Escolas dos EUA enfrentam êxodo de professores em massa

Muitos professores “simplesmente não aguentam mais” e estão saindo devido aos grandes desafios relacionados à saúde mental

Por Autumn Spredemann 

Com o final do ano letivo à vista, um número gigante de educadores planeja fechar o livro de suas carreiras docentes.

Muito disso decorre de desafios comportamentais em sala de aula pós-pandemia com alunos e a escassez contínua de funcionários que criam cargas de trabalho excessivas para os professores.

Muitos educadores com 25 anos ou mais de carreira estão optando por se aposentar, mas ainda menos experientes estão se afastando e escolhendo carreiras diferentes.

Em fevereiro, a Associação Nacional de Educação (NEA) divulgou um estudo conduzido pela GBAO Strategies que revelou que surpreendentes 55% dos professores planejavam deixar sua profissão antes do previsto.

O NEA é o sindicato de professores mais proeminente dos Estados Unidos e representa 3 milhões de educadores.

A escassez generalizada de educadores é anterior à chegada da COVID-19, mas a pandemia também serviu como a gota d’água para muitos, iniciando a tendência de partida antecipada.

Um estudo da RAND, de janeiro de 2021, mostrou que quase um quarto dos entrevistados expressou o desejo de desistir após apenas um ano de ensino durante a pandemia.

Alunos e pais chegam mascarados para o primeiro dia do ano letivo na Grant Elementary School em Los Angeles, na Califórnia, em 16 de agosto de 2021 (Robyn Beck/AFP via Getty Images)
Alunos e pais chegam mascarados para o primeiro dia do ano letivo na Grant Elementary School em Los Angeles, na Califórnia, em 16 de agosto de 2021 (Robyn Beck/AFP via Getty Images)

A ​​taxa média de rotatividade nacional era de apenas 16% antes da COVID -19. No entanto, em 2021, esse número saltou para 25%.

Este ano, 80% dos membros da NEA relataram que as vagas de emprego não preenchidas nas escolas levaram a mais obrigações para os educadores que optaram por permanecer em sua profissão.

“Acho que as pessoas estão saindo porque é demais. É uma tempestade de fogo. Está tudo erodindo”, disse Heidi Rickard ao Epoch Times.

Rickard é educadora desde 1999. Depois de passar algum tempo ensinando em Colorado Springs, ela criou raízes no distrito escolar Alameda Unified, na área da baía de São Francisco.

Ela explicou que muitos professores veteranos “simplesmente não aguentam mais” e estão saindo devido, em parte, aos grandes desafios relacionados à saúde mental que os alunos trouxeram de volta à sala de aula após dois anos de ensino online.

“Como uma professora veterana, quando o melhor do meu melhor não está funcionando, isso é muito frustrante”, disse Rickard.

Dois anos de tempo excessivo de tela em casa e o desengajamento do aprendizado online deixaram os alunos com dificuldades, ficando para trás e à deriva em um mar de depressão.

A COVID-19 e suas restrições subsequentes criaram uma crise de saúde mental para os jovens, e que agora se manifesta como um comportamento agressivo ou excessivamente problemático na sala de aula.

Em outubro de 2021, a Academia Americana de Pediatria, a Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente e a Associação Hospitalar Infantil reconheceram que o declínio na saúde mental de crianças e adolescentes, causado pela pandemia, havia se tornado uma emergência nacional.

Estudantes caminham para suas salas de aula em uma escola pública de ensino médio em Los Angeles, na Califórnia, em 10 de setembro de 2021 (Robyn Beck/AFP via Getty Images)
Estudantes caminham para suas salas de aula em uma escola pública de ensino médio em Los Angeles, na Califórnia, em 10 de setembro de 2021 (Robyn Beck/AFP via Getty Images)

E a terrível escassez de conselheiros nos distritos escolares para ajudar os alunos aumentou isso.

Rickard observou: “Não tivemos um conselheiro durante todo o ano. Ninguém sequer se candidatou”.

Os resultados de um estudo sobre o papel dos conselheiros escolares do Departamento de Educação do Estado de Connecticut, da Associação de Conselheiros Escolares de Connecticut e do Centro de Pesquisa e Avaliação de Resultados de Aconselhamento Escolar da Universidade de Massachusetts Amherst revelaram que escolas com menos alunos e mais conselheiros tinham taxas mais baixas de suspensões de estudantes e ações disciplinares.

O ex-superintendente, educador e conselheiro escolar, Gary Marks, passou décadas trabalhando em escolas de Nebraska. Ele concordou que o aconselhamento dos alunos e o apoio aos professores em sala de aula atingiram um ponto crítico.

“Você precisa de muito mais conselheiros quando está tendo todos esses problemas de saúde mental”, disse Marks ao Epoch Times.

Por exemplo, ele apontou para onde seus netos estudam no distrito escolar de Farragut, no Tennessee, que tem apenas dois orientadores para cerca de 600 alunos.

Ele também acha que uma falta de respeito generalizada pelos educadores ressalta por que mais deles estão deixando seus empregos mais cedo e outros estão relutantes em se candidatar.

“A situação do respeito é simplesmente um problema gigante”, disse ele.

Marks foi sincero quando questionado sobre as dificuldades de contratação de novos talentos nas escolas. “Eu não sei agora, dada a forma como o mundo é, se eu estaria interessado em ser um professor de sala de aula”.

No entanto, a luta para manter os educadores existentes e contratar novos é apenas metade da batalha. Um novo relatório da Associação Americana de Faculdades para Educação de Professores indica que os estudantes universitários que buscam diplomas de ensino estão em declínio.

Em 2019, as faculdades dos EUA concederam menos de 90.000 diplomas de graduação em educação. Isso está abaixo dos quase 200.000 por ano na década de 1970. Só nos últimos 10 anos, o número de pessoas que completam os programas tradicionais de preparação de professores caiu 35%.

“Esta é uma crise alarmante”, disse a presidente da NEA, Becky Pringle.

Um dos obstáculos que os administradores enfrentam em meio à escassez de pessoal é um longo processo de certificação e treinamento, mesmo depois que graduados qualificados se candidatam para ensinar.

“Quero continuar ensinando – no entanto, estou sendo forçada a sair”, disse Lisa Carley Hotaling ao Epoch Times.

Tendo ensinado em Michigan e em Nova Iorque, Hotaling se viu em uma encruzilhada depois que ela conseguiu um emprego de professora na Califórnia como uma contratação de emergência no distrito escolar Alameda Unified.

Apesar de já ter um mestrado e mais de uma década de experiência em educação e sala de aula, ela ainda precisa fazer o California Basic Skills Test (CBEST) e voltar à escola especificamente para seu mestrado em educação para continuar ensinando.

“Isso só me dá uma credencial de um ano”, explicou Hotaling. “[Então] serei obrigada a voltar à escola para fazer o que já estou fazendo em sala de aula. Isso não faz sentido. E eu tenho que pagar por mais educação em cima disso?”

No ano passado, o Golden State eliminou a exigência do CBEST e do California Subject Matter Exams for Teachers (CSET) para obter uma credencial de ensino, desde que os candidatos concluam os cursos aprovados.

Um aluno faz um teste padronizado em uma foto de arquivo (SIAATH/Shutterstock)
Um aluno faz um teste padronizado em uma foto de arquivo (SIAATH/Shutterstock)

No entanto, alguns distritos ainda querem que seus educadores completem a triagem adicional, apesar da falta de educadores.

“É muito complicado preencher cargos”, disse Heather Dutton ao Epoch Times.

Dutton é instrutora de matemática há nove anos nas Escolas do Community Learning Center na área da Baía de São Francisco.

Ela explicou que muito tempo é gasto treinando um professor que pode sair se não for uma boa opção. Isso acontece com mais frequência com professores mais novos porque, segundo Dutton, os primeiros três anos são profundamente desafiadores.

“Me deparei com a COVID com sete anos de experiência de ensino. Se seus primeiros três anos infernais estiverem no topo de uma pandemia, isso acabará com você”, disse Dutton.

“Perdemos muitos professores antes da pandemia, talvez 30%. Mas se você começou no meio dessa pandemia horrível… as pessoas acham que é muito difícil e podem ser pagos tanto quanto, ou mais, fazendo outra coisa.”

E a falta de professores substitutos criou uma carga de trabalho desproporcionalmente alta para os educadores que permanecem.

“A falta de sub [professores] é terrível. Não tivemos substitutos o ano todo, acho que eles acabaram durante a COVID”, comentou Dutton.

Além disso, Rickard diz que a falta de substitutos torna quase impossível ficar fora por um dia.

“Me sinto culpado se tiver que tirar um dia de folga. Literalmente não tem ninguém que possa me cobrir. Deixa todo mundo em uma situação difícil.”

Dutton mencionou que nas escolas secundárias de seu distrito, apenas três professores retornariam no outono. O resto serão novas contratações.

“Se todos os veteranos desistirem, para onde iremos?” perguntou Rickard.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas