EUA: Departamento de Justiça anuncia investigação sobre tráfico de drogas do Hezbollah durante gestão Obama

O Departamento de Justiça (DOJ) dos EUA anunciou a criação de uma força-tarefa especial para investigar e processar indivíduos e redes que prestaram apoio ao grupo terrorista do Hezbollah.

O anúncio vem após uma ordem de dezembro do procurador-geral Jeff Sessions para uma revisão de como o Projeto Cassandra, uma iniciativa de aplicação da lei visando o tráfico de drogas e operações relacionadas ao Hezbollah nos Estados Unidos e no exterior, foi tratado por funcionários da gestão Obama.

A revisão foi ordenada depois que a mídia Politico informou que a gestão Obama interferiu durante anos na investigação do Hezbollah por agentes do Departamento de Combate às Drogas (DEA) para não perturbar o Irã.

EUA, DOJ, Hezbollah, tráfico de drogas, Obama - O ex-presidente estadunidense Barack Obama cumprimenta o secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, durante seu último comunicado de imprensa para a gestão Obama na Casa Branca em Washington, D.C., em 17 de janeiro de 2017 (Mark Wilson/Getty Images)
O ex-presidente estadunidense Barack Obama cumprimenta o secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, durante seu último comunicado de imprensa para a gestão Obama na Casa Branca em Washington, D.C., em 17 de janeiro de 2017 (Mark Wilson/Getty Images)

O Irã é o principal patrocinador do Hezbollah, um grupo terrorista criado no início da década de 1980 para promover a agenda anti-israelense do Irã. Até hoje, o grupo, designado oficialmente como uma organização terrorista pelo Departamento de Estado dos EUA em 1997, continua a realizar ataques terroristas contra Israel.

A revisão do DOJ levantou preocupações suficientes para Sessions nomear a força-tarefa especial.

Leia também:
• EUA sancionam regime do Irã por abusos dos direitos humanos
• Irã: iranianos arriscam suas vidas pedindo fim do regime islâmico

“Embora eu espere que não tenha havido barreiras construídas pela última administração para permitir que os agentes do DEA conduzissem apropriadamente todos os casos sob o Projeto Cassandra, esta é uma questão significativa para a proteção dos americanos”, disse Sessions ao solicitar a revisão.

Indivíduos investigados pela força-tarefa poderiam incluir funcionários da era Obama que supostamente obstruíam a investigação, incluindo o próprio presidente Barack Obama.

EUA, DOJ, Hezbollah, tráfico de drogas, Obama - Membros do grupo terrorista Hezbollah participam de uma cerimônia do ‘Dia do Mártir’ em 11 de novembro de 2010 (Mahmoud Zayat/AFP/Getty Images)
Membros do grupo terrorista Hezbollah participam de uma cerimônia do ‘Dia do Mártir’ em 11 de novembro de 2010 (Mahmoud Zayat/AFP/Getty Images)

Os supostos esforços de Obama para evitar os processos criminais contra o Hezbollah, apesar das evidências amplamente evidentes do comércio de drogas e da lavagem de dinheiro nos Estados Unidos, ocorreram quando seu governo estava em comunicação com o Irã para discutir seu programa nuclear.

Essas negociações resultaram em 2015 num acordo que interrompeu o desenvolvimento de armas nucleares no Irã por 10 anos. Em 2026, as disposições essenciais do acordo, incluindo as limitações ao enriquecimento de urânio, devem expirar. Especialistas acreditam que, nesse ponto, o regime iraniano poderia desenvolver uma arma nuclear dentro de seis meses.

Leia também:
• Trump alerta sobre a ‘enfermidade’ nas instituições dos EUA
• Político israelense diz que Obama deve devolver Prêmio Nobel da Paz

O presidente Donald Trump anunciou em outubro que renegociaria as partes do acordo que colocam restrições de tempo no acordo com o regime iraniano. Ele também disse que quer incluir o programa de desenvolvimento de mísseis balísticos do Irã no acordo, que atualmente não está coberto por ele.

A força-tarefa especial, chamada de Equipe de Financiamento e Narcoterrorismo do Hezbollah, é composta por promotores experientes na investigação de lavagem de dinheiro, crime organizado, terrorismo e tráfico internacional de narcóticos.

EUA, DOJ, FBI, corrupção, Clinton, Obama, Trump - O procurador-geral estadunidense Jeff Sessions fala numa conferência de imprensa no Departamento de Justiça em Washington, D.C., em 15 de dezembro de 2017 (Samira Bouaou/The Epoch Times)
O procurador-geral estadunidense Jeff Sessions fala numa conferência de imprensa no Departamento de Justiça em Washington, D.C., em 15 de dezembro de 2017 (Samira Bouaou/The Epoch Times)

A equipe começará por avaliar a evidência em investigações existentes, incluindo casos decorrentes do Projeto Cassandra.

“O Departamento de Justiça não deixará pedra sobre pedra para eliminar as ameaças aos nossos cidadãos de organizações terroristas e impedir a crise devastadora da droga”, afirmou Sessions num comunicado.

“Num esforço para proteger os americanos de ambas as ameaças, o Departamento de Justiça reunirá pesquisadores e procuradores líderes para garantir que todas as investigações do Projeto Cassandra, bem como outras investigações relacionadas, passadas ou presentes, recebam os recursos e a atenção necessários para chegar à sua resolução adequada”, disse ele.

Leia também:
• Departamento de Justiça sinaliza campanha anticorrupção no governo dos EUA
• Opinião: Trump envia poderosa mensagem aos transgressores no mundo
• O que Trump tem feito para prevenir Irã de adquirir uma arma nuclear
• Líbano está à beira do precipício, novamente
• Guerra ao terror muda seu alvo para finanças

 
Matérias Relacionadas