Especial: a campanha de quatro anos contra Trump

Esforços para minar o presidente não cessaram desde 2016

Por Epoch Times

Análise de Notícias

A pressão pós-eleitoral para pressionar o presidente Donald Trump a admitir sua derrota, apesar das inúmeras alegações de fraude eleitoral e ações legais em andamento, não é um incidente isolado.

É o culminar de uma campanha de quatro anos contra ele, que começou durante sua primeira candidatura presidencial em 2016, quando o FBI lançou uma investigação sobre sua campanha por motivos políticos. Durante seus próximos quatro anos no cargo, houve esforços constantes para removê-lo, primeiro por meio da narrativa de conluio com a Rússia e depois por meio de impeachment.

O Epoch Times fornece aqui uma visão geral de alguns dos principais esforços feitos contra o presidente em exercício dos Estados Unidos.

Esta é uma questão que transcende as linhas partidárias, pois não se trata apenas de um ataque a Trump, mas de um ataque ao gabinete presidencial e, com ele, um ataque à fundação dos Estados Unidos.

Investigação por razões políticas

Sob a administração Obama em 2016, o FBI lançou uma investigação sobre a campanha de Trump por razões políticas. Com base nas informações disponíveis publicamente, sabemos que a investigação foi lançada com base nas evidências mais frágeis: comentários feitos por um conselheiro de campanha de Trump ao embaixador australiano em Londres. Na realidade, a investigação se baseou principalmente no desacreditado “dossiê Steele”, compilado pelo ex-agente do MI6 Christopher Steele em nome da campanha de Clinton e do Comitê Nacional Democrata (DNC).

O presidente Donald Trump embarca no Força Aérea Um em Butler, Pensilvânia, em 31 de outubro de 2020 (Mandel Ngan / AFP via Getty Images)
O presidente Donald Trump embarca no Força Aérea Um em Butler, Pensilvânia, em 31 de outubro de 2020 (Mandel Ngan / AFP via Getty Images)

A sombra de Trump e da Rússia

Embora a investigação Crossfire Hurricane do FBI em si não tenha encontrado nenhuma evidência de conluio entre Trump e a Rússia, as investigações em andamento, incluindo vazamentos direcionados à imprensa, criariam a narrativa pública de que Trump havia conspirado com a Rússia para vencer as eleições de 2016. Isso lançou uma sombra sobre os primeiros anos de sua presidência e limitou suas ações tanto nacional quanto internacionalmente. Alguns membros do Congresso chegaram ao extremo de pedir o impeachment de Trump por causa das falsas acusações.

O ex-diretor do Federal Bureau of Investigation James Comey fala por meio de um monitor de televisão durante uma audiência no Capitólio, em Washington, em 30 de setembro de 2020 (Stefani Reynolds / Pool / Getty Images)
O ex-diretor do Federal Bureau of Investigation James Comey fala por meio de um monitor de televisão durante uma audiência no Capitólio, em Washington, em 30 de setembro de 2020 (Stefani Reynolds / Pool / Getty Images)

FBI sob o comando de Comey e McCabe

O FBI, sob o comando do diretor James Comey e do vice-diretor Andrew McCabe, trabalhou proativamente contra Trump. McCabe esteve diretamente envolvido na investigação Crossfire Hurricane, trabalhando com o agente do FBI Peter Strzok e a advogada do FBI Lisa Page. Depois que Comey foi demitido por Trump em maio de 2017, McCabe pressionou ativamente a agência para investigar Trump mais profundamente. O FBI de McCabe chegou a recomendar que o oficial do Departamento de Justiça Bruce Ohr contatasse Steele, embora muitas das alegações em seu arquivo tivessem sido refutadas até então, e o FBI tivesse cortado laços com ele por seus vazamentos para a mídia.

Edifício do New York Times na cidade de Nova Iorque, N.Y., em 30 de junho de 2020 (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)
Edifício do New York Times na cidade de Nova Iorque, N.Y., em 30 de junho de 2020 (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

Meios de comunicação

Talvez uma das forças mais poderosas trabalhando contra Trump durante sua presidência tenha sido a mídia. Nos últimos cinco anos, eles publicaram incessantemente notícias tendenciosas e imprecisas sobre Trump e minimizaram ou ignoraram suas realizações, procurando retratá-lo publicamente como um presidente ilegítimo. Esse tipo de notícia criou um clima de raiva, ódio e instabilidade nos Estados Unidos. Isso resultou em ameaças contra a vida do presidente e atos de violência contra seus apoiadores.

A Casa Branca ao anoitecer em Washington em 5 de fevereiro de 2020 (Drew Angerer / Getty Images)
A Casa Branca ao anoitecer em Washington em 5 de fevereiro de 2020 (Drew Angerer / Getty Images)

Impeachment

Em 18 de dezembro de 2019, a Câmara dos Representantes indiciou Trump de forma partidária. Embora o Senado posteriormente tenha rejeitado a acusação, o fato deixou uma marca em sua presidência e arrastou o país para meses de ataques públicos na mídia. O motivo do impeachment foi baseado em um telefonema que Trump fez em 25 de julho de 2019 para o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, durante o qual Trump expressou sua esperança de que as alegações de possível corrupção fossem investigadas.

Elas envolviam o ex-vice-presidente Joe Biden. Mesmo com as informações disponíveis publicamente na época, havia preocupações legítimas de que a influência política americana e os fundos do contribuinte estivessem sendo desviados na Ucrânia. Na época, era de conhecimento público que o filho de Biden, Hunter, recebera dezenas de milhares de dólares por mês de um gigante da energia ucraniano, enquanto o então vice-presidente Biden – em suas próprias palavras – pressionava o presidente ucraniano para demitir a um promotor como pré-requisito para receber US$ 1 bilhão em ajuda estrangeira. Esse mesmo promotor estava investigando a empresa de energia ucraniana Burisma, bem como sua diretoria, que incluía Hunter Biden.

Um trabalhador de saúde coleta uma amostra de zaragatoa de uma residente para testar o vírus do PCC em Wuhan, China, em 15 de maio de 2020 (STR / AFP via Getty Images)
Um trabalhador de saúde coleta uma amostra de zaragatoa de uma residente para testar o vírus do PCC em Wuhan, China, em 15 de maio de 2020 (STR / AFP via Getty Images)

Vírus do PCC

Os oponentes de Trump acusaram o presidente de administrar mal o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus, por agir tarde demais. Isso, no entanto, é contrário aos eventos do início de 2020. Em 2 de fevereiro de 2020, a administração Trump proibiu todas as viagens para o exterior da China, a fonte do vírus PCC. A decisão foi tomada pelo presidente contra o conselho de alguns de seus principais assessores e superou as ações tomadas pela maioria das nações na época. Enquanto isso, oponentes na política e na mídia descreveram o movimento como xenófobo e uma reação exagerada. Em retrospectiva, a decisão provou ser extremamente valiosa para ajudar a desacelerar a propagação do vírus. À medida que o vírus se espalhava nos Estados Unidos, a administração Trump aumentou a capacidade de teste, coordenada com os governos estaduais para fornecer a assistência federal de que precisavam, ele usou a lei de produção de defesa para forçar as empresas a produzir equipamentos médicos essenciais, como respiradores, e forneceu bilhões de dólares em financiamento federal, além de facilitar as regulamentações federais para que grandes empresas farmacêuticas pressionassem pelo desenvolvimento de uma vacina.

Tropas chinesas marcham durante um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, em 1º de outubro de 2019 (Greg Baker / AFP via Getty Images)
Tropas chinesas marcham durante um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, em 1º de outubro de 2019 (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Interferência estrangeira

Seria correto dizer que Trump é o maior adversário da China comunista. O presidente quebrou uma política americana de décadas em relação à China que se baseava na crença de que, por meio de concessões e desenvolvimento econômico, a República Popular evoluiria de um regime totalitário para um país mais democrático. Na realidade, essa estratégia de apaziguamento resultou apenas em bilhões de dólares e centenas de milhares de empregos americanos indo para a China. E em vez de se tornar mais democrático, o regime chinês usou essa riqueza para promover sua ditadura, criando a tirania mais avançada tecnologicamente que o mundo já testemunhou. O PCC trabalhou consistentemente contra Trump durante sua presidência, tanto publicamente quanto nos bastidores. Pequim tem usado seus canais de propaganda interna e externa – muitas vezes contando com os próprios meios de comunicação dos Estados Unidos – para difamar Trump, chegando ao ponto de sugerir que o surto do vírus do PCC em Wuhan foi causado pelos militares dos EUA.

Uma viatura policial blindada em um cruzamento enquanto um prédio está pegando fogo devido aos incêndios causados ​​pelos manifestantes em Kenosha, Wisconsin, em 24 de agosto de 2020 (Brandon Bell / Getty Images)
Uma viatura policial blindada em um cruzamento enquanto um prédio está pegando fogo devido aos incêndios causados ​​pelos manifestantes em Kenosha, Wisconsin, em 24 de agosto de 2020 (Brandon Bell / Getty Images)

Black Lives Matter

Black Lives Matter (BLM) está por trás dos distúrbios que assolaram as cidades americanas durante grande parte deste ano. O grupo aproveitou as preocupações das pessoas sobre o racismo e as usou para justificar seu progresso em uma agenda marxista. Em um vídeo de 2015, a co-fundadora do BLM, Patrisse Cullors, descreveu a si mesma e a seus colegas fundadores como “marxistas treinados”. Como na Rússia, China, Cuba e Venezuela, marxistas treinados se apoderaram de causas justas para fazer avançar a agenda comunista. Muitos dos que passaram pela Revolução Cultural na China na década de 1960 comentaram que os distúrbios na América durante o verão, que incluíram a demolição de estátuas históricas, foram assustadoramente semelhantes. O resultado é um clima de caos e insegurança que atinge todo o país.

Extremistas da Antifa em Berkeley, Califórnia, em 27 de agosto de 2017 (Amy Osborne / AFP via Getty Images)
Extremistas da Antifa em Berkeley, Califórnia, em 27 de agosto de 2017 (Amy Osborne / AFP via Getty Images)

Antifa

Vestidos com roupas pretas, incluindo armadura, capacetes e máscaras, e treinados em agitação e combate básico, os extremistas da Antifa estiveram envolvidos em vários atos de violência durante a presidência de Trump. Em muitos casos, esses atos de violência, que envolvem o uso de armas, pedras e coquetéis molotov, foram dirigidos a agências de aplicação da lei e propriedades governamentais. Mas os membros da Antifa também atacaram diretamente cidadãos comuns desarmados porque simplesmente apóiam Trump. Vimos isso acontecer duas vezes em Washington, onde aqueles que se reuniram para apoiar Trump foram posteriormente atacados quando estavam sozinhos na cidade à noite. O uso de milícia pelo Antifa para intimidar e atacar fisicamente os cidadãos por suas crenças políticas cria um poderoso clima de medo e vai contra os valores americanos mais básicos.

Foto aérea do Washington Memorial com o Capitólio ao fundo em Washington D.C. nesta foto de arquivo (Andy Dunaway / USAF via Getty Images)
Foto aérea do Washington Memorial com o Capitólio ao fundo em Washington D.C. nesta foto de arquivo (Andy Dunaway / USAF via Getty Images)

Governo permanente

Embora Trump, como presidente, seja o líder do ramo executivo, quando assumiu o cargo, ele herdou um governo federal com centenas de milhares de funcionários. Não é segredo que muitos funcionários de carreira do governo dos Estados Unidos têm procurado ativamente minar ou mesmo trabalhar abertamente contra Trump. Muitos no governo foram levados por informações falsas publicadas pela mídia a acreditar que estão fazendo a coisa certa e que, trabalhando contra Trump, estão colocando os interesses do país em primeiro lugar. Na verdade, eles prestaram um péssimo serviço ao país, ao impedir que um presidente legitimamente eleito executasse a vontade do povo.

O conselheiro especial Robert Mueller discute a investigação sobre a interferência russa na eleição presidencial de 2016, no Departamento de Justiça dos EUA em Washington, DC, em 29 de maio de 2019 (MANDEL NGAN / AFP via Getty Images)
O conselheiro especial Robert Mueller discute a investigação sobre a interferência russa na eleição presidencial de 2016, no Departamento de Justiça dos EUA em Washington, DC, em 29 de maio de 2019 (MANDEL NGAN / AFP via Getty Images)

Investigação do Conselho Especial de Mueller

Após a demissão do diretor Comey do FBI, o procurador-geral assistente Rod Rosenstein designou o ex-diretor do FBI Robert Mueller para continuar a investigação do FBI sobre o suposto conluio Trump-Rússia. Mueller concluiu em um relatório final que não havia evidências de tal conluio. Mas isso só aconteceu depois de uma investigação de quase dois anos, que deu à mídia e aos oponentes políticos de Trump a liberdade de retratar Trump como um presidente ilegítimo por causa de sua suposta afiliação com a Rússia.

O presidente Donald Trump fala por telefone com o presidente russo Vladimir Putin no Salão Oval da Casa Branca em 28 de janeiro de 2017 (Drew Angerer / Getty Images)
O presidente Donald Trump fala por telefone com o presidente russo Vladimir Putin no Salão Oval da Casa Branca em 28 de janeiro de 2017 (Drew Angerer / Getty Images)

Vazamentos ilegais

Nos últimos quatro anos, o governo Trump foi atormentado por vazamentos de informações direcionados a prejudicar a presidência de Trump. Alguns desses vazamentos são de natureza criminosa, como o vazamento de transcrições das conversas de Trump com líderes estrangeiros – um crime grave. A funcionária do Tesouro Natalie Edwards foi considerada culpada de divulgar ilegalmente Relatórios de Atividades Suspeitas (SAR) sobre transações financeiras do ex-assessor de campanha de Trump, Paul Manafort, entre outros.

Eleitores cobrem as janelas para que os observadores não possam ver a área de contagem de votos no Centro TCF, onde as cédulas são contadas no centro de Detroit, 4 de novembro de 2020 (Seth Herald / AFP via Getty Images)
Eleitores cobrem as janelas para que os observadores não possam ver a área de contagem de votos no Centro TCF, onde as cédulas são contadas no centro de Detroit, 4 de novembro de 2020 (Seth Herald / AFP via Getty Images)

Fraude nas eleições de 2020

Após as eleições de 3 de novembro, surgiram dezenas de alegações confiáveis ​​de fraude eleitoral ou outros atos ilegais relacionados à contagem de votos. Dezenas de funcionários eleitorais em vários estados testemunharam em depoimentos – sob pena de perjúrio – detalhando irregularidades em como as cédulas eram contadas, como os trabalhadores foram instruídos a fazer mudanças ilegais nas cédulas, como eles falharam em observar adequadamente a contagem das cédulas, e como eles testemunharam o misterioso aparecimento de novas cédulas inesperadamente. A campanha de Trump e o Comitê Nacional Republicano lançaram uma série de ações judiciais para desafiar o processo. Eles argumentaram que somente na Pensilvânia, 600.000 cédulas deveriam ser invalidadas, já que os observadores eleitorais republicanos não puderam testemunhar o processamento das cédulas.

O presidente Donald Trump fala na Trump Tower na cidade de Nova Iorque em 15 de agosto de 2017 (Drew Angerer / Getty Images)
O presidente Donald Trump fala na Trump Tower na cidade de Nova Iorque em 15 de agosto de 2017 (Drew Angerer / Getty Images)

Narrativas fabricadas

O uso de narrativas fabricadas para atacar Trump tem sido predominante desde que ele se tornou presidente. Talvez o mais notável seja a afirmação de que Trump defendeu neonazistas em Charlottesville, Virgínia, quando na verdade ele disse que havia “gente muito boa de ambos os lados”, referindo-se a pessoas que “estavam lá para protestar contra a derrubada de uma estátua muito importante e a renomeação de um parque de RobertE. Lee para outro nome”. Trump acrescentou especificamente: “Não estou falando de neonazistas e nacionalistas brancos, porque eles deveriam ser totalmente condenados – mas havia muitas pessoas naquele grupo além de neonazistas e nacionalistas brancos”. No entanto, mesmo que isso esteja no registro público, Trump ainda seria questionado durante sua presidência, especialmente durante a temporada de eleições, se ele estava pronto para “falar contra a supremacia branca”, apesar de ter feito isso tantas vezes, mesmo antes de se tornar presidente.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas