Estatização do Sol na Espanha é divulgada como privatização

Ultimamente tenho visto uns compartilhamentos de uma notícia antiga. O seu título já evidenciava um sensacionalismo explícito: “Espanha privatiza o Sol: proibido gerar energia para autoconsumo”.

Bem, primeiro entendamos o que é privatização: privatização é o governo transferir um bem do setor público ou estatal para o setor privado. Ela pode ser um processo de concessão, onde o Estado transfere um serviço para a iniciativa privada da qual a empresa deterá o monopólio do serviço ou desestatização, onde a empresa ou o bem é transferido para iniciativa privada e entrará no mercado brigando competindo por algum espaço.

Agora vejamos a ‘notícia’: “O Sol foi privatizado na Espanha. Quem instalar placas solares para geração de energia doméstica sem a autorização do governo espanhol poderá ser multado em até 30 milhões de euros (cerca de R$ 100 milhões), conforme informa uma matéria do costa-riquenho El País.”

Onde está a privatização nisso? E a fonte original? A fonte original encontramos na versão espanhola do El País. Onde em nenhum momento se fala “em privatização do Sol”. Muito pelo contrário. No site espanhol vemos exatamente o oposto: “Atualmente na Espanha pode-se produzir energia de forma privada e consumí-la no momento, um modalidade que se denomina autoconsumo instantâneo. A última legislação é de 2011. Antes não se fazia porque não era rentável. O baratamento até em 80% das instalações fotovoltaicas nos últimos cinco anos e o incremento da fatura de luz se converteu numa forma de poupar muito interessante em época de crise. A utilizam desde granjas de vacas até supermercados, residências geriátricas, restaurantes e algum consumidor particular. A energia sobrante não se pode armazenar em baterias porque está proibido. Quando não tem sol ou vento, tem que conectar à rede e pagar a fatura normal.”

Ou seja, o Sol foi estatizado na Espanha e não apenas isso: apenas empresas escolhidas a dedo podem produzir e fornecer energia elétrica. Além de haver uma estatização do Sol ainda há uma cartel forçado pelo governo. O governo quer proteger essas empresas. Um corporativismo nada capitalista, nada liberal. Isso é no mínimo um fascismo.

Sobre o desinformador

Quem escreveu a postagem que viralizou na internet? Alguém chamado Charles Nisz, cujo perfil no Twitter mostra ideias de gente que nunca leu nada de economia, como ataques a austeridade, defesa irracional ao PT e tietagens ao Yanis Varoufakis, atual ministro das finanças na Grécia. Alguém com esse perfil dizer que o Sol foi privatizado não chega a surpreender, uma vez que o que os esquerdistas fazem é acabar com a reputação das privatizações o máximo possível mesmo que da forma mais desonesta. Nada muito de diferente do que vemos entre ativistas que põe a culpa no mercado por todos os males.

Não há como privatizar o Sol e os seus raios. Ao menos não há como se apropriar de tal recurso sem violar os nossos direitos uma vez que o usamos o tempo todo. Apenas o Estado consegue tal proeza sem se passar por criminoso. Foi o que o governo espanhol fez, mas a esquerda sempre gosta de inverter os papéis. E o pior: sempre quer se mostrar como a solução com propostas sempre piores. O Estado é o problema, mas a esquerda sempre proporá aumentar o problema acreditando ser a solução.

 
Matérias Relacionadas