Escritor australiano julgado por espionagem em Pequim defende sua inocência e denuncia tortura

Por Agência EFE

O escritor sino-australiano Yang Hengjun, que foi preso em 2019 na China e julgado na semana passada a portas fechadas acusado de espionagem, defendeu sua total inocência perante o juiz e denunciou que foi torturado, explicou ele em mensagem enviada a seus parentes,  enquanto espera por sua sentença.

O Tribunal Popular Intermediário nº 2 de Pequim adiou até uma data não especificada o anúncio da sentença contra Yang Hengjun, que poderia enfrentar a pena de morte por acusações de espionagem não especificadas pelas autoridades chinesas.

Após a audiência da última quinta-feira, Yang, um ex-funcionário do Ministério das Relações Exteriores da China, transmitiu uma mensagem a seus parentes e seguidores, à qual a imprensa australiana teve acesso, garantindo que ele é apenas um escritor que promove “o Estado de Direito, o democracia e liberdade ”.

O romancista de 56 anos explicou que se reuniu com o juiz na segunda-feira, antes da audiência, e fez um pedido para que os autos fossem excluídos de seu interrogatório por serem ilegais, já que foram obtidos sob “tortura” e com câmeras escondidas, de acordo com a carta acessada pelo Sydney Morning Herald.

Da mesma forma, Yang foi mantido em confinamento solitário por seis meses em 2019, uma forma de detenção informal sem representação legal habitual na China contra dissidentes e críticos , e a Austrália se queixou repetidamente das condições em que foi detido.

A defesa legal de Yang havia denunciado anteriormente que as autoridades chinesas o torturaram para forçar uma confissão e que ele foi detido por vários meses em um lugar desconhecido “sem ar fresco ou luz natural”, enquanto Pequim afirma que garante seus direitos e alertou a Austrália que respeita a sua soberania judicial.

O porta-voz do Itamaraty, Zhao Lijian, garantiu no ano passado que todos os direitos de Yang estavam garantidos, rejeitando as acusações de tortura, prática proibida no país asiático.

O tribunal que julgou Yang na semana passada negou acesso ao julgamento ao embaixador australiano na China, Graham Fletcher, que explicou que a desculpa usada pelo tribunal foi a situação de pandemia, enquanto  a embaixada havia informado anteriormente que a audiência seria a portas fechadas, pois foi um julgamento que incluiu questões de segurança nacional.

Yang, nascido na China e mais tarde obtido a nacionalidade australiana, estava residindo com sua família em Nova Iorque quando, no início de 2019, foi preso na cidade chinesa de Canton quando fazia uma escala a caminho da Austrália.

Além de Yang, a China mantém sob custódia o apresentador sino-australiano do canal de televisão estatal CGTN Cheng Lei, que deteve em agosto do ano passado e prendeu formalmente em março deste ano “por suspeita de fornecer segredos de Estado no exterior”.

Austrália e China vivem um momento difícil em suas relações, com tensões não só diplomáticas, mas também comerciais.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas