Espanha e República Tcheca afirmam que testes rápidos do vírus do PCC vindos da China frequentemente falham

"Os testes rápidos, fabricados pela empresa chinesa Bioeasy"

Por Petr Svab

Os testes rápidos do vírus do PCC que foram importados da China geralmente não conseguem detectar o vírus com precisão, de acordo com profissionais médicos da Espanha e República Tcheca. Os testes falharam em 70-80 por cento dos casos.

O vírus do PCC, também conhecido como novo coronavírus, eclodiu na cidade de Wuhan, no centro da China, em novembro de 2019, e foi autorizado a se espalhar pela China e pelo mundo devido a um acobertamento e má gestão do Partido Comunista Chinês (PCC).

Alguns países, incluindo a República Tcheca e a Espanha, compraram centenas de milhares de testes da China que deveriam mostrar resultados em menos de 30 minutos, em oposição às várias horas necessárias para os testes regulares.

Mas os profissionais de saúde se queixaram de que os testes não são confiáveis.

“Os testes rápidos, fabricados pela empresa chinesa Bioeasy, com sede em Shenzhen, têm uma sensibilidade de 30%, quando deve ser superior a 80%”, relatou a lista espanhola El Pais, referindo-se a uma fonte que participou dos testes dos kits realizados em vários grandes hospitais espanhóis.

A embaixada chinesa na Espanha comentou ao El Pais que a Bioeasy não foi licenciado pelo regime chinês para vender os testes e não estava na lista de fornecedores que o Ministério do Comércio chinês havia dado à Espanha.

A Bioeasy não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

As autoridades tchecas ordenaram 300.000 dos testes rápidos por cerca de US $ 2 milhões. Pelo menos 150.000 dos kits de teste já chegaram. Eles vieram de Shenzhen, embora as autoridades não tenham divulgado o nome do fornecedor.

Os testes retornaram um resultado falso positivo ou falso negativo em cerca de 80% dos casos, informou a mídia tcheca, referindo-se a autoridades regionais de saúde.

“Infelizmente, a taxa de erro foi relativamente alta, por isso estamos aguardando resultados de mais testes em todo o país”, disse Pavla Svrcinova, oficial de saúde pública da região de Ostrava, no nordeste do pequeno país da Europa Central.

O Instituto Nacional de Saúde da República Tcheca alertou que os testes verificam a presença de anticorpos e, portanto, não conseguem detectar o vírus nos primeiros 5-7 dias de infecção, quando o paciente é mais infeccioso, mas ainda não os desenvolveu.

“Não é um teste de diagnóstico”, concluiu o instituto, segundo o site de notícias checo Seznam Zpravy.

O governo ainda pretende usar o teste como uma medida de apoio para rastrear pessoas que já apresentam sintomas da infecção há vários dias ou que estão terminando a quarentena de duas semanas.

O governo queria usar um terço dos testes para rastrear rapidamente seus policiais, militares, oficiais da alfândega e bombeiros. Não está claro se os testes ainda podem ser úteis para esse fim.

A República Tcheca é um dos países menos afetados, com cerca de 2.000 casos e nove mortos em 27 de março.

A Espanha, por outro lado, é uma das mais afetadas, com mais de 64.000 casos e quase 5.000 mortos.

Siga Petr no Twitter: @petrsvab

 
Matérias Relacionadas