2019. De acordo com a Xinhua News Agency, uma mídia estatal chinesa, o projeto é “uma série de arranjos institucionais que visam tornar o sistema de governança da China cada vez mais completo, cientificamente padronizado e operado de forma mais eficaz”.

Em 2014, o PCC lançou o “Sistema de Crédito Social”, que vinculava o comportamento social de todos os cidadãos comuns ao sistema de monitoramento em grande escala na China continental. Adotou reconhecimento facial e tecnologia de análise de big data para realizar o controle social em larga escala com IA.

Em 2020, o sistema foi  integrado em quase todos os campos de serviço público, incluindo emprego, educação, serviços de empréstimo, compra de passagens e muito mais. Este método de controle foi totalmente popularizado na forma de “códigos de saúde” durante a pandemia do vírus do PCC.

“Todas as medidas de ‘modernização da governança’ são a base para fortalecer o governo autoritário do PCC para finalmente alcançar o controle totalitário, e tudo está enraizado na inteligência artificial”, acrescentou Liao.

Vigilância da China através IA

O pesquisador da Indústria IHS Markit, afirmou que o número de câmeras usadas para vigilância aumentaria para mais de 1 bilhão até o final de 2021, de acordo com um relatório de 2019 do The Wall Street Journal. Isso representaria um aumento de quase 30% em relação às 770 milhões de câmeras atuais. A China continuaria respondendo por pouco mais da metade do total.

O ex-engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), Qu Zheng, relatou ao Epoch Times que a tecnologia de reconhecimento facial do PCC já estava madura em 2018.

“Eles colocaram todo o sistema de IA dentro das câmeras; não há mais necessidade de monitorar por meio de telas”, afirmou Qu.

De acordo com uma nova análise divulgada em maio pelo serviço de pesquisa Comparitech, 16 das 20 cidades mais vigiadas estão na China, com base no número de câmeras por 1.000 habitantes.

O PCC construiu a maior rede de vigilância por vídeo do mundo, “Skynet”, em 2017. Para testar a capacidade do sistema, o repórter da BBC, John Sudworth, foi a Guiyang, Guizhou, para desafiá-lo em primeira mão, de acordo com a Newsweek. Com a tarefa de tentar não ser detectado pelo maior tempo possível em Guiyang, uma capital com cerca de 3,5 milhões de habitantes no sudoeste da China, Sudworth tentou escapar do sistema de reconhecimento facial, mas foi capturado pelas autoridades em apenas sete minutos.

Em abril, a Comissão de Segurança Nacional dos Estados Unidos sobre Inteligência Artificial divulgou um relatório (pdf) listando o PCC como um competidor estratégico e viu o desenvolvimento da China no campo da IA ​​como uma ameaça. “O uso doméstico de IA [vigilância e repressão] na China é um precedente assustador para qualquer pessoa em todo o mundo que preze a liberdade individual”, afirmou o autor.

John Allen, presidente da Brookings Institution, e o vice-presidente, Darrell West, foram os co- autores do “Turning Point”, um livro sobre inteligência artificial, discutindo como a sociedade pode utilizar melhor a tecnologia de IA. O livro menciona a criação de princípios éticos, o fortalecimento da supervisão do governo, a definição de culpabilidade corporativa, o endurecimento dos requisitos de privacidade pessoal e a penalização do uso malicioso de novas tecnologias.

Qu acredita que os países ocidentais devem formular uma convenção no campo da IA ​​o mais rápido possível. E uma vez que o PCC viole o acordo, eles poderāo impor sanções de acordo.

Os EUA continuam a ser um grande investidor no desenvolvimento de IA 

O grande salto para frente da China em inteligência artificial é impulsionado pelo capital em grande escala. No entanto, apesar da ameaça emergente, Wall Street continua sendo o maior investidor na indústria chinesa de IA, de acordo com Liao.

Quase todas as grandes empresas de tecnologia da China continental são apoiadas por capital americano. Por exemplo, os gigantes chineses da tecnologia Baidu, Tencent, Alibaba e ByteDance – a empresa controladora do TikTok – foram listados publicamente e fortemente investidos por Wall Street ao longo dos anos. Por sua vez, esses gigantes chineses da tecnologia investem pesadamente em empresas de tecnologia domésticas, incluindo startups chinesas de IA.

O investimento direto e o capital de risco de Wall Street trouxeram seu mecanismo de incubação de empresas de alta tecnologia para a China continental, ajudando a China a criar indústrias de alta tecnologia que competem com os Estados Unidos. E, no entanto, é o PCC que controla essas indústrias.

O Center for Security and Emerging Technology (CSET), um think tank dos EUA, estimou que o investimento total do PCC em P&D de inteligência artificial em 2018 foi entre US $2 bilhões e US $8,4 bilhões.

De acordo com a CB Insights, uma empresa de análise de negócios, as startups de IA levantaram um recorde de $26,6 bilhões em 2019, abrangendo mais de 2.200 negócios em todo o mundo. As startups nos Estados Unidos representaram 39%, China 13%, seguida pelo Reino Unido 7%, Japão 5,3% e Índia 4,9%.

Fonte: CB Insights (Epoch Times Graphics)
Fonte: CB Insights (Epoch Times Graphics)

IA não é uma tecnologia autônoma, mas uma parte de toda a indústria de alta tecnologia, incluindo 5G, computação em nuvem, big data, Internet das coisas, realidade mista (MR), computação quântica, blockchain, computação de ponta e outras novas gerações de tecnologia da informação. A  IA e as indústrias de alta tecnologia apoiam-se mutuamente e constituem o futuro de toda a economia social.

Pequim é a principal base de treinamento do PCC para especialistas em IA. A “Aula Experimental de Ciência da Computação” da Universidade de Tsinghua foi fundada em 2005 pelo cientista da computação de renome mundial Andrew Yao. E o “Programa de Treinamento de Talentos de Turing”, da Universidade de Pequim, foi iniciado em 2017 pelo cientista da computação americano, John Hopcroft, que projetou o programa de treinamento e o currículo. Hopcraft ensinou e treinou pessoalmente os especialistas em IA de Pequim, desde a graduação até o doutorado.

Andrew Yao e John Hopcroft receberam o Prêmio Turing da Association for Computing Machinery (ACM). O Prêmio Turing é frequentemente referido como o equivalente em ciência da computação ao Prêmio Nobel.

Yao era cidadão taiwanês e cidadão americano naturalizado antes de renunciar à cidadania americana e taiwanesa para obter a cidadania chinesa. Ele completou sua graduação em física na National Taiwan University antes de completar um doutorado em filosofia em física na Harvard University em 1972, e então um segundo Ph.D. em ciência da computação pela University of Illinois em 1975. Yao lecionou no MIT, Stanford University, UC Berkeley e Princeton University. Em 2004, ele se tornou professor na Universidade Tsinghua de Pequim.

Hopcroft é um conhecido cientista da computação teórica americano. Ele recebeu seu mestrado e doutorado pela Stanford University em 1962 e 1964, respectivamente. Ele lecionou na Princeton University e na Cornell University. Os livros de Hopcroft sobre teoria da computação (também conhecido como o livro da Cinderela) e estruturas de dados são considerados padrões no campo da ciência da computação.

Atualmente, existem cerca de 2.600 empresas de inteligência artificial na China. A maioria localizada no centro de tecnologia do distrito de Haidian em Pequim, trabalhando em estreita colaboração com a Universidade de Tsinghua, a Universidade de Pequim e a Universidade de Aeronáutica e Astronáutica de Pequim.

Controlando o futuro

A inteligência artificial (IA) foi inicialmente uma ideia para imitar e aumentar a inteligência humana. No entanto, as tecnologias de IA de hoje estão se proliferando rapidamente em todo o mundo. Elas estão substituindo humanos na fabricação, na prestação de serviços, no recrutamento, nas comunicações, nos exércitos, na indústria financeira e em outros setores, gerando enormes interesses financeiros nesses muitos setores, de acordo com a Harvard Business Review.

De acordo com um relatório de 2019 (pdf) compilado pela Deloitte, uma rede global de serviços profissionais, os especialistas prevêem que o uso da inteligência artificial (IA) em maior escala adicionará até US $15,7 trilhões à economia global até 2030.

Ao mesmo tempo, os desenvolvimentos em IA também criaram disputas geopolíticas. Em uma reunião com estudantes em 2017, o presidente russo Vladimir Putin declarou que “aquele que se tornar o líder nesta esfera será o governante do mundo”, de acordo com um relatório da Associated Press.

“Quando os drones de um partido forem destruídos pelos drones de outro, ele não terá outra escolha a não ser se render”, acrescentou Putin, prevendo que guerras futuras serão travadas por drones.

Naquele mesmo ano, o PCC incorporou os desenvolvimentos em IA na sua estratégia nacional e definiu metas para se tornar o líder global até 2030.

Os Estados Unidos há muito tempo são os líderes no campo de IA. À frente do PCC, a Casa Branca de Trump já havia delineado seu Plano Estratégico Nacional de P&D para IA, em 2016.

No entanto, o PCC se tornou um grande competidor dos Estados Unidos no campo da IA, com sua rápida expansão nos últimos anos. O relatório da Deloitte mostra que de 2015 a 2020, a taxa de crescimento composta média anual do mercado global de inteligência artificial foi de 26,2%, enquanto a taxa de crescimento do mercado chinês de IA durante o mesmo período foi de 44,5%. Outro relatório da Deloitte sugere que em 2025 a escala da indústria de inteligência artificial da China ultrapassará US $85 bilhões.

Fonte: Deloitte (The Epoch Times Graphics)
Fonte: Deloitte (The Epoch Times Graphics)

De acordo com o relatório do Índice de IA de 2021, da Universidade de Stanford, o número de publicações em periódicos de IA da China ultrapassou o dos Estados Unidos desde 2017. As publicações de periódicos de IA na China, em 2020, foram responsáveis ​​por 18 por cento do total global, ficando em primeiro lugar no mundo, seguido por 12,3 por cento dos Estados Unidos. No entanto, com relação às citações de publicações em conferências de IA, os Estados Unidos ainda lideram o mundo com 40,1% do total de citações, em 2020, o que está significativamente à frente dos 11,8% da China. O número de citações corresponde ao impacto das publicações na pesquisa e desenvolvimento (P&D) dos campos de IA.

Controlando os dados

A inteligência artificial aproveita softwares e máquinas de computador para imitar as capacidades de resolução de problemas e tomada de decisão da mente humana. Seus recursos incluem reconhecimento de texto, voz e imagem, além de robôs com habilidades específicas. Mais especificamente, é “uma capacidade do sistema de interpretar corretamente os dados externos, de aprender com esses dados e de usar esses aprendizados para atingir objetivos e tarefas específicas por meio de adaptação flexível”.

Existem dois elementos cruciais nas amplas aplicações da IA; a unidade de processamento gráfico (GPU) e os dados. A GPU determina o poder de computação e a qualidade dos dados determina o tempo necessário para treinar a IA.

A unidade de processamento central (CPU) é conhecida como o cérebro do computador onde a maioria dos cálculos ocorre, mas é composta de alguns núcleos com muita memória de cache que só podem lidar com alguns threads de software por vez.

Uma unidade de processamento gráfico (GPU), por outro lado, consiste em centenas de núcleos através dos quais a computação paralela é possível. Em aplicativos de IA, a arquitetura prefere processadores gráficos (GPUs) às unidades centrais de processamento (CPUs). As GPUs são particularmente adequadas para realizar cálculos como análise e previsão e aprendizado de máquina.

Na indústria de GPU, os Estados Unidos têm uma vantagem absoluta devido à NVIDIA e à AMD. De acordo com a Tom’s Hardware, durante o primeiro trimestre de 2021, a NVIDIA comandou 81 por cento do mercado de GPUs, com a AMD capturando os 19 por cento restantes. As duas empresas americanas dominaram o mercado de GPUs.

Um relatório de 2019 do Center for Data Innovation comparou a posição relativa na corrida da IA ​​entre os Estados Unidos, China e União Europeia, examinando seis categorias de métricas – talento, pesquisa, desenvolvimento, adoção, dados e hardware. Descobrindo que os Estados Unidos lideram atualmente em quatro categorias – talento, pesquisa, desenvolvimento e hardware – enquanto a China lidera nas duas categorias restantes – adoção e dados.

A China usa sua enorme população para reunir e desenvolver sua tecnologia local de IA. Tang Bohua, um examinador de patentes no Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos (USPTO), declarou à publicação chinesa do Epoch Times que a falta de consideração do PCC pelos direitos humanos e privacidade abre um enorme conjunto de dados para eles, enquanto o respeito dos Estados Unidos por estes direitos mantém os dados incompletos.

De acordo com Tang, o PCC força as empresas chinesas de tecnologia a coletar dados de seus usuários por vários meios. Os dados coletados são usados ​​para treinar a IA, acelerando rapidamente o desenvolvimento de seus aplicativos de IA.

“A sociedade ocidental acredita que há perigos na tecnologia de IA; portanto, existem restrições morais e legais. Além disso, há proteção de privacidade. Como resultado, a qualidade dos dados coletados pode não ser boa e é improvável que produza boas aplicações”. Tang afirma. “IA não é uma indústria fácil [na América]”.

“No entanto, o PCC não tem tais preocupações.”

Essa falta de preocupação permite a coleta e vigilância de dados em larga escala.

Gigantes da Internet e Big Data da China

Três grandes coletores de dados para o PCC são as grandes empresas de Internet do país: Baidu, Alibaba e Tencent (BAT). Elas têm planos há muito estabelecidos em aplicações de IA. As empresas contam com dados massivos e infraestrutura para compensar suas deficiências na indústria de semicondutores.

Autoridades dos EUA anteriormente mencionavam essas empresas como ferramentas, de fato, do regime chinês. As três reúnem dados de usuários da Internet e os alimentam em uma enorme plataforma de IA, de acordo com o especialista em segurança nacional e aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, General Robert Spalding.

De acordo com o “China’s Rise in Artificial Intelligence”, um relatório de 2017 (pdf) divulgado pela Goldman Sachs, a única deficiência da BAT é a falta de chips de qualidade. O relatório identificou “talento, dados, infraestrutura e silício” como as principais entradas para IA e que a China tem “talento, dados e infraestrutura [menos o silício] necessários para adotar totalmente a IA”.

Em termos de infraestrutura, os três gigantes da internet contam com plataformas completas próprias para coleta de dados e captação de especialistas. Além disso, os quase um bilhão de usuários da Internet na China apresentam à BAT uma enorme vantagem em dados.

De acordo com a CCID Consulting, o maior think tank da China, a capacidade de computação necessária para o treinamento de IA aumentará exponencialmente devido à taxa de crescimento acelerada de dados.

Os gigantes da Internet exigirão milhares de petabytes de volume de dados, enquanto as empresas menores exigirão petabytes e os dados pessoais exigirão terabytes. Um petabyte é igual a 1.024 terabytes.

Big data é a base do aprendizado de máquina e a chave para o rápido desenvolvimento de IA. O PCC obtém uma grande quantidade de big data com a cooperação dos gigantes da tecnologia da China.

Desenvolvimento de chips avançados

De acordo com o relatório Goldman Sachs de 2017, a única deficiência da BAT é a falta de chips de qualidade. Na verdade, a questão da produção de chips não é exclusiva do campo de IA, mas também é um problema na indústria de alta tecnologia da China. A China é incapaz de produzir chips avançados e depende principalmente de comprá-los no exterior.

De acordo com o relatório da Deloitte, desde 2015, os chips se tornaram o maior item de importação da China. Antes de 2015, as importações de chips da China eram próximas das importações de petróleo, mas de repente, mais do que dobrou suas importações de chips para $220 bilhões em 2015. Este número ultrapassou $300 bilhões em 2018 e $350 bilhões em 2020. E suas importações de chips aumentaram mais de 30 por cento de janeiro a maio de 2021.

No entanto, todas as três empresas (BAT) anunciaram novos desenvolvimentos em 2021 para a fabricação doméstica de chips.

Em 19 de outubro, a Alibaba revelou um chip Yitian 710 de uso próprio para ajudar no desenvolvimento de seus negócios de computação em nuvem. O chip foi fabricado usando um processo avançado de 5 nm.

Em agosto, a Baidu anunciou que seu chip de auto-desenvolvimento, Kunlun IA, de segunda geração, alcançou a produção em massa usando um processo de 7 nanômetros. O chip é adequado para serviços em nuvem, direção autônoma, transporte inteligente e outros usos relacionados.

Em julho, a Tencent abriu recrutamento de empregos online relacionados a P&D de chips em IA e codec de vídeo, principalmente cooperando com seus negócios de jogos e vídeo online. Além disso, a Tencent também investiu em empresas de chips, como a startup Enflame Technology, com sede em Xangai, que projeta chips de aprendizagem profunda para centros de dados em nuvem e produtos de aceleração de IA.

De janeiro a maio deste ano, a China produziu um total de 139,92 bilhões de chips, um aumento de 48,5% em comparação com o mesmo período do ano passado; o número total de chips importados durante o mesmo período foi de 260 bilhões, um aumento de 30% em relação ao mesmo período do ano passado.

Fechando a lacuna

Os esforços do Pentágono para manter uma vantagem estratégica contra a China nos domínios da inteligência artificial e do aprendizado de máquina estão sendo prejudicados pelo desperdício burocrático e pela falta de urgência, de acordo com um ex-funcionário de segurança cibernética do Departamento de Defesa (DoD).

Chaillan afirma que sua saída da Força Aérea dos EUA foi um protesto contra o lento progresso da transformação tecnológica das Forças Armadas dos EUA. Ele declarou que não queria ver a China ultrapassar os Estados Unidos.

Ele relata que Pequim está assumindo a liderança em inteligência artificial, aprendizado de máquina e tecnologia de rede e está caminhando para o domínio global. Em uma entrevista ao Epoch Times, Chaillan afirmou que a inteligência artificial dos EUA ainda está à frente da China em geral, mas rapidamente perdendo sua vantagem.

De acordo com Chaillan, o Pentágono não estava fazendo o suficiente para deixar os empreiteiros confortáveis ​​em trabalhar com os militares dos EUA, em parte devido à falta de transparência, resultando em grandes empresas privadas como o Google abandonando contratos governamentais e oportunidades de desenvolvimento. Pequim, em contraste, pode obrigar qualquer empresa dentro de suas fronteiras a desenvolver tecnologia em qualquer direção que escolher, levando assim, a um desenvolvimento muito mais rápido.

Além disso, Chaillan é fortemente crítico da burocracia do Pentágono e planeja testemunhar ao Congresso no futuro sobre a ameaça que o PCC representa para a superioridade da América.

O Centro de Segurança e Tecnologia Emergente (CSET) da Universidade de Georgetown afirma que o Exército de Libertação do Povo (PLA) da China, está usando inteligência artificial para simular a invasão de Taiwan, de acordo com um relatório de outubro. Entre outros objetivos militares, como análise de inteligência, guerra de informação, navegação autônoma de veículos e reconhecimento de alvos, a pesquisa mostrou que os militares chineses esperam combater a superioridade militar dos Estados Unidos com IA.

Um pesquisador do Instituto de Pesquisa de Segurança da Defesa Nacional de Taiwan, chamado Xie Peixue, relatou que tanto os jogadores civis quanto militares chineses usam videogames como Command: Modern Operations para simular a invasão de Taiwan, de acordo com a agência de notícias taiwanesa, China Democrática, no dia 1º de novembro.

Command: Modern Operations é um videogame de simulação de guerra que usa IA, permitindo aos jogadores simular todos os confrontos militares desde o pós-Segunda Guerra Mundial até os dias atuais e além. Embora possa simular cenários de ataque tático, operações estratégicas em escala também são possíveis.

Xie destacou que este software de simulação possui uma versão comercial e uma versão profissional. Não apenas há muitos jogadores no setor privado, mas os militares dos EUA e as empresas de defesa nacional também utilizam a versão profissional para simulações de guerra e análises de simulações militares.

“O uso de inteligência artificial em simulações de guerra é a tendência futura”, Xie sugeriu que tanto os militares americanos quanto chineses estão testando IA em simulações de guerra, mas ainda há um longo caminho a percorrer.

Big data é a chave para a pesquisa e o desenvolvimento da IA; quanto mais dados relevantes, melhor a inteligência artificial é treinada.

“A maior vantagem dos militares dos EUA é que eles coletam uma grande quantidade de dados diretamente do campo de batalha e do treinamento de combate real todos os dias para o treinamento de IA”, declarou Xie. “A IA treinada desta forma está mais de acordo com as necessidades do campo de batalha real”. Ele acrescentou que a dependência de Pequim em software estrangeiro decorre de sua falta de experiência e dados no campo de batalha.

Os dados são essenciais para o aprendizado da IA. Quanto mais dados disponíveis, melhor a IA pode aprender. E a China tem um dos maiores conjuntos de dados do mundo, embora não seja necessariamente para uso militar.

Além de aplicações estratégicas de IA, os militares chineses também estão se atualizando em aplicações táticas, como sistemas de tiro não tripulado, robôs de combate modernos e simuladores de espaço aéreo. Embora as Forças Armadas dos Estados Unidos tenham iniciado sua pesquisa e desenvolvimento há 20 anos, o PCC está se atualizando a toda velocidade com o rápido desenvolvimento de inteligência artificial e sistemas de aprendizado de máquina nos últimos anos.

O tenente-general chinês, Liu Guozhi, acredita que a IA vai acelerar o processo de transformação militar e trazer mudanças fundamentais para a alocação de tropas, estilos de combate, sistemas de equipamento e eficácia de combate, até mesmo desencadeando uma profunda revolução militar.

De acordo com Liu, a “revolução da informação” do PCC avançará em três estágios: digitalização, rede e inteligência. Atualmente, o exército do PCC introduziu com sucesso a tecnologia da informação em suas plataformas e sistemas de internet. Ao mesmo tempo, está avançando gradualmente na integração das capacidades de comando, controle, comunicações, computadores, inteligência, vigilância e reconhecimento, buscando aumentar ainda mais sua capacidade de guerra.

Em meio ao progresso acelerado da China em IA, Chaillan acredita que, se os Estados Unidos não tomarem medidas proativas imediatas para vencer a corrida de IA, “não haverá chance de vencê-la em 10 a 15 anos a partir de agora”, devido às mudanças nas regras do jogo.

Ameaça do comunismo

“O comunismo busca destruir todas as crenças, a moral e a cultura humana para alcançar a hegemonia mundial e o controle global. O desenvolvimento da tecnologia de inteligência artificial permitiu ao Partido Comunista Chinês ver a possibilidade de usar novas forças científicas e tecnológicas para alcançar seu domínio global”, afirmou o comentarista de assuntos atuais Richard Hui.

“Trinta anos após a desintegração da União Soviética, as pessoas descobriram repentinamente que o Partido Comunista Chinês havia substituído a União Soviética como uma nova ameaça à sociedade ocidental. Em muitas áreas, o PCC tem mais controle global do que a União Soviética naquela época.

“Durante essas três décadas, o PCC se aproveitou da negligência do mundo livre. Por meio do comércio injusto e do roubo de propriedade intelectual, transformou a China na segunda maior economia do mundo e uma superpotência manufatureira. O regime autoritário monopoliza os recursos sociais para desenvolver rapidamente a tecnologia de IA, buscando superar os Estados Unidos na nova era tecnológica.

“Se o PCC vencer a corrida pela IA, o destino da humanidade enfrentará uma grande virada. A tecnologia de IA pode dar origem a uma nova geração de armas inteligentes, como as armas cibernéticas, que podem ser mais ameaçadoras do que as armas nucleares. Essas tecnologias podem controlar e destruir a infraestrutura e os sistemas de armas de um país instantaneamente. Este será o modo de guerra futura, realizado com o toque de alguns botões do computador. Esta não é mais uma cena de um filme de ficção científica, mas ameaças reais que a humanidade enfrenta”, declarou ele.

“A questão mais importante é quem vai controlar essa tecnologia?”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas