‘Eu não quero viver mais. Não quero mais remédios que não sei o que são’: Jeanine Áñez

Por Agência EFE

A ex-presidente transitória da Bolívia Jeanine Áñez disse nesta terça-feira que não quer mais viver, dois dias depois de ter ferido seus braços e em um dia em que a administração penitenciária a tirou do presídio em que está detida para renovar Exames médicos.

“Eu não quero viver mais. Meus filhos precisam ganhar a vida. Não quero mais medicamentos que não sei o que são. Peço aos meus carcereiros que me digam o que estou recebendo”, dizia uma mensagem de Áñez postada em suas redes sociais.

A publicação vem acompanhada de um texto que indica que a ex-presidente está “muito fraca” e que está sofrendo “permanentemente” já que a cada 10 minutos alguém entra em sua cela “ninguém sabe pra quê”, o que a deixa em estado de “alerta” .

“Ela vive em alerta, angustiada, sem descanso porque não sabe o que vão fazer com ela. Se for para sedá-la, envenená-la ou levá-la para uma direção desconhecida”, diz a mensagem.

Esta semana Carolina Ribera, filha de Áñez, pediu para ter acesso ao histórico médico de sua mãe, pois ela indicou não saber o tratamento que está sendo realizado, embora o Regime Penitenciário sustentasse que a ninguém negou esse documento e que a jovem mulher participou de uma junta médica.

No sábado, o Ministério do Governo informou que Áñez tentou gerar “lesões autoprovocadas” que descreveu como “arranhões” e afirmou que a ex-presidente interina estava estável.

A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, caminha no dia 24 de agosto de 2021 acompanhada de seus filhos José Armando Ribera (i) e Carolina Ribera (r) a um centro médico para fazer alguns exames, em La Paz (Bolívia) EFE / Stringer

Por sua vez, a defesa da ex-presidente especificou que Áñez fez esses ferimentos com um clipe e que suas feridas precisavam de pontos.

Após o incidente, ex-presidentes, autoridades locais e organizações internacionais como a União Europeia e a Embaixada dos Estados Unidos expressaram sua preocupação com a saúde de Áñez.

Além disso, vários pediram que ela pudesse se defender livremente diante de sua situação, uma vez que sofre de hipertensão e síndrome depressiva.

Provas medicas

Áñez, que está detida desde março em uma prisão feminina em La Paz, foi levada a um centro médico privado para fazer um exame neurológico.

“Isso vai determinar se há lesões nos músculos ou nervos”, disse à mídia Mónica Molina, a médica responsável pelo estudo.

A ex-presidente subiu as escadas do local com dificuldade e com a ajuda de seus dois filhos no meio de uma forte guarda policial.

Depois de passar por esse teste, ela foi levada de volta para a prisão em uma ambulância.

Áñez foi libertada da prisão três vezes este mês para passar por várias avaliações clínicas.

Sua família garante que ela está fraca, enquanto o governo afirma que ela está “estável” e capaz de cumprir sua prisão preventiva.

Protestos na prisão

Uma dezena de presidiários do presídio onde Áñez está detida protestou terça-feira para exigir tratamento igualitário e denunciar supostos “privilégios” a ex-presidente, versão que é apoiada pelas autoridades para negar que seus direitos estão sendo violados.

O Ministro do Governo (Interior), Eduardo del Castillo, assegurou que os direitos da ex-presidente estão “salvaguardados”, mas insistiu que ela tem “privilégios” sobre os demais reclusos.

Por isso, anunciou que se está trabalhando em “uma iniciativa legislativa” para “transformar as prisões”.

“Não vamos permitir que algumas pessoas tenham privilégios e outras que nem mesmo garantam o cumprimento de todos os seus direitos”, disse Del Castillo.

Enquanto isso, Ribera publicou algumas fotos em suas redes sociais para mostrar o celular de sua mãe.

“Uma cama, uma mesa, duas cadeiras, um pequeno rádio e uma pia. Esses são os ‘luxos’ da minha mãe”, escreveu a jovem.

Áñez está detida em prisão preventiva desde março pelo chamado caso de “golpe de estado” baseado em alegações de suposta conspiração, sedição e terrorismo durante a crise política e social de 2019 que levou à renúncia de Evo Morales à presidência.

Devido ao caso do “golpe de estado”, que está sendo investigado a pedido do Movimento ao Socialismo (MAS) do governo, dois ex-ministros de Áñez e vários ex-chefes de polícia e militares também estão em prisão preventiva.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas