Especialista: China ficará mais agressiva após ordem militar recém assinada

“Esta é uma indicação real de que temos uma China preparada para invadir Taiwan, Índia, Japão ou Filipinas”

Por Frank Fang & David Zhang 

A China, sob uma nova ordem militar assinada por seu líder, Xi Jinping, provavelmente se tornará ainda mais hostil contra seus vizinhos, segundo Gordon Chang, autor e membro sênior do Gatestone Institute, com sede em Nova Iorque.

A ordem, que entrou em vigor em 15 de junho, declara um conjunto de “esquemas de julgamento” permitindo que os militares da China tenham uma base legal para se envolver em “operações militares que não sejam de guerra”. Além disso, a ordem prepararia os militares chineses para salvaguardar a soberania, a segurança, os interesses de desenvolvimento e a estabilidade regional da China.

“Este é um sinal de que a China será ainda mais agressiva do que foi no passado”, disse Chang durante uma entrevista recente ao “China Insider” da EpochTV.

“O que a China está fazendo aqui é sinalizar que está preparada para usar suas forças armadas no exterior de maneiras que irritam a comunidade internacional e, na verdade, fazer mais do que isso para violar as normas que mantemos”, acrescentou.

A nova ordem de Xi desencadeou uma nova rodada de preocupações com a soberania em Taiwan, um estado independente no qual o Partido Comunista Chinês (PCCh) pretende assumir. Há especulações de que Xi está “legitimando” uma possível ação militar futura contra a ilha autogovernada por meio da ordem, um movimento semelhante à invasão da Ucrânia pelo líder russo Vladimir Putin, que ele chamou de ato de “autodefesa” e uma “operação militar especial”.

O comentarista político e analista da China, Gordon Chang, fala na convenção CPAC, em National Harbor, Md., em 29 de fevereiro de 2020 (Samira Bouaou/Epoch Times)
O comentarista político e analista da China, Gordon Chang, fala na convenção CPAC, em National Harbor, Md., em 29 de fevereiro de 2020 (Samira Bouaou/Epoch Times)

Para Chang, a nova ordem não mudou a forma como o regime chinês pensa e opera.

“A China vai fazer o que vai fazer, com ou sem lei. O Partido Comunista não é restringido pela lei. Não é restringido por tratados”, disse Chang. “Então, por exemplo, foi assinado, ratificado e agora viola a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. E ele faz isso regularmente”.

Pequim adotou táticas agressivas para impor suas reivindicações no Mar do Sul da China, embora o Tribunal Permanente de Arbitragem de Haia tenha decidido em 2016 que as reivindicações territoriais da China eram inconsistentes com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS).

Quanto à linha do tempo para a invasão chinesa de Taiwan, Chang não acredita que o regime comunista esteja “pronto para isso”.

No entanto, Chang alertou que o mundo “pode ser pego de surpresa” por tal invasão; assim, os preparativos devem ser feitos para defender a ilha e outras áreas.

O novo pedido não é o único sinal que indica uma China mais agressiva. Segundo Chang, o telefonema entre Xi e Putin de 15 de junho mostrou o “apoio total” de Pequim ao ataque da Rússia à Ucrânia.

Após o chamado, os dois líderes concordaram em aprofundar sua “coordenação estratégica”. Ao mesmo tempo, Xi reconheceu a “legitimidade das ações da Rússia na proteção de seus interesses nacionais fundamentais diante dos desafios de segurança criados por forças externas”.

“Este é mais um sinal para nós de que a China está iniciando uma fase mais provocativa e ainda mais beligerante de suas políticas externas”, disse Chang. “Esta é uma indicação real de que temos uma China preparada para invadir Taiwan, Índia, Japão ou Filipinas”.

O presidente russo Vladimir Putin (E) e o líder chinês Xi Jinping posam para uma fotografia durante sua reunião em Pequim em 4 de fevereiro de 2022 (Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP via Getty Images)
O presidente russo Vladimir Putin (E) e o líder chinês Xi Jinping posam para uma fotografia durante sua reunião em Pequim em 4 de fevereiro de 2022 (Alexei Druzhinin/Sputnik/AFP via Getty Images)

Antes de seu último anúncio sobre a coordenação, Xi e Putin já haviam atualizado seu relacionamento bilateral para uma parceria “sem limites” em fevereiro, três semanas antes da Rússia invadir a Ucrânia. Na ocasião, os dois líderes também declararam que não haveria “áreas proibidas” para a “cooperação” entre os dois vizinhos.

Chang alertou que o PCCh representa uma ameaça alarmante no futuro imediato.

“Este pode muito bem ser o momento mais perigoso da história”, disse Chang. “Este é um ponto em que acho muito mais perigoso do que a Crise dos Mísseis Cubanos ou a Crise do Checkpoint Charlie do ano anterior”.

Ele explicou que uma potencial crise decorre do fato de que o regime chinês nunca descartou o uso de armas nucleares contra seus vizinhos ou os Estados Unidos.

“Então, estamos em um desses pontos em que tudo pode dar terrivelmente errado em um instante”, concluiu.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas