EUA: a ​​inevitável recessão que se aproxima e como se preparar para ela

Uma desaceleração econômica é “um fator de risco muito, muito alto”.

Por Andrew Moran 

O ex-CEO do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, deu crédito à recessão depois de dizer à CBS no domingo que uma desaceleração econômica é “um fator de risco muito, muito alto”.

Não é apenas Blankfein que alerta sobre uma contração do PIB. Muitos analistas de Wall Street estão cada vez mais preocupados com a possibilidade de uma recessão se tornar o cenário básico para as previsões nos próximos 12 a 24 meses.

Uma recente pesquisa mensal da Bloomberg com economistas descobriu que a probabilidade de uma recessão nos próximos 12 meses é de 30%, a maior em dois anos. Isso é o dobro das chances que os economistas previam em fevereiro.

O Morgan Stanley projeta (pdf) uma chance de 27% de recessão nos próximos 12 meses, acima dos 5 por cento em março.

“Agora parece que a inflação está se ampliando e tem potencial para ficar mais alta por mais tempo”, escreveu Lisa Shalett, diretora de investimentos do Morgan Stanley Wealth Management, em sua nota semanal. “Este é um cenário que pressiona para cima as expectativas de inflação de longo prazo e mantém o Fed em um modo de aceleração política”.

Os traders trabalham no pregão da Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) em 02 de maio de 2022, na cidade de Nova Iorque. Depois de cair mais de 600 pontos na sexta-feira, as ações subiram ligeiramente nas negociações da manhã (Foto por Spencer Platt/Getty Images)
Os traders trabalham no pregão da Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) em 02 de maio de 2022, na cidade de Nova Iorque. Depois de cair mais de 600 pontos na sexta-feira, as ações subiram ligeiramente nas negociações da manhã (Foto por Spencer Platt/Getty Images)

O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse em um evento municipal em Michigan, na terça-feira, que não está claro se o banco central precisará desencadear uma recessão para reduzir a inflação.

“Meus colegas e eu vamos fazer o que precisamos para trazer a economia de volta ao equilíbrio”, disse ele. “O que muitos economistas estão coçando a cabeça e se perguntando: se realmente tivermos que reduzir a demanda para controlar a inflação, isso colocará a economia em recessão? E não sabemos”.

Isso ocorre depois que o ex-presidente do Fed, Ben Bernanke, reconheceu que o banco central chegou tarde demais para combater a inflação, dizendo ao New York Times que os Estados Unidos podem entrar em um período de estagflação.

A maioria dos CEOs também está se preparando para uma recessão, segundo um recente Conference Board Measure of CEO Confidence. O indicador caiu em território negativo, caindo no segundo trimestre para 42, abaixo dos 57 no primeiro trimestre.

Embora os CEOs acreditem que o aperto quantitativo do Fed ajudará a combater a inflação nos próximos anos, eles estão preocupados que os esforços do banco central induzam uma recessão.

“A confiança do CEO enfraqueceu ainda mais no segundo trimestre, com os executivos enfrentando o aumento dos preços e os desafios das redes de fornecimento, que a guerra na Ucrânia e as novas restrições da COVID na China exacerbaram”, disse Dana M. Peterson, economista-chefe do The Conference Board, em uma declaração. “As expectativas para as condições futuras também eram sombrias, com 60% dos executivos prevendo que a economia pioraria nos próximos seis meses – um aumento acentuado em relação aos 23% que mantinham essa visão no último trimestre”.

O ING não está prevendo uma recessão este ano, “mas pode ser algo de curto prazo em 2023”, diz James Knightley, economista-chefe internacional do banco, em uma nota.

O modelo GDPNow do Atlanta Fed Bank sugere um crescimento de 2,4% no segundo trimestre.

Compras de supermercado em Rosemead, Califórnia, em 21 de abril de 2022 (Frederic J. Brown/AFP via Getty Images)
Compras de supermercado em Rosemead, Califórnia, em 21 de abril de 2022 (Frederic J. Brown/AFP via Getty Images)

Greg McBride, vice-presidente sênior e analista financeiro-chefe do Bankrate, não acredita que haja sinais de recessão no momento porque as tendências trabalhistas e os gastos do consumidor são fortes.

“Mesmo o PIB do primeiro trimestre não foi um sinal de recessão, pois a contração foi devido ao déficit comercial (as importações aumentam em uma economia forte) e ao ajuste de estoque (flutuando devido a problemas persistentes nas redes de fornecimento)”, disse McBride ao Epoch Times. “As preocupações da recessão são mais sobre 2023, ou mesmo 2024 e não 2022”.

Sankar Sharma, estrategista de mercado, ecoou esse sentimento, dizendo ao Epoch Times que os sinais de recessão não são predominantes hoje, mas podem começar a se formar em 2023 e 2024.

“Estamos em um ambiente onde o desemprego é muito baixo, com milhões de vagas de emprego disponíveis, os balanços das empresas e dos bancos são fortes, os sistemas financeiros são fortes e em boa forma, e os relatórios de lucros são saudáveis, a partir dos resultados de hoje da Home Depot e Walmart, podemos ver que o consumidor ainda está gastando, os mercados de crédito não estão sob estresse, a demanda por habitação não diminuiu drasticamente e os bancos ainda estão bem capitalizados”, afirmou Sharma.

Se a economia dos Estados Unidos passar por um pouso forçado após o ciclo de aperto do Fed, o banco central poderá começar a cortar as taxas de juros, acrescentou.

Mas os mercados financeiros continuarão em uma montanha-russa nos próximos dois anos?

Lendo as folhas de chá do mercado 

As ações dos EUA tiveram um 2022 difícil, com os principais índices de referência perdendo força após dois anos de crescimento meteórico.

O Dow Jones Industrial Average caiu cerca de 12%. O índice Nasdaq Composite, pesado em tecnologia, despencou 25%, enquanto o S&P 500 caiu cerca de 16%.

O mercado do Tesouro e o Índice do Dólar Americano (DXY), uma medida do dólar em relação a algumas moedas, subiram este ano. Os preços das commodities dispararam, enquanto as criptomoedas caíram.

Com várias semanas consecutivas de perdas na área de ações, Heeten Doshi, fundador da Doshi Capital Management, observou em nota que leva em média 12 meses para se recuperar.

“Embora as estatísticas sejam extremamente positivas no futuro (excluindo 2008), a estatística mais chocante é que, em média, leva 12 meses para se recuperar após tantas semanas de perdas”, escreveu ele.

Como os mercados estão voltados para o futuro, os investidores podem estar precificando lucros corporativos sem brilho “com bastante antecedência”, diz McBride.

“Uma chave pode ser a orientação de ganhos para 2023 que as empresas fornecem no quarto trimestre do ano”, acrescentou.

“Se a inflação recuar e o Fed for visto como capaz de responder a uma recessão com taxas mais baixas, os preços dos títulos recuperarão algumas das perdas vistas até agora este ano. Mas isso depende de vários fatores que se desdobrarão nos próximos 12 meses – inflação, política do Fed e a saúde da economia”.

Para as famílias norte-americanas, as melhores estratégias a serem empregadas, segundo McBride, são pagar dívidas, aumentar a poupança de emergência e aproveitar a desaceleração do mercado.

“O risco de sair do mercado e esperar à margem é que você precisa tomar duas decisões corretas, não apenas uma. Você tem que sair na hora certa e voltar na hora certa”, afirmou.

Uma pesquisa mensal do Bank of America com gestores de fundos revelou que os investidores já estão começando a reforçar suas posições de caixa. O estudo relatou que o saldo médio de caixa entre os gestores de ativos foi de 6,1%, sugerindo que os investidores estão acumulando dinheiro no nível mais alto desde os ataques terroristas de 11 de setembro.

No final, os estrategistas afirmam que isso está destacando uma posição “extremamente baixista” nos mercados financeiros.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas