Especialistas em saúde australianos se dividem quanto abordagem no gerenciamento da pandemia

Um grupo pressiona por fortes medidas para sufocar qualquer transmissão potencial, e outro pede que a sociedade aprenda a 'viver com o vírus'

Por Daniel Y. Teng

Um cisma está se formando na fraternidade médica da Austrália sobre como lidar melhor com a pandemia – transbordando para o domínio político – com um grupo pressionando por fortes medidas para sufocar qualquer transmissão potencial da COVID-19, e o outro pedindo que a sociedade aprenda a “viver com o vírus”.

O Dr. Nick Coatsworth, ex-diretor médico durante a resposta inicial da Austrália à COVID-19, tem sido uma voz de liderança no apelo ao retorno à normalidade.

“À luz do sucesso de nossa comunidade, a evolução do vírus para uma forma mais branda e novos tratamentos eficazes, o tempo para decretos e restrições de toda a comunidade acabou. O caso de medo da COVID-19 está agora restrito em grande parte na plataforma de mídia social do Twitter”, ele escreveu em um artigo de opinião no The Sydney Morning Herald, no dia 1º de janeiro de 2022.

“Sem os esforços perenes de uma pequena, mas vocal seção da academia de saúde pública e um número cada vez menor de personalidades da mídia, nossa comunidade está pronta e pode passar para uma fase de vida com a COVID-19 como um vírus endêmico”, declarou ele.

Coatsworth alertou que o grupo continuará pressionando pelo “controle de doenças acima de tudo”, enquanto tenta capitalizar as próximas eleições federais australianas para influenciar as políticas de saúde pública.

“Isso levará a apelos inevitáveis ​​por políticas no estilo de 2020, na tentativa de prejudicar a Coalizão (governo). É fundamental que ambas as principais partes reconheçam que os desafios para 2022 e além não estão relacionados a COVID-19”, relatou.

De acordo com e-mails obtidos pela Australian Financial Review, membros do OzSage – um grupo de lobby composto por notáveis ​​especialistas em saúde que defendem fortes medidas de contenção contra o vírus – começaram a mobilizar uma resposta a Coatsworth.

“Iria o OzSAGE, por favor, publicar uma verificação urgente de fatos e uma resposta a este artigo de opinião no The Sydney Morning Herald de ontem?” escreveu o Dr. Kerryn Phelps, presidente da Associação Médica Australiana. “Está tendo um impacto na comunidade”.

Stephen Robson, ex-presidente do Royal Australian and New Zealand College of Obstetricians and Gynaecologists, afirmou: “Concordo 100% com Kerryn que uma resposta é necessária”.

Richard Holden, professor de economia da Universidade de Nova Gales do Sul, afirma que tinha um artigo de opinião pronto para ser publicado, o qual ele acredita que marcaria “a maioria das caixas”.

O artigo, de autoria de Steven Hamilton, pesquisador visitante do Tax and Transfer Policy Institute da Australian National University, criticou a resposta do governo federal à COVID-19.

“Os formuladores de políticas apontam para as hospitalizações atuais como baixas e afirmam: ‘tudo está indo como planejado’. Mas isso ignora o fato de as hospitalizações atrasarem os casos em uma a duas semanas”, escreveram eles no editorial publicado no dia 3 de janeiro.

Holden e Hamilton classificaram a implementação da vacinação – onde não havia oferta suficiente por um período de tempo – entre os “maiores fracassos políticos da história australiana”.

“Que vergonha para nós por imaginar que eles aprenderam a lição. (O primeiro-ministro Scott) Morrison afirma que não quer olhar pelo espelho retrovisor, e podemos ver o porquê.”

Outra corrente de mensagens presenciou a Dra. Phelps alertar contra o envio de alunos de volta às aulas para o primeiro semestre em 2022.

“O retorno às salas de aula da escola primária deve ser adiado até que os níveis de vacinação sejam ideais, as medidas de mitigação sejam concluídas e o pico desta onda da #Covid19 passar”, escreveu ela no Twitter, no dia 7 de janeiro.

A resposta de Coatsworth na plataforma de mídia social foi contundente: “Ignore este indivíduo”.

No final do ano passado, a maioria dos governos australianos começou a mudar suas configurações de políticas para lidar com a COVID-19 para “viver com o vírus” – em vez de eliminação – concentrando-se em altas taxas de vacinação, testes e preparação do sistema hospitalar para casos graves.

A mudança coincidiu com o início da variante Ômicron, que teve um aumento dramático no número de casos, enquanto as taxas de hospitalização aumentaram em um ritmo mais constante.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas