EUA, Canadá e UE pedem ao Conselho de Direitos Humanos que investigue abusos em Xinjiang

Por Agência EFE

A delegação canadense do Conselho de Direitos Humanos da ONU liderou na terça-feira um comunicado, apoiado pelos EUA e grande parte dos países membros da UE, expressando preocupação com a situação em Xinjiang e pedindo uma investigação independente de possíveis abusos naquela região chinesa .

A declaração teve o apoio de 43 países (incluindo Espanha e também Reino Unido, Austrália, Suíça, Nova Zelândia e Honduras) e é segundo grupos de direitos humanos a primeira a alcançar um número tão elevado de signatários contra a China nas Nações Unidas.

O texto expressa preocupação com a deterioração dos direitos humanos em Xinjiang, uma região habitada por uigures e outros grupos étnicos muçulmanos, e onde “informações confiáveis ​​indicam que mais de um milhão de pessoas foram detidas arbitrariamente” e onde há ampla vigilância dessas minorias.

“Restrições contra a cultura uigur e as liberdades fundamentais” também foram denunciadas , bem como “relatos de tortura e outros tratamentos e punições cruéis e desumanos, esterilizações forçadas, violência sexual e de gênero e retirada forçada de crianças de seus pais pelas autoridades “.

Diante dessas queixas, os 43 países signatários instaram a China a permitir que observadores independentes, incluindo a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Michelle Bachelet), entrem em Xinjiang para investigar esses possíveis abusos dos direitos humanos.

A declaração também expressou preocupação com o agravamento das liberdades fundamentais em Hong Kong após a adoção naquela ex-colônia britânica da Lei de Segurança Nacional, bem como com a situação dos direitos humanos no Tibete.

Na mesma sessão, uma declaração de apoio à China, apresentada pela Bielo-Rússia em nome de 65 países, expressou sua oposição à “interferência nos assuntos internos” do gigante asiático “usando os direitos humanos como desculpa”.

Em março passado, a União Europeia impôs sanções contra autoridades chinesas por supostas violações dos direitos humanos na região de Xinjiang, as primeiras que Bruxelas dirigiu contra o país asiático desde as que emitiu após o massacre de Tiananmen em 1989.

Quatro países da UE não apoiaram a declaração do Canadá hoje (Chipre, Grécia, Hungria e Malta), embora ela permaneça aberta à adesão de diferentes governos.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas