Estudo mostra até 7,7 vezes maior probabilidade de aborto após vacina contra gripe

O Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos publicou recentemente um estudo impactante que associa os abortos espontâneos nas mulheres às vacinas contra a gripe. O estudo analisou dados de dois períodos de vacinação contra a gripe, 2010-2011 e 2011-2012. As mulheres vacinadas com a vacina inativada contra a gripe (VIG) na temporada de 2010-2011 apresentaram 3,7 vezes maior probabilidade de sofrerem um aborto espontâneo num prazo de 28 dias do que as mulheres que não receberam a vacina.

Durante todo o período do estudo (2010 a 2012), as chances de um aborto espontâneo para as mulheres vacinadas foram 2,0 vezes maiores do que as mulheres que não receberam a vacina contra a gripe. Ambos os números mostraram um aumento estatisticamente significativo nos abortos espontâneos quando as mulheres receberam sua vacina contra a gripe. A idade média da gestação para o aborto espontâneo foi de sete semanas nas gravidezes afetadas.

De forma alarmante, nas mulheres que receberam a vacina H1N1 na estação anterior da gripe, as chances de aborto espontâneo nos 28 dias após receberem uma vacina contra a gripe foram 7,7 vezes maiores. Em cada temporada de gripe, a partir de 2010-2011, houve um vírus do tipo H1N1 incluído nas vacinas regulares contra a gripe nos Estados Unidos. Para a atual temporada de gripe 2017-2018, o CDC ainda recomenda que todas as vacinas contra a gripe contenham o H1N1. Este estudo suscita preocupações se esta estirpe específica do antígeno da gripe seria segura durante a gravidez.

A grande maioria dessas vacinas contra a gripe eram formulações de doses múltiplas, contendo 25 microgramas de mercúrio por meio do conservante timerosal. Nesses anos, em cerca de 150 milhões de vacinas contra a gripe administradas nos EUA anualmente, menos de 50 milhões ou 34% das vacinas disponíveis para mulheres grávidas estavam livres do timerosal.

Durante muitos anos, funcionários da saúde alertaram as mulheres grávidas para evitar comer peixes que contenham mercúrio. E, mesmo antes deste último estudo, alguns cientistas do governo estavam questionando a sabedoria de pressionar as mulheres para que recebessem vacinas contra a gripe com mercúrio em qualquer trimestre de gravidez.

Nas palavras de um epidemiologista sênior do CDC, o Dr. William Thompson, “Eu não sei por que eles ainda usam isso [a vacina contra a gripe] em mulheres grávidas, pois esse é o último tipo de pessoa a quem eu daria mercúrio.”

O CDC afirma oficialmente que o timerosal é mercúrio “seguro” porque supostamente seria excretado rapidamente do corpo. O CDC baseia essa reivindicação apenas em sua má interpretação dos dados de um estudo mal concebido realizado no início dos anos 2000 por um membro da indústria, o Dr. Michael Pichichero. Estudos subsequentes demonstraram que o etilmercúrio no timerosal é de fato muito mais persistente no organismo do que o metilmercúrio nos peixes. Nas tarjas dos recipientes de vacinação contra a gripe, os fabricantes reconhecem que as vacinas contra a gripe nunca mostraram ser seguras para as mulheres grávidas.

De fato, ciência esmagadora mostra claramente que esse preservativo é neurotóxico e mortal e que pode ser particularmente perigoso para o feto durante a gravidez. Quando administrado a mulheres grávidas, o mercúrio é transportado especificamente para a placenta e para o feto, que não possui qualquer mecanismo de desintoxicação. Na verdade, foi demonstrado que os níveis de mercúrio no sangue do cordão umbilical são, em média, 70% maiores que os do sangue materno.

O novo estudo confirma os resultados de um estudo anterior publicado em 2013. Usando o banco de dados VAERS do CDC, o autor mostrou um aumento semelhante nos abortos espontâneos devido à vacina contra a gripe, especificamente durante o período em que as mulheres grávidas estavam recebendo tanto a vacina contra a gripe sazonal quanto a vacina contra a pandemia de gripe H1N1. De fato, a taxa de abortos espontâneos aumentou 11 vezes em 2009, quando a vacina H1N1 foi adicionada ao cronograma recomendado. Durante este período, as mulheres grávidas que receberam ambas as vacinas foram tipicamente expostas a 50 microgramas de mercúrio via timerosal.

A vacinação materna contra a gripe, especificamente no primeiro trimestre da gravidez, também foi associada às condições do espectro do autismo (CEA) num artigo publicado este ano pelo gigante de seguros Northern California Kaiser Permanente. Os dados da Kaiser mostraram que as mulheres que receberam a vacina contra a gripe sazonal (entre 2000 e 2010, quando a maioria das vacinas distribuídas continham timerosal) eram 25% mais propensas a dar à luz uma criança que mais tarde seria diagnosticada com CEA. Este resultado também foi estatisticamente significante.

Numa entrevista uma mãe descreve seu aborto imediatamente após uma vacina contra a gripe. Ela perdeu um de seus gêmeos e a outra nasceu com grave autismo.

A exposição ao timerosal já foi associada com defeitos de nascimento, tiques, atrasos de fala e linguagem (em mais de um estudo), entre muitos outros distúrbios do desenvolvimento. Meu livro, “Thimerosal: Let the Science Speak“, detalha mais de 400 estudos sobre os efeitos tóxicos do timerosal. Dada essa evidência, já passou o tempo de proteger completamente nossos filhos e mães grávidas dessa potente neurotoxina.

Riscos de inflamação

A acumulação de pesquisas indica que as vacinas contra a gripe, talvez até as que não possuem timerosal, podem, quando administradas durante a gravidez, induzir uma resposta inflamatória na mãe e potencialmente causar danos ao cérebro do feto durante períodos críticos do desenvolvimento neurológico, incluindo danos associados ao autismo.

Um estudo em 2011 encontrou um aumento em dois marcadores inflamatórios, a proteína c-reativa (PCR) e o fator de necrose tumoral alfa (TNF-a), em mulheres grávidas que receberam vacina contra a gripe sazonal. Os aumentos nestes compostos inflamatórios indicam um nível significativo de inflamação, que foi identificado nos dois primeiros dias após a vacinação. Não está claro a partir deste estudo quantas dessas vacinas contra a gripe continham mercúrio, mas há boas razões para se alarmar com essas descobertas.

Um estudo de 2014 com mais de 1,2 milhão de mulheres grávidas descobriu que elevações na PCR, o mesmo marcador de inflamação que aumenta após a vacinação contra a gripe, estão associadas a um risco 43% maior de ter uma criança com autismo. Um estudo anterior, publicado no periódico Brain, Behavior, and Immunity, descobriu que as mulheres grávidas que sofrem de depressão desenvolveram resposta inflamatória mais intensa às vacinas contra a gripe do que as mulheres que não apresentavam sintomas de depressão. Os pesquisadores descobriram que a depressão durante a gravidez também foi associada a um risco aumentado de autismo.

A recomendação atual do CDC de que todas as mulheres grávidas recebam vacinas contra a gripe é uma proposta perigosa de acordo com o professor Paul Patterson do California Institute of Technology, um neurocientista cuja pesquisa incluiu ativação imune durante a gravidez. Em sua pesquisa, Patterson informou que qualquer ativação imune durante a gravidez, seja por infecção ou por vacina, pode causar danos no cérebro fetal em desenvolvimento.

Em 2008, a publicação Scientific American Mind citou Patterson criticando a política do CDC de administrar vacinas contra a gripe durante a gravidez: “Eu não acho que eles tenham considerado esse risco. Na verdade, eu sei que eles não consideraram esse risco.”

Patterson elaborou: “Se você levar isso a sério e vacinar todas as pessoas, então, o que acontecerá? Os pesquisadores ainda não conseguem prever a frequência com que uma resposta imunológica pré-natal pode resultar em dano cerebral fetal, mas mesmo que ocorra em menos de 1% do total, a vacinação da população inteira de mulheres grávidas pode afetar milhares de crianças.”

Num estudo publicado no British Medical Journal em 2014, os autores avaliaram as consequências da vacinação contra a gripe A/H1N1 em mães, fetos e recém-nascidos. Os resultados, que investigaram mais de 86 mil gestações, revelaram que as mulheres vacinadas apresentaram taxas significativamente maiores de diabetes gestacional e eclampsia. Eclampsia é o desenvolvimento de convulsões numa mulher com toxemia grave, uma condição caracterizada por hipertensão arterial e perda de proteína na urina. Eclampsia é fatal em 2% das mulheres afetadas e pode resultar em problemas de saúde no longo prazo nas que sobrevivem. As complicações fetais, incluindo danos neurológicos e morte, também são comuns.

Tanto a diabetes gestacional como a eclampsia estão relacionadas à inflamação e à desregulação imune, tornando a conexão com a estimulação imune da vacina contra a gripe muito plausível. Um estudo de 2016 publicado na revista Vaccine encontrou um risco moderadamente elevado de defeitos congênitos entre crianças nascidas de mães que receberam uma vacina contra a gripe durante as estações de gripe de 2010-2014.

Entre a equipe de pesquisadores do CDC que desenvolveu o novo estudo sobre a gripe está o Dr. Frank DeStefano, diretor do Departamento de Segurança de Imunização do CDC. Pouco antes de este artigo ser publicado, o CDC emitiu uma ordem de silêncio que proibia qualquer funcionário do CDC de conversar com a imprensa ou responder a perguntas sem primeiro obter permissão do Departamento de Comunicações. Esta sincronização provavelmente não é coincidência.

No final do trabalho, o CDC também anunciou um estudo de acompanhamento sobre as estações de gripe de 2012-2015, mas não informará os resultados até o próximo ano. Talvez o CDC devesse agir mais rapidamente, pois há quatro milhões de bebês em risco nesta temporada de gripe.

Robert F. Kennedy Jr., presidente do World Mercury Project (WMP) e coapresentador do programa “Ring of Fire” na Air America Radio, é autor de vários livros. Seus artigos premiados apareceram nos principais jornais dos Estados Unidos. A visão do WMP é um mundo onde o mercúrio não seja mais uma ameaça para a saúde do nosso planeta e das pessoas.

 
Matérias Relacionadas