Publicado em - Atualizado em 02/01/2018 às 1:33

Estação Espacial da China fora de controle cairá na Terra em breve

China, estação espacial, Tiangong-1 - Uma foto que mostra o ponto de vista da nave espacial Shenzhou-9 se aproximando da estação espacial Tiangong-1 em 18 de julho de 2012. A China declarou oficialmente que perdeu o controle sobre sua estação espacial em 21 de março de 2016 (STR/AFP/Getty Images)

Uma foto que mostra o ponto de vista da nave espacial Shenzhou-9 se aproximando da estação espacial Tiangong-1 em 18 de julho de 2012. A China declarou oficialmente que perdeu o controle sobre sua estação espacial em 21 de março de 2016 (STR/AFP/Getty Images)

Uma estação espacial chinesa não tripulada está fora de controle e deverá cair na Terra nos próximos meses.

Mas onde as partes da estação espacial Tiangong-1 que sobreviverem à reentrada eventualmente cairão na Terra continua sem confirmação. Espera-se que entre 10-40% de sua massa sobreviva a reentrada.

A estação espacial de 8,5 toneladas métricas já está em rota descendente.

A estação espacial Tiangong-1, atualmente desativada, foi lançada em 2011 e foi descrita como um “poderoso símbolo político” do regime do Partido Comunista Chinês, informou The Guardian.

A China declarou oficialmente que perdeu o controle sobre sua estação espacial em 21 de março de 2016.

Jonathan McDowell, um astrofísico da Universidade de Harvard, disse que esperava que a Tiangong-1 descendesse no início deste ano.

“Agora que o [seu] perigeu está abaixo de 300 km e está numa atmosfera mais densa, a taxa de decadência está aumentando”, disse McDowell ao The Guardian.

Ele disse que algumas partes da estrutura em desintegração que atingirem a superfície da Terra podem pesar até 100 quilogramas.

McDowell disse que a previsão sobre onde os destroços cairão é impossível, mesmo nos dias que antecedem a sua queda na Terra.

“Você realmente não pode manobrar essas coisas”, disse McDowell. “Mesmo poucos dias antes da reentrada, provavelmente não saberemos mais do que seis ou sete horas antes, mais ou menos, quando ela cairá. Não saber quando ela cairá pode ser entendido como não saber aonde ela cairá.”

McDowell disse que uma pequena alteração nas condições atmosféricas pode mudar a área de aterrissagem “de um continente para o outro”.

No ponto de reentrada, sua estrutura se moverá 20 vezes mais rápido do que uma bala, de acordo com a Aerospace Corporation, uma companhia estadunidense sem fins lucrativos.

O extremo calor da reentrada e o aumento das cargas aerodinâmicas resultam na primeira ruptura importante de qualquer hardware espacial que cai na Terra a uma altitude entre 74-83 quilômetros.

Leia também:
• Regime chinês promove Nova Ordem Mundial baseada no ‘Modelo da China’
• Ao adquirir empresa britânica, China se aproxima da supremacia naval dos EUA
• Pesquisa da Austrália que fortalece militares da China ‘precisa ser investigada’

“Neste ponto, o objeto se fragmenta em vários objetos menores, e cada um continua a se fragmentar ou derreter enquanto houver aquecimento e carga suficientes”, disse Aerospace Corporation em seu website. “Quando os objetos sobreviventes desacelerarem o suficiente, a taxa de calor cai e uma nuvem de detritos permanece para cair e impactar o solo.”

Mas as chances de que partes da estrutura da Tiangong-1 matarão qualquer pessoa é inferior a uma em um trilhão.

“As estimativas de risco de reentrada são suportadas pelo fato de que, nos últimos 50 anos, acredita-se que mais de 5.400 toneladas métricas de materiais tenham sobrevivido a reentrada sem vítimas relatadas (é claro, é possível que tenha havido vítimas em algum lugar do mundo, mas não foram relatadas) “, disse a Aerospace Corporation.

NTD Television

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016