Estamos rumando em direção à estagflação?

Crescimento do PIB pode em breve ser menor do que a inflação

Por Christopher Whalen, The Institutional Risk Analyst

À medida que os principais bancos centrais desligam a máquina de impressão psicodélica de dinheiro fácil, logo descobriremos se a promessa de crescimento é real num mundo com igualmente real — ou seja, não zero — taxas de juros. Essa questão sobre a rapidez com que a economia americana pode crescer sem taxas de curto prazo próximas de zero é, na verdade, a primeira consideração ao avaliar o risco do mercado macroeconômico.

Se você acredita na tendência atual do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) dos EUA, estamos quase seguros de ver a convergência das taxas de crescimento do PIB (produto interno bruto) e dos fundos do Federal Reserve (ou Fed, o banco central), com mais alguns aumentos de juros neste ano e no próximo.

Wall Street também prevê um crescimento menor e inflação mais alta, ou seja, estagflação, mas com pouca pressão para cima nas taxas de juros. A Associação dos Banqueiros Hipotecários, por exemplo, projetou uma variação real do PIB que está tendendo lentamente abaixo de 2% até 2020, enquanto a inflação já estava em 2,4% ano a ano em abril.

O crescimento global não é particularmente forte e um fator que contribui para isso foi o lento desgaste dos bancos de investimento e corretores ao longo da última década. O UBS, o HSBC, o BNP, o Merrill Lynch, o Morgan Stanley e outros agentes transacionais de segunda linha fugiram para a segurança da gestão de patrimônio após a crise de 2008, mas alguns como o Deutsche Bank (DB) fingiram que 2008 não aconteceu. Essa falta de resposta da administração acabou por enfraquecer financeiramente o DB e o levou à situação atual, na qual um dos maiores bancos da Europa pode exigir ajuda estatal.

Ironicamente, as políticas monetárias frouxas dos bancos centrais destinadas a sustentar o setor bancário eram contraproducentes para a lucratividade.

Anos de flexibilização quantitativa na Europa dizimaram o Deutsche Bank e outros bancos europeus universais. Assim como nos Estados Unidos, as compras de títulos do Banco Central Europeu (BCE) suprimiram os lucros dos bancos e os preços dos empréstimos, e basicamente mataram as negociações no mercado secundário, primeiramente reduzindo a margem de lucro dos bancos e, segundo, sugando os ativos para fora do mercado. É claro que, se o setor financeiro for prejudicado, o potencial de crescimento futuro é discutível.

Demasiada dívida, não muito crescimento

Todos os dias ouvimos outras dúvidas levantadas sobre as perspectivas de crescimento global sincronizado, se não por outro motivo, que o nível de endividamento global está crescendo mais rápido do que a economia subjacente.

A dívida global está agora em US$ 164 trilhões, ou 225% do PIB global, alerta o Fundo Monetário Internacional (FMI). O mundo está agora com 12% do PIB mais endividado do que estava no pico do ciclo da dívida durante a crise financeira de 2009.

David Rosenberg, da Gluskin Sheff & Associates em Toronto, gosta de nos lembrar que o crescimento dos últimos cinco anos, tanto em termos de preços de ações quanto em termos do PIB, chegou até nós como cortesia do Fed, do BCE e do Banco do Japão (BOJ). Por que esse fato não é óbvio para mais pessoas que trabalham nos mercados de ações é uma fonte de admiração para nós. Nosso coletivo neokeynesiano de coração comemora o impacto das baixas taxas para os devedores, mas esquece de que os bancos, as aposentadorias e até os indivíduos são poupadores do outro lado desse comércio e agora estão carentes de renda e retorno.

É bastante claro que o tão esperado aumento dos cortes de impostos não causou um aumento no investimento corporativo. Wall Street vem reduzindo as estimativas do PIB desde janeiro, o que, por sua vez, afeta seus modelos de lucro. E o coro de prognóstico econômico certamente se tornou pessimista nas últimas semanas.

Então, aqui está a grande questão que enfrentamos: o FOMC limitou efetivamente os retornos dos ativos financeiros no futuro previsível? Ou seja, todos os poupadores enfrentam anos à frente em que os rendimentos dos títulos são melhores do que, digamos, os mínimos de 2012 a 2015, mas não muito mais altos do que hoje? E os bancos agora enfrentam a concorrência do mercado de títulos, mesmo quando os preços de empréstimos e títulos mostram pouca pressão ascendente real?

Nosso melhor palpite é que a tentativa do Fed, do BCE e do BOJ de provocar uma inflação séria ao roubar ativos qualificados dos mercados por meio da flexibilização quantitativa teve o impacto inverso, a saber, a restrição dos retornos de ativos e receita dos investimentos globais.

Se o PIB desacelerar, à medida que o FOMC continua a forçar as taxas de curto prazo a um nível mais alto, e o setor financeiro continuar subjugado, o sentimento do mercado em relação às questões financeiras mais fracas, como o Deutsche Bank, pode se tornar muito perigoso. E a inflação só precisa ficar no nível atual de 2-3% para ser maior do que o crescimento, a definição clássica de estagflação.

Christopher Whalen é presidente da Whalen Global Advisors e autor de “Ford Men: From Inspiration to Enterprise”. Este artigo foi publicado primeiramente pelo Institutional Risk Analyst.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas