Estudo constata alta taxa de mortalidade de pacientes com coronavírus gravemente enfermos na China

Dois terços dos 52 pacientes gravemente enfermos eram homens, segundo o estudo, uma descoberta que apoia dados anteriores de que os homens são mais suscetíveis à infecção

Por Cathy He

A taxa de mortalidade para pacientes com coronavírus gravemente enfermos é alta – maior que a da SARS, de acordo com um novo estudo que analisa essa coorte de pacientes no epicentro do vírus de Wuhan.

Pesquisadores chineses, em um estudo publicado em 24 de fevereiro no The Lancet, examinaram 52 pacientes gravemente enfermos internados na unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital Wuhan Jin Yin-tan entre o final de dezembro de 2019 e 26 de janeiro e constataram que 32—61.5 por cento – mais tarde morreu.

Todos esses pacientes haviam morrido dentro de 28 dias após a admissão na UTI, constatou. A duração mediana da internação na UTI até a morte foi de sete dias.

“A mortalidade de pacientes críticos com pneumonia por SARS-CoV-2 [novo coronavírus] é alta”, afirmou o estudo. “É provável que o tempo de sobrevivência de não sobreviventes seja de 1 a 2 semanas após a admissão na UTI”.

O coronavírus, segundo dados oficiais, matou mais de 2.000 vidas na China e infectou quase 80.000 pessoas. Embora especialistas e comentaristas tenham lançado dúvidas sobre esses números, sugerindo que as infecções reais sejam muito maiores.

Essa taxa de mortalidade foi maior do que a observada anteriormente em pacientes com SARS gravemente enfermos, observaram os pesquisadores. Esse surto de 2002 a 2003, que também se originou na China, matou quase 800 e infectou cerca de 8.000 pessoas em todo o mundo. Eles também postularam que a taxa de mortalidade era maior do que a observada em pacientes gravemente doentes que apresentavam síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS).

Pacientes mais velhos – aqueles com 65 anos ou mais – têm maior risco de morte, segundo o estudo.

Os pesquisadores também descobriram que pacientes que não sobreviveram eram mais propensos a desenvolver a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) – um tipo de insuficiência respiratória caracterizada por inflamação rápida dos pulmões – e eram mais propensos a receber ventilação médica.

Dos 20 pacientes que sobreviveram, oito receberam alta.

Dois terços dos 52 pacientes gravemente enfermos eram homens, segundo o estudo, uma descoberta que apoia dados anteriores de que os homens são mais suscetíveis à infecção.

“A gravidade da pneumonia por SARS-CoV-2 exerce grande pressão sobre os recursos de cuidados intensivos nos hospitais, especialmente se eles não dispõem de pessoal ou recursos adequados”, concluiu o estudo.

O surto dominou o sistema de saúde pública de Wuhan, com hospitais enfrentando escassez de suprimentos e lutando para lidar com cargas pesadas. Como resultado, muitos pacientes, incluindo aqueles sem o coronavírus, não conseguiram obter tratamento. Enquanto isso, os profissionais de saúde da linha de frente estão sofrendo intensa pressão física e mental, com muitos tendo sido infectados com a doença durante o tratamento de pacientes.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
Matérias Relacionadas