Estadão faz reportagem com posts privados de policiais federais

No dia 1o de novembro o site Reaçonaria mostrou em um post que os jornalistas Ricardo Chapola, do Estadão, e Gustavo Uribe, da Folha de São Paulo, faziam reportagens estranhamente semelhantes, entrevistando as mesmas pessoas, e sempre a ridicularizar quem é contra o governo do PT. Mostramos que as postagens deles em redes sociais, bem como as reportagens e textos que assinam, indicam um claro viés pró-PT.

Leia também:
‘Lava Jato’ pode descobrir o paradeiro de bilhões desviados da Petrobras
Assessor da Caixa Econômica pode ser próximo alvo da Operação Lava Jato
Presos da Operação Lava Jato são soltos por ordem do Supremo

Pois agora o Estadão fez uma reportagem muito parecida tratando de policiais federais, não jornalistas. A diferença é que a reportagem “Delegados da Lava Jato exaltam Aécio e atacam PT na rede” traz postagens fechadas dos funcionários públicos. Ou seja, postagens que não estão abertas a todas as pessoas, apenas àqueles que são “amigos” deles no Facebook. Leiam o trecho:

“Em manifestações feitas em perfis fechados no Facebook aos quais o Estado teve acesso, delegados da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, órgão onde estão concentradas as investigações, compartilharam propaganda eleitoral do então candidato tucano que reproduzia reportagens com o conteúdo da delação premiada do doleiro Alberto Youssef, segundo a qual Dilma e Lula teriam conhecimento do esquema de desvios – o teor desses depoimentos está sob segredo de Justiça.”

Esta reportagem teve um desdobramento, sob o título “Postagens dos delegados põem isenção em xeque, dizem advogados“. De nossa parte, cremos que investigações criminais não são influenciadas por preferências políticas: bandido que rouba dinheiro público não está prejudicando quem vota em A ou B, mas todo o povo. Também defendemos que todos sigamos livres para manifestar nossas preferências políticas – embora o risco disso acabar seja cada dia maior.

Dito isso, vejam a conclusão daa reportagem do Estadão::

“Os comandos da Polícia Federal no Paraná, onde atuam os policiais da Lava Jato, e em Brasília, sede do órgão, não comentaram as manifestações dos delegados nas redes sociais no período eleitoral.”

Ainda não sabemos qual é o posicionamento do comando do Estadão sobre as postagens públicas e as incríveis coincidências das reportagens de um de seus funcionários com a de uma concorrente que apontamos. Mas faça-se a ressalva: o Estadão é uma empresa privada, só deve explicação aos seus leitores e anunciantes.

Reaçonaria

 
Matérias Relacionadas