‘Estamos ficando sem comida e água potável’: hondurenha pede ajuda na China 

“Pouco a pouco, estamos ficando sem comida e sem água para beber, e é por isso que peço ao governo que me ajude, porque quero voltar para minha família"

Por Agência EFE

Pelo menos seis hondurenhos que viajam em um cruzeiro que permanece nas costas do Japão estão em quarentena devido ao coronavírus, enquanto uma universitária de 26 anos, que estuda em Hubei, na China, solicitou ajuda ao governo de seu país para retornar à nação centro-americana na segunda-feira.

A vice-chanceler hondurenha Nelly Jerez disse a repórteres em Tegucigalpa que, no caso dos seis nacionais a bordo do cruzeiro, até agora nenhum deles apresentou resultado positivo para testes de coronavírus.

Ela acrescentou que dois deles são um casal, dos quais o homem “na época apresentava uma imagem febril, mas já fora descartado”.

“Seu teste foi negativo e, graças a Deus, ele não tem coronavírus, o resto dos hondurenhos são membros da tripulação e eles continuam com seu trabalho no cruzeiro e não estão sendo afetados até agora”, disse a alta funcionária.

Jerez disse que o casal estava viajando para o turismo, enquanto os quatro restantes fazem parte da tripulação do navio, na qual mais de 3.000 pessoas viajam, incluindo passageiros e tripulação, segundo versões do Japão.

No cruzeiro, várias pessoas tiveram testes positivos para o coronavírus entre cerca de 50 nacionalidades.

Jerez não especificou a identidade dos hondurenhos que estão no cruzeiro, mas observou que a comunicação permanente é mantida com o embaixador hondurenho no Japão, Héctor Alejandro Palma.

Outra hondurenha em quarentena é a estudante Katy Samantha Murillo Brooks, 26, que estuda na província de Hubei, na China.

Em uma transmissão de vídeo nas redes sociais, Katy Samantha apelou ao governo de Honduras para ajudá-la a retornar ao seu país para estar com sua família novamente.

A universitária informou que é originária de La Lima, Cortés, no norte de Honduras, e que Hubei é vizinha de Wuhan, cidade onde ocorreu o surto de coronavírus (COVID-19).

“Tenho 26 anos, sou de Lima, Cortés, estou estudando em Hubei e, por isso, quero pedir ao governo da República de Honduras que me ajude a ser evacuada, pois as circunstâncias em que vivo estão muito difíceis” disse Katy Samantha.

Ele acrescentou que passou “22 dias em quarentena” e que “não consegui sair do meu quarto por causa da prevenção do vírus que se originou em Wuhan, que é nossa cidade vizinha”.

“Pouco a pouco, estamos ficando sem comida e sem água para beber, e é por isso que peço ao governo que me ajude, porque quero voltar para minha família, pois o estresse e a ansiedade não me deixam dormir bem e carecer de uma boa dieta enfraquece meu corpo e meu espírito”, enfatizou.

A hondurenha também disse que seus parentes “estão muito preocupados” com ela e que “tudo o que eles querem é que ela volte, mas não tem jeito”, pelo menos até agora.

No caso da universidade, a vice-chanceler de Honduras disse que sua situação é lamentável e que eles mantêm uma comunicação com ela “desde o primeiro dia que se comunicou com nosso embaixador Emy Bautista”.

Ele acrescentou que Hubei “infelizmente é uma área onde há um alto foco de contaminação por coronavírus e onde houve mortes”.

Jerez disse que o Ministério das Relações Exteriores de Tegucigalpa tem feito esforços diplomáticos com a Colômbia para verificar se é possível incluir Katy Smantha entre o grupo de estudantes colombianos que poderiam ser retirados de Hubei.

As autoridades hondurenhas esperam que a universitária possa deixar Hubei até 21 de fevereiro e não descarta que outros países que estão tirando seus compatriotas daquela região da China possam incluir Katy Samantha.

Até o momento, as autoridades de saúde da China atualizaram o número de mortes de COVID-19 para 1.868 e para 72.436 o número de pessoas infectadas com a nova pneumonia causada pelo coronavírus SARS-CoV-2.

A Comissão Nacional de Saúde da China informou que, até a última meia-noite local (16h00 GMT de segunda-feira), 11.741 casos graves haviam sido registrados, enquanto 12.552 pessoas haviam superado a doença com sucesso e receberam alta.

A fonte acrescentou que 560.901 pacientes foram acompanhados em contato próximo com os infectados, dos quais 141.552 ainda estão sob observação.

Desses, 6.242 são suspeitos de contrair o novo coronavírus, cujo surto foi descoberto em janeiro passado.

 
Matérias Relacionadas