Estudo da Gilead mostra que Remdesivir reduz o risco de hospitalização quando administrado precocemente a pacientes com COVID-19

Por Zachary Stieber

O tratamento antiviral com remdesivir reduziu o risco de hospitalização entre os pacientes com COVID-19 quando administrado logo após o diagnóstico, de acordo com um novo estudo da Gilead Sciences, que desenvolveu remdesivir.

Os pesquisadores descobriram que o remdesivir reduziu o risco de hospitalização em 87% em comparação com um placebo que metade dos participantes do estudo receberam.

Um total de 562 pacientes, todos considerados de alto risco para COVID-19, foram incluídos no estudo.

O estudo de Fase 3 foi um ensaio duplo-cego randomizado, mas a inscrição no ensaio foi interrompida em abril porque a empresa teve dificuldade em encontrar participantes suficientes. Ele continuou a acompanhar aqueles que se inscreveram, metade dos quais recebeu um placebo.

O novo estudo mostrou um perfil de segurança semelhante ao do placebo e nenhuma morte ocorreu em nenhum dos grupos pelo desfecho primário no dia 28, embora uma pessoa que recebeu o placebo morreu no dia 59, disse Gilead.

A Gilead planeja compartilhar suas descobertas com a Food and Drug Administration e apresentar os resultados completos do ensaio esta semana na IDWeek, uma conferência médica.

Opções de tratamento concorrentes

Os participantes receberam o antiviral por via intravenosa em três dias consecutivos como pacientes não hospitalizados. Isso é impraticável para pessoas fora dos hospitais, dizem alguns especialistas.

Chandy John Lab, professor de pediatria da Escola de Medicina da Universidade de Indiana, escreveu em uma postagem de mídia social que os anticorpos monoclonais são projetados para prevenir a hospitalização e requerem apenas uma única dose, tornando-os uma opção de tratamento preferencial em relação ao remdesivir. Ambos custam milhares de dólares.

Remdesivir, também conhecido como Veklury, já foi aprovado pelos reguladores de medicamentos dos EUA para uso contra COVID-19 em pacientes que já estão hospitalizados, com 12 anos ou mais e que pesam pelo menos 39 quilos. A Gilead quer que seu medicamento concorra com os anticorpos monoclonais, que agora estão em alta demanda depois que a administração Biden os racionou.

Remdesivir foi elogiado por altos funcionários dos EUA no passado, incluindo o Dr. Anthony Fauci. Mas outra pesquisa sugeriu que ele não traz nenhum benefício, incluindo um teste em 48 locais na Europa.

“Nenhum benefício clínico foi observado com o uso de remdesivir em pacientes que foram hospitalizados por COVID-19, eram sintomáticos por mais de 7 dias e necessitavam de suporte de oxigênio”, escreveram os pesquisadores no The Lancet na semana passada.

Alguns estudos também relacionaram o medicamento a doenças renais e outros efeitos colaterais graves.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas