Estados processam governo Biden por ‘pressionar e conspirar’ com a Big Tech na censura à liberdade de expressão

“A Big Tech se tornou uma extensão do Grande Governo Biden"

Por Katabella Roberts 

Dois estados liderados por republicanos entraram com uma ação contra o presidente Joe Biden, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, o Dr.Anthony Fauci e outros funcionários do alto escalão do governo por conluio com gigantes das mídias sociais com o objetivo de censurar e suprimir a liberdade de expressão.

O procurador-geral do Missouri, Eric Schmitt, e o procurador-geral da Louisiana, Jeff Landry, entraram com a ação no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Oeste da Louisiana, em 5 de abril, segundo o anunciando em declarações separadas, na quinta-feira.

Os advogados afirmam que Biden e outros funcionários do governo trabalharam com grandes empresas de tecnologia como Meta, Twitter e YouTube para censurar discussões sobre assuntos relacionados a tudo, desde a COVID-19, integridade eleitoral até a história do laptop de Hunter Biden, fazendo isso sob o pretexto de combater “desinformação”.

Outros citados no processo incluem o cirurgião geral Vivek Murthy, o secretário do Departamento de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, e a diretora executiva do recém-criado “Conselho da Desinformação” do DHS, Nina Jankowicz.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), o secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) Xavier Becerra e a diretora da Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura Jen Easterly também estão listados como réus.

Ao anunciar o processo na quinta-feira, o advogado Schmitt enfatizou a importância da liberdade de expressão, que ele disse ser “fundamental para uma sociedade saudável”, acrescentando que “discurso, debate e discussão têm sido a pedra angular de nosso país desde que os Fundadores codificaram esse direito. na Carta de Direitos”.

Schmitt afirmou que os americanos usam plataformas de mídia social para discutir uma série de tópicos, observando que esses tópicos têm mais recentemente, à luz da pandemia global da COVID-19, conversas sobre se as coberturas faciais são ou não eficazes na prevenção da propagação do vírus e se as origens do vírus vieram de um vazamento de laboratório em Wuhan, na China.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, fala durante uma coletiva de imprensa diária da Casa Branca na James Brady Press Briefing Room na Casa Branca em Washington em 04 de maio de 2022 (Alex Wong/Getty Images)
A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, fala durante uma coletiva de imprensa diária da Casa Branca na James Brady Press Briefing Room na Casa Branca em Washington em 04 de maio de 2022 (Alex Wong/Getty Images)

“Em violação direta à Primeira Emenda e à liberdade de expressão, o governo Biden está envolvido em uma campanha perniciosa para pressionar os gigantes da mídia social a censurar e suprimir o discurso e trabalhar diretamente com essas plataformas para alcançar essa censura em uma campanha equivocada e orwelliana contra a ‘desinformação'”, disse Schmitt, referindo-se ao romance distópico de George Orwell sobre um estado totalitário, 1984.

O processo aberto na quinta-feira acusa especificamente Biden e outros funcionários do governo de trabalhar com grandes empresas de tecnologia para remover ” informações verdadeiras relacionadas à teoria do vazamento de laboratório, a eficácia das máscaras, integridade eleitoral e muito mais”, disse Schmitt.

A ação também acusa Biden e outros funcionários de atacar “falsamente” a história do laptop de Hunter Biden como “desinformação” junto com gigantes da tecnologia, como o Twitter.

A história, que foi publicada pela primeira vez pelo New York Post em outubro de 2020, detalhou o conteúdo do laptop de Hunter Biden que foi deixado em uma oficina de computadores em Delaware e que incluía fotos e e-mails comprometedores sobre negócios estrangeiros supostamente corruptos.

O Twitter classificou a história como “potencialmente prejudicial” e bloqueou a conta principal do New York Post no Twitter, ao mesmo tempo em que bloqueou usuários do Twitter de publicar o link para a história.

O New York Times e o Washington Post desde então, reconheceram a existência do laptop e e-mails de Hunter Biden.

“A Big Tech se tornou uma extensão do Grande Governo Biden, e não protege as liberdades dos americanos; em vez disso, eles estão suprimindo a verdade e demonizando aqueles que pensam de forma diferente”, disse o procurador-geral Landry.

“Tirado da cartilha de Stalin e de sua laia, Biden tem conspirado com a Big Tech para censurar a liberdade de expressão e propagandear as massas. Estamos lutando para garantir o estado de direito e impedir que o governo proíba inconstitucionalmente, esfrie e sufoque o discurso.”

O processo alega que o governo federal violou os direitos da Primeira Emenda do Missouri, da Louisiana e dos americanos e “coagiu, ameaçou e pressionou plataformas de mídia social a censurar oradores e pontos de vista desfavorecidos usando ameaças de ação governamental adversa”.

Como resultado dessas ameaças, afirma o processo, os réus “estão agora em conluio direto com plataformas de mídia social para censurar oradores e pontos de vista desfavorecidos, inclusive pressionando-os a censurar certos conteúdos e 

indivíduos. Essas ações violam a Primeira Emenda.”

Os advogados pediram ao tribunal que declarasse que Biden e outros réus violaram a Primeira Emenda, excederam sua autoridade estatutária e impediram que os funcionários continuassem a se envolver em sua conduta “ilegal”.

Além disso, alegam que a conduta dos funcionários do DHS e do HHS viola a Lei de Procedimento Administrativo.

O Epoch Times entrou em contato com um porta-voz da Casa Branca para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas