EUA alertam americanos na China sobre risco de detenção arbitrária e proibição de saída

Por Cathy He

O Departamento de Estado dos EUA alertou os americanos para terem “maior cautela” na China devido ao risco elevado de aplicação arbitrária da lei, incluindo prisão e proibição de deixar o país.

O alerta de segurança, emitido em 11 de julho pela Embaixada dos Estados Unidos na China, disse que os cidadãos americanos “podem ser detidos sem acesso a serviços consulares ou informações sobre seus supostos crimes”. Além disso, ele acrescentou que os americanos podem estar sujeitos a “interrogatório prolongado e detenção prolongada por razões relacionadas à ‘segurança do Estado'”.

“O pessoal da segurança pode prender e / ou deportar cidadãos dos EUA por enviar mensagens privadas eletrônicas críticas do governo da República Popular da China”, afirmou o alerta. Ele não forneceu exemplos específicos. O Departamento não disse o que causou o aviso.

A medida ocorre em meio à deterioração das relações entre Washington e Pequim, enquanto o governo Trump intensifica suas ações contra o regime comunista em uma variedade de questões, desde o encobrimento do surto do vírus do PCC até o controle mais rígido sobre Hong Kong. A Austrália emitiu um aviso semelhante nesta semana para os viajantes da China.

No início desta semana, os Estados Unidos anunciaram sanções contra várias autoridades chinesas, incluindo um membro sênior do Partido Comunista Chinês envolvido em abusos dos direitos das minorias étnicas na região de Xinjiang. Estima-se que mais de 1 milhão de muçulmanos uigures e outras minorias muçulmanas sejam detidos em Xinjiang como parte da suposta repressão ao “extremismo” do regime.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também disse nesta semana que o governo está considerando proibir aplicativos chineses de mídia social, incluindo o TikTok. Os legisladores americanos levantaram preocupações de segurança nacional sobre o manuseio de dados de usuários pelo TikTok, dizendo que estavam preocupados com as leis chinesas que exigem que as empresas nacionais “apoiem e cooperem com o trabalho de inteligência controlado pelo Partido. Comunista chinês”.

No mês passado, o regime acusou formalmente dois canadenses de espionagem mais de 18 meses após sua prisão inicial. Michael Kovrig e Michael Spavor foram detidos em dezembro de 2018, em uma medida amplamente vista como retaliação à prisão do Canadá pela CFO da Huawei, Meng Wanzhou, em um pedido de extradição dos EUA. Os promotores federais acusam Meng de mentir para os bancos, fazendo com que eles violassem as sanções dos EUA contra o Irã.

O governo canadense descreveu repetidamente a prisão de Kovrig e Spavor como “arbitrária”. O casal teria sido interrogado por autoridades chinesas por até oito horas por dia, mantendo-os em más condições e negando-lhes contato externo. Os homens também não foram autorizados a consultar seus advogados, e as autoridades consulares canadenses também não os viram pessoalmente ou virtualmente desde janeiro.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparênca do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas