EUA: 70% das escolas públicas relatam aumento na procura por ajuda em saúde mental

Pesquisadores do CDC descobriram que cerca de 44% dos estudantes tinham “sentimentos persistentes de tristeza ou desesperança”

Por Bill Pan 

70% das escolas públicas viram um aumento no número de alunos que procuram ajuda com sua saúde mental desde o início da pandemia da COVID-19, diz um novo estudo do governo dos EUA.

Cerca de 76% das escolas públicas também relataram um aumento no número de funcionários expressando preocupações sobre seus alunos apresentarem sintomas como depressão, ansiedade e trauma, segundo o estudo do Centro Nacional de Estatísticas da Educação (NCES), uma agência do Departamento de Educação dos EUA.

O estudo, com base em dados coletados entre 12 e 26 de abril de 2022, de um total de 830 escolas participantes de um programa de pesquisa do NCES, também descobriu que 88% dos entrevistados não concordaram decisivamente que poderiam efetivamente fornecer serviços de saúde mental para estudantes necessitados, em grande parte porque não tinham mão de obra e dinheiro para lidar com o problema.

O estudo, no entanto, não identifica nenhuma causa prevalente do aumento de problemas de saúde mental entre estudantes de escolas públicas, como fechamento prolongado de escolas, mudança abrupta para aprendizado remoto e restrições de saúde pública que limitam a atividade física e a interação social.

Os maiores sistemas de escolas públicas do país sofreram alguns dos lockdowns mais longos. Na cidade de Nova Iorque, quase 1,1 milhão de estudantes foram mandados para casa em março de 2020, quando o então governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, colocou o estado no que chamou de “pausa”. Só 18 meses depois, as escolas da cidade puderam reabrir, já que o sindicato de professores da cidade, com 190.000 membros, continuou a pressionar as autoridades da cidade a adiar o retorno do aprendizado presencial.

O Distrito Escolar Unificado de Los Angeles também lutou para negociar um plano de reabertura com o sindicato dos professores, que chegaria ao ponto de afirmar que “não havia perda de aprendizado” para centenas de milhares de alunos que foram forçados ao aprendizado remoto e que o plano da Califórnia para recompensar as escolas que reabrem estava “propagando o racismo estrutural”.

Os resultados do estudo do NCES ecoam os de uma pesquisa publicada no início deste ano pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Ao analisar dados coletados de janeiro a junho de 2021 sobre os comportamentos e experiências de 7.705 estudantes do ensino médio em todo o país, os pesquisadores do CDC descobriram que cerca de 44% deles tinham “sentimentos persistentes de tristeza ou desesperança” quase todos os dias por duas semanas ou mais em uma sequência, a ponto de deixarem de fazer suas atividades habituais.

Além disso, quase 20% dos alunos “consideraram seriamente a tentativa de suicídio” e 9% tentaram o suicídio. A prevalência de pensamentos e tentativas de suicídio graves foi maior entre os estudantes do sexo feminino do que entre os estudantes do sexo masculino, e foi maior entre os estudantes brancos do que entre os estudantes negros ou asiáticos, segundo o artigo.

Os pesquisadores do CDC também observaram que os alunos do ensino médio que dependem de um computador ou telefone para interação social eram mais propensos a se sentir suicidas do que aqueles que se envolveram fisicamente com outras pessoas.

“O mesmo padrão foi observado entre os alunos que estavam virtualmente conectados a outros durante a pandemia (ou seja, com familiares, amigos ou outros grupos usando um computador, telefone ou outro dispositivo) versus aqueles que não estavam”, afirmou o jornal. “Estratégias abrangentes que melhoram os sentimentos de conexão com os outros na família, na comunidade e na escola podem promover uma melhor saúde mental entre os jovens durante e após a pandemia da COVID-19”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas