Entrevista com Jacques Marcovitch, autor do livro “A Gestão da Amazônia”

(Cortesia de Jacques Marcovitch)
(Cortesia de Projeto Mudar Futuro/FEA-USP)

Ex-reitor da Universidade de São Paulo de 1997 a 2001 e atual professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA/USP) concedeu entrevista ao Especial Amazônia do The Epoch Times.

Autor do livro “A Gestão da Amazônia – Ações Empresariais, Políticas Públicas, Estudos e Propostas” – obra premiada em um dos prêmios literários mais importantes do Brasil, o 54º Prêmio Jabuti de Literatura – Marcovitch compartilha a ideia de que a sustentabilidade da Amazônia é inseparável do desenvolvimento econômico e da mudança dos padrões de bem-estar coletivo que decorre dele.

The Epoch Times: Como o Brasil pode lidar com a complexidade da região e aliar o crescimento econômico com o desenvolvimento sustentável?

Jacques Marcovitch: A realidade amazônica envolve atores diversos. O papel comum a todos eles é contribuir para um novo modelo econômico em que se preserve a biodiversidade, valorize-se a floresta em pé, substitua-se a pecuária extensiva por outra de natureza intensiva, explore-se de forma sustentável os produtos regionais, proteja-se a qualidade da água e ampliem-se os centros de pesquisa. Estas ações, operadas sinergicamente, poderão mudar para melhor o precário quadro social existente.

 The Epoch Times: Que mecanismos poderiam ser usados para que o desenvolvimento sustentável seja uma realidade na Amazônia?

Jacques Marcovitch: Há vários meios para chegar ao modelo sustentável. Entre as prioridades mais urgentes estão o povoamento científico e a formação de cadeias tecnoprodutivas, estas com o objetivo de inserir a população extrativista no mercado e assegurar-lhe autosuficiência. Urge um zoneamento da região que identifique o que é intocável e o que permite manejos florestais e definição de áreas propícias à criação de gado, agricultura ou intervenções sustentáveis. Sem prejuízo de uma política de proteção das águas além da prevenção e repressão contra o desmatamento ilegal.

Hipóteses de aporte de novos recursos são o Fundo Amazônia, até agora com apenas um doador e administrado pelo BNDES, e a regulamentação do Mecanismo REDD. A adoção desse instrumento e a oferta de atividades mais remuneradoras que as proporcionadas pelas atividades clandestinas contribuirão fortemente para um cenário sustentável na região.

O estudo “Economia das Mudanças Climáticas”, do qual participamos, avaliou o REDD como um sistema positivo de compensação para o Brasil, que receberia uma quantia pelo menos equivalente à renda percebida pelos desmatadores da nossa maior floresta, enquanto a comunidade internacional cumpriria suas metas de redução de GEE com maior eficiência.

Mecanismos não faltam. Especialistas até criticam, e com grande propriedade, o excessivo elenco de propostas para a Amazônia, quase sempre fragmentadas ou superpostas, o que diminui a sua eficácia histórica. De fato, governos diversos têm lançado planos para desenvolver a região e os resultados, gradualmente declinantes no espaço e no tempo, revelam uma desarticulação que precisa ser corrigida.

The Epoch Times: Quais os entraves que impedem a manutenção da floresta e sua harmonização com a população local?

Jacques Marcovitch: Há poderosos interesses agindo a favor do desmatamento. A pecuária predadora é um deles. Um aspecto não suficientemente difundido é a culpa desta atividade no desmatamento e nas queimadas, quase sempre atribuídos apenas à indústria madeireira ilegal. Entre estudiosos e ambientalistas já ficou claro que passa de 70% o volume de árvores tombadas para dar lugar à pastagem de gado. Calcula-se que 253 mil quilômetros quadrados foram abertos aos pastos na região, entre 1990 e 2006. O rebanho local elevou-se, no mesmo período, de 26 milhões para cerca de 80 milhões de cabeças. Um incremento superior a 180%, ocasionando sérios danos à integridade florestal. De então para hoje o ritmo da ocupação extensiva do gado não sofreu grandes alterações.

The Epoch Times: Um produtor rural de Apuí, Amazonas, recentemente disse ao Epoch Times: “a mão que produz é a mesma que preserva”. De quais formas a população local pode ajudar na manutenção da floresta e ao mesmo tempo garantir sua qualidade de vida? Como vive a maioria das pessoas na Amazônia?

Jacques Marcovitch: A frase, não sendo inteiramente fiel à realidade, expressa uma tendência em franca evolução. A Fundação Amazonas Sustentável (FAS), destinando uma bolsa-floresta a quem não desmatar, é importante referência.

Um grande executivo regional, cuja empresa se distingue pelos projetos sustentáveis, declarou: “Não estamos fazendo isso porque somos bonzinhos, mas porque somos inteligentes”. O livro “A gestão da Amazônia” inclui um capítulo especial com informações colhidas em survey que organizamos, com a participação de dez grandes empresas atuantes na Região.

A maioria da população sobrevive precariamente. Não esqueçamos que apenas uma ínfima parcela dos caboclos tem ocupação regular e contínua. Quase todos trabalham na economia ilegal dos desmates e queimadas. O IDH da Amazônia profunda iguala-se aos piores do planeta.

The Epoch Times: Quais os principais desafios que os acadêmicos e pesquisadores enfrentam na Amazônia? Quais as perspectivas que o senhor vê para desenvolver a Ciência e Tecnologia na Amazônia?

Jacques Marcovitch: A principal delas é a baixa remuneração inicial. Por maior que seja o esforço e a competência dos centros regionais de pesquisa, não há recursos para financiar um grande projeto local. Entre os estudiosos profissionais da Amazônia o maior número são de estrangeiros. Segundo o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), apenas 5% dos pesquisadores brasileiros atuam nesta linha de investigação, assim mesmo concentrados nas capitais Manaus e Belém. Espera-se que o Projeto Amazônia Sustentável (PAS), até agora apenas no papel, e como o roteiro de objetivos, finalmente venha a iniciar uma fase operacional.

The Epoch Times: Pode nos falar um pouco do seu livro “A Gestão da Amazônia – Ações Empresariais, Políticas Públicas, Estudos e Propostas”?

Jacques Marcovitch: O objetivo principal deste livro foi demonstrar que a sustentabilidade amazônica é indissociável do crescimento econômico e correspondente evolução nos padrões de bem-estar coletivo. Ela constitui um desafio à gestão governamental e privada em todos os níveis. À ideia de uma região intocável pela mão do empreendedor, opomos, no conteúdo publicado, o entendimento de que a devastação da grande floresta deve ser contida pela oferta de outros meios, ambientalmente adequados e mais rentáveis para o setor produtivo e populações locais.

O conteúdo foi elaborado para combinar análises do autor e várias outras propostas em debate. Procuramos reunir proposições dispersas, dar-lhes uma visão de conjunto e refletir sobre o todo amazônico. Cruzam-se, nas páginas escritas, a penúria urbana, conflitos rurais, fartura de águas e escassez brutal de saneamento básico, avaliações de especialistas, estratégias empresariais e políticas públicas em andamento. A gestão do bioma, fio condutor de toda narrativa, é apresentada como algo a ser compartilhado entre governos, ONGs, populações, cientistas e empreendedores. Estas forças, com o grau possível de consenso, responderão pela Amazônia que legaremos às gerações vindouras.

Este artigo faz parte do Especial Amazônia. Para conhecer os outros artigos, clique aqui.

Epoch Times publica em 35 países em 20 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas