EUA dizem à Rússia que apoio a Maduro não sairá de graça

Por EFE

Washington, 7 fev – O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliot Abrams, afirmou nesta sexta-feira que a Rússia logo descobrirá que o apoio ao governo de Nicolás Maduro custará caro ao Kremlin.

“Os russos logo descobrirão que seu contínuo apoio a Maduro não será gratuito. Aqueles que continuam se beneficiando ou apoiando Maduro deveriam tomar cuidado”, afirmou Abrams em entrevista coletiva.

Abrams afirmou que as várias ações que serão tomadas pelo governo americano nas próximas semanas “mostrarão a seriedade” das intenções dos EUA na Venezuela e comentou a visita do chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, a Caracas hoje.

“Me pergunto o que Lavrov está dizendo a Maduro. Duvido que ele esteja parabenizando Maduro por suas ações nas últimas semanas e meses. A Rússia ganhou com a crise e tomou mais de US$ 2 bilhões da Venezuela no ano passado”, denunciou Abrams.

Nesse contexto, o enviado especial dos EUA falou sobre a petroleira russa Rosneft, que tem sido alvo de discussões na Casa Branca sobre as atividades que exerce na Venezuela.

“Estamos conversando sobre o papel da Rosneft na Venezuela, um papel que cresceu bastante no ano passado e estamos estudando. Vamos falar sobre isso nas próximas semanas. Isso é tudo o que eu queria dizer hoje”, declarou.

Questionado sobre uma suposta oferta do governo Trump para permitir que Maduro saísse da Venezuela, Abrams respondeu que desde o ano passado a Casa Branca quer que o líder chavista deixe o poder.

“Ele tem que decidir que destino quer para si mesmo e para sua família. Até agora, parece que Maduro acredita que pode governar para sempre, 100 anos mais. Nosso conselho a Maduro é que ele pense um pouco mais seriamente sobre seu futuro pessoal. Outro futuro chegará e não será o Palácio de Miraflores para sempre”, concluiu.

 
Matérias Relacionadas