EUA alerta que Rússia pode ‘exportar’ crise da Ucrânia à América Latina

"Rússia ameaça exportar a crise da Ucrânia para as Américas, expandindo sua cooperação militar com Cuba, Nicarágua e Venezuela"

Por Pachi Valencia

Os Estados Unidos alertaram que o Kremlin ameaça exportar a crise da Ucrânia para a América Latina através da cooperação militar com os regimes de Cuba, Nicarágua e Venezuela.

Na quinta-feira, na audiência “O papel da China na América Latina e no Caribe” da Comissão de Relações Exteriores do Senado norte americano, uma das autoridades se pronunciou sobre as práticas “agressivas e coercitivas” do Partido Comunista Chinês na região e os esforços do Estados Unidos em combater a propaganda e desinformação de Pequim sobre o vírus do PCC e a contínua invasão russa da Ucrânia.

Nesse contexto, o diplomata destacou que a Rússia também pode colocar em risco a estabilidade da região através das ditaduras hispânicas.

“O compromisso do Hemisfério Ocidental com a democracia nunca pareceu tão urgente, já que a Rússia atropela a democracia da Ucrânia e ameaça exportar a crise da Ucrânia para as Américas, expandindo sua cooperação militar com Cuba, Nicarágua e Venezuela”, disse Kerri Hannan, vice-secretário do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado.

“Nossa região, com algumas exceções, condenou a Rússia e apoiou nossos esforços para instar a Rússia a cessar imediatamente sua guerra contra a Ucrânia e buscar uma solução diplomática (…) enquanto os diplomatas da China propagam a propaganda do Kremlin e busquem proteger a Rússia da condenação nos órgãos internacionais”, acrescentou.

No mês passado, o Departamento de Estado deixou claro que não permitirá nenhuma ação do Kremlin que “desestabilize” ou “adicione o conflito” da Ucrânia à América Latina.

“Vou apenas sublinhar que, como hemisfério, não aceitamos provocações”, disse Brian Nichols, chefe do Departamento de Estado para a América Latina.

Os regimes de Havana, Caracas e Manágua defenderam a guerra da Rússia e votaram contra ou se abstiveram de resoluções da ONU condenando a invasão da Ucrânia.

Embora a maioria dos países hispânicos tenha rejeitado a invasão do Kremlin, outros governos, como México e Brasil, permaneceram mornos em sua proposta.

Evan Ellis, especialista em China do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse que é improvável que o regime chinês coopere com adversários dos EUA, como Rússia e Irã, na América Latina.

“No entanto, assim como os adversários dos Estados Unidos na região, como Venezuela, Cuba e Nicarágua, a RPC se beneficia estrategicamente das ações provocativas da Rússia na região”, disse Ellis.

O especialista descreveu a implantação de bombardeiros Tu-160 e outros ativos militares e; mais recentemente, a ameaça do vice-chanceler Sergey Ryabkov de que o envio de forças russas na Venezuela ou em Cuba não poderia ser descartado; e o acordo de cooperação militar assinado entre o vice-primeiro-ministro Yuri Borisov e seu homólogo venezuelano em março de 2022.

“Na América Latina (…) a guerra na Ucrânia possivelmente força a República Popular da China a proceder com mais cautela, devido ao desejo de não ser associada à agressão russa”, acrescentou.

Siga Pachi Valencia no Twitter: @Pachivalencia 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas