Estudantes chineses na Austrália são vítimas de golpes de ‘sequestro virtual’, milhões já foram pagos em resgates

Pelo menos oito "seqüestros virtuais" foram relatados e os golpes totalizam milhões em dinheiro de resgate

Por Daniel Y. Teng

Os golpistas estão aproveitando o medo do povo chinês do Partido Comunista Chinês e enganando estudantes internacionais em Nova Gales do Sul (NSW), enquanto os forçam a representar seqüestros falsos para extorquir dinheiro de seus pais.

A polícia de NSW diz que somente em 2020, pelo menos oito “seqüestros virtuais” foram relatados e os golpes totalizam milhões em dinheiro de resgate.

Os investigadores foram informados de que os golpistas contataram a vítima inicialmente por telefone. O golpista fala mandarim e afirma representar uma “autoridade chinesa” que pode ser pessoal da embaixada, consulado ou polícia na China.

Pedestres no distrito de Chinatown em 4 de março de 2020 em Sydney, Austrália (Lisa Maree Williams / Getty Images)
Pedestres no distrito de Chinatown em 4 de março de 2020 em Sydney, Austrália (Lisa Maree Williams / Getty Images)

O interlocutor convence a vítima de que ele foi implicado em um crime na China, ou que sua identidade foi roubada e que ele deve pagar uma quantia para evitar ações legais, prisão ou deportação.

Usando a tecnologia para mascarar seus locais físicos, os golpistas continuam a se comunicar com a vítima por meio de aplicativos como WeChat e WhatsApp.

Segundo a polícia, algumas vítimas dizem que são forçadas a transferir dinheiro para o exterior, a fornecer informações de contas bancárias, a fornecer detalhes de sua identidade e, em alguns casos extremos, as vítimas são convencidas a representar um falso sequestro, também conhecido como “Rapto virtual”.

Os golpistas instruem as vítimas a interromper o contato com familiares e amigos, alugar um quarto de hotel e tirar fotos ou gravações de vídeo mostrando-os amarrados e vendados. Esses arquivos são então compartilhados com seus parentes no exterior.

Os golpistas de língua chinesa se apresentam como autoridades chinesas (como policiais e agentes consulares) e forçam os estudantes chineses na Austrália a fingir que foram seqüestrados para extorquir dinheiro de seus parentes. As famílias enganadas pagam o resgate para garantir a "libertação" segura do estudante, que segundo a polícia nunca está realmente em perigo físico (Polícia de NSW)
Os golpistas de língua chinesa se apresentam como autoridades chinesas (como policiais e agentes consulares) e forçam os estudantes chineses na Austrália a fingir que foram seqüestrados para extorquir dinheiro de seus parentes. As famílias enganadas pagam o resgate para garantir a “libertação” segura do estudante, que segundo a polícia nunca está realmente em perigo físico (Polícia de NSW)

A polícia disse que os golpistas arrecadaram US$ 3,2 milhões em pagamentos de resgate somente neste ano. Esses golpes são eficazes devido ao medo genuíno de que o povo chinês tem das figuras de autoridade dentro do sistema do Partido Comunista Chinês (PCC). Durante anos, os chineses que vivem na Austrália e seus parentes na China receberam ameaças, intimidação e opressão do PCC.

Em 17 de junho, um pai na China pagou US$ 2 milhões depois de receber um vídeo de sua filha de 22 anos em Sydney, alegando que estava amarrada. O pai disse que o interlocutor finge ser da polícia chinesa. Sua filha foi encontrada mais tarde em um hotel em Hurstville após uma investigação.

Em 22 de abril, oficiais da delegacia de Sydney Ryde foram contatados por uma universidade preocupada com o bem-estar de um de seus alunos.

A família do estudante na China teria dito à polícia que sua filha havia sido seqüestrada. A família pagou US$ 300.000 em pedidos de resgate pelo seqüestrador que havia convencido o estudante de que ele era da polícia chinesa.

Outros pagamentos de resgate estavam entre US$ 20.000 e US$ 500.000.

Os golpistas de língua chinesa se apresentam como autoridades chinesas (como policiais e agentes consulares) e forçam os estudantes chineses na Austrália a fingir que foram seqüestrados para extorquir dinheiro de seus parentes. As famílias enganadas pagam o resgate para garantir a "libertação" segura do estudante, que segundo a polícia nunca está realmente em perigo físico. (Polícia de NSW)
Os golpistas de língua chinesa se apresentam como autoridades chinesas (como policiais e agentes consulares) e forçam os estudantes chineses na Austrália a fingir que foram seqüestrados para extorquir dinheiro de seus parentes. As famílias enganadas pagam o resgate para garantir a “libertação” segura do estudante, que segundo a polícia nunca está realmente em perigo físico. (Polícia de NSW)

O detetive superintendente Darren Bennett disse que os seqüestros virtuais por organizações internacionais do crime organizado aumentaram significativamente na última década.

“Embora esses telefonemas pareçam de natureza aleatória, esses golpistas parecem ter como alvo membros vulneráveis ​​da comunidade sino-australiana”, disse ele em comunicado em 27 de julho.

Mais de 212.000 estudantes internacionais estão registrados para estudar na NSW. À medida que mais estudantes retornam ao país após a reavaliação das restrições da COVID-19, a polícia pede à comunidade que denuncie esses elaborados golpes por telefone. Os estudantes que os recebem podem postar essas ligações, entrar em contato com seus consulados, universidade ou denunciar o caso à polícia.

Em 25 de junho, a Comissão da Concorrência e Consumidores Australiana (ACCC) alertou que a comunidade chinesa local era alvo de golpes de “autoridade chinesa” (pdf), artistas de golpes que se apresentam como figuras de autoridade.

Em 2019, as perdas com o golpe da autoridade chinesa totalizaram US$ 2 milhões no país, um aumento de 40% em relação ao ano anterior.

A vice-chefe da ACCC, Delia Rickard, observou que uma das pedras angulares da prevenção desses golpes é o “boca a boca” ou a divulgação de outras informações sobre a experiência do golpe.

“Muitas pessoas que evitaram fraudes também o fizeram porque seus amigos ou familiares lhes contaram sobre as fraudes ou porque a situação ou a experiência pareciam suspeitas”, disse Rickard.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 

 
Matérias Relacionadas