Estrangeiros estão lutando para sobreviver ao lockdown de Xangai

Há relatos de alguns moradores sem água e comida

Por Alex Wu 

Um grande número de cidadãos estrangeiros foram pegos pelo lockdown estendido da COVID-19 em Xangai, que está em vigor há mais de duas semanas em algumas partes da cidade.

Assim como os moradores chineses, os estrangeiros enfrentam uma situação difícil enquanto lutam por comida e acesso a cuidados médicos.

Várias partes da cidade entraram em confinamento no mês passado, até que um lockdown em toda a cidade foi anunciado em 3 de abril.

Desde então, há relatos de que alguns moradores da cidade de 25 milhões ficaram sem água e comida.

Um residente de Xangai de sobrenome Luo disse ao Epoch Times que está familiarizado com a vida dos estrangeiros na cidade. Ele disse que, se eles não sabem chinês, é difícil encontrar produtos, inclusive online.

“Até Xu Xin, o magnata dos investimentos de Xangai, precisa pedir ajuda para conseguir pão online, e quanto os estrangeiros?” disse Luo.

Moradores esperam na fila para serem testados para a COVID-19 durante o segundo estágio de um lockdown no distrito de Jing, em Xangai, no dia 4 de abril de 2022 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)
Moradores esperam na fila para serem testados para a COVID-19 durante o segundo estágio de um lockdown no distrito de Jing, em Xangai, no dia 4 de abril de 2022 (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

O sul-coreano Yoo Jae Youn foi executivo de vendas da Samsung SDI, parte do grupo Samsung Electronics, na China, e foi para Xangai abrir seu próprio negócio. Ele é um dos relativamente sortudos em confinamento, pois entende bem chinês, então às vezes pode “trocar mercadorias” com os vizinhos da comunidade.

“Recentemente, em um bate-papo em grupo nas redes sociais, disse que precisava de um pouco de alho, e o vizinho me pediu para trazer arroz branco para trocar”, contou ele.

Ele disse que em algumas plataformas sociais, muitos funcionários de empresas sul-coreanas na China ficaram “muito zangados” e reclamaram da política de lockdown das autoridades chinesas.

Estudantes isolados

A mídia sul-coreana YTN informou em 11 de abril que existem cerca de 400.000 estrangeiros na cidade. Entre eles, cerca de 150 a 300 estudantes sul-coreanos vivem sozinhos fora da escola.

Eles disseram que se sentem isolados e desamparados e acrescentaram que é difícil para eles encontrarem comida.

Os estudantes disseram que os serviços locais de entrega de alimentos estavam quase paralisados, segundo o relatório. As autoridades locais distribuíram alguns suprimentos públicos de emergência, como vegetais crus, por uma taxa, mas os alunos não podiam cozinhar nas casas alugadas. Os alunos disseram que recorreram à troca dos vegetais que receberam por água ou macarrão instantâneo com vizinhos chineses enquanto eram levados para fazer testes em massa da COVID-19.

Yoo disse que sentiu que a situação deles era muito difícil.

“Eles choram todos os dias e não têm nada para comer”, disse Yoo.

“Quando eles vêm a Xangai, geralmente não falam chinês e não costumam cozinhar sozinhos. Portanto, o suprimento de alimentos racionados pelo governo chinês é inútil para eles, pois são vegetais crus”, disse ele.

Em 10 de abril, foi anunciado que Xangai implementará medidas de controle diferenciadas com lockdowns contínuos, mas variando de sete dias a 21 dias para cada comunidade.

Em 12 de abril, pelo menos 15 milhões de moradores ainda estavam trancados em suas casas.

O Consulado-Geral da França em Xangai e 24 outros países recentemente enviaram cartas conjuntas ao Governo Municipal de Xangai, apresentando seis pedidos para garantir que os direitos básicos de seus cidadãos fossem respeitados durante o confinamento.

O Departamento de Estado dos EUA em 11 de abril disse a todos os funcionários não essenciais e seus familiares no consulado dos EUA em Xangai para evacuar devido ao surto da COVID e ao lockdown.

Yi Ru e Lin Cenxin contribuíram para a reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas