Entrevista com Juan Guaidó: “Nosso compromisso é acabar com essa tragédia que estamos vivendo”

"É um grande compromisso que assumimos com responsabilidade, entendendo o sofrimento do nosso povo, entendendo as aspirações que temos como sociedade, como venezuelanos, como aqueles que querem mudar o rumo de um país. Então, o importante é estar focado e pensar nas gerações futuras"

Por Voz da América

O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, disse à Voz da América que Nicolás Maduro não governa mais a nação em crise porque não consegue resolver os problemas que os venezuelanos enfrentam todos os dias.

Ele explicou que está comprometido com a Venezuela: “Nosso compromisso é encontrar a transição, para acabar com essa tragédia que os venezuelanos estão experimentando”.

VOA: Em primeiro lugar, neste fim de semana você estava falando sobre novas chamadas ou novos pedidos de cooperação internacional com o assunto tanto da China quanto dos Estados Unidos. Inclusive, você pediu a seu embaixador nos Estados Unidos, Carlos Vecchio, uma reunião com o chefe do Comando Sul. Em que essa reunião pode ajudar, o que você quer dizer com essa cooperação ou apoio estratégico do Comando Sul?

Juan Guaidó: Tem a ver com meios, com alternativas para a Venezuela. O que não podemos confundir e certamente nossos aliados o fazem, neste caso, os Estados Unidos, nem a Europa nem o Grupo de Lima, é confundir objetivos com alternativas, com meios, com veículos para alcançar os objetivos. Qual é o objetivo dos venezuelanos hoje e de nossos aliados também? Democracia, liberdade, causas justas, através de uma eleição realmente livre. Uma vez que a usurpação cesse e uma transição for construída, o que significa reinstitucionalização. Nesse sentido, os venezuelanos fizeram tudo e também nossos aliados em cooperação.

Lembremos da proteção dos bens, lembremos das sanções, lembremos também das grandes mobilizações não só em 2019, mas durante anos que nós, venezuelanos, fizemos por ter construído uma maioria no Parlamento. Todos esses foram meios para atingir um objetivo e é por isso que, às vezes, também dissemos “foi bom, mas ainda não conseguimos”, porque é claro que queremos viver com dignidade, o que queremos é viver com liberdade, o que queremos é vivendo bem em nosso país, não apenas sonhar com a volta da energia elétrica na Venezuela, tendo em vista que estamos neste momento sem eletricidade e sem água, meu Deus, em pleno século XXI, mas também que o venezuelano pode ter acesso comprar uma casa, comprar um veículo, estudar, imaginar que podemos ter isso na Venezuela (…) Diante desse quadro, quando falamos de cooperação internacional, exploramos todas as alternativas e todas as opções, como disse o próprio presidente Trump, que neste caso é preciso encontrar uma solução e nos orientarmos pelos objetivos.

VOA: Na mesma manifestação, na qual você fez esse anúncio, muitas pessoas gritavam o que na Venezuela é conhecido como artigo 187. É uma crença falsa ou pode ser interpretada como uma falsa promessa de que essa cooperação do Comando Sul pode vir na forma de apoio com tropas, apoio com militares?

JG: É uma alternativa. Mais uma vez, valeria a pena perguntar qual é a melhor alternativa. Eu disse no mesmo sábado que é melhor ser mais rápido. Por que mais rápido? Porque hoje nós, venezuelanos, estamos pagando um custo social muito elevado. Há sete milhões de venezuelanos em uma situação humanitária complexa, muito complexa. Só recentemente saiu uma matéria em um jornal europeu que revela a face de sete milhões, sete milhões em risco de morte, número esse confirmado, certamente, pelo Secretário Geral da ONU, (Antonio) Guterres.

Então temos quatro milhões de venezuelanos em migração. Então, quando dizemos isso, é porque temos que avaliar novamente todas essas alternativas com responsabilidade. O melhor é que foi hoje, o que aconteceu hoje. Isso seria o melhor, mas sabemos que para que isso aconteça, mais uma vez, chegamos a este momento em que construímos a maioria, onde o regime mostrou sua verdadeira face, enfraqueceu, ficou sem pessoas, não respeitou a Constituição, não é reconhecido pelo mundo , mas precisamos seguir em frente. Então, responsavelmente, instruímos Carlos Vecchio a explorar e também fazer um apelo através da mensagem tornada pública pelo almirante (Craig) Faller, agradeço-lhe por estar disposto, assim como estão dispostos nossos aliados a colaborar com uma solução para a crise venezuelana.

VOA: Quanto ao apelo feito à diplomacia chinesa para tentar encontrar uma solução pacífica para a crise venezuelana, mas através do Grupo de Contato. Que tanto interesse pode ter a China, que tem sido a principal tábua de salvação do Executivo venezuelano, com empréstimos no valor de 50 bilhões de dólares para apoiar a opção que você propõe e não continuar a apoiar o presidente em disputa Nicolás Maduro?

JG: Na verdade, o que eu disse foi que recebi com alegria a mensagem que o regime chinês transmitiu, porque o chanceler chinês e o porta-voz de Pequim se pronunciaram em favor de uma solução para a crise na Venezuela. Na última comunicação, eles disseram que seria bom se, através do Grupo de Contato, fosse possível alcançar essa solução.

Então, inclusive hoje a China, que em algum momento teria financiado, feito projetos com a Venezuela, certamente agora não empresta a Maduro um dólar sequer desde 2016, porque nunca foi aprovado pelo parlamento nacional. Eles sempre respeitaram o Parlamento e isso deve ser dito nesse sentido, então até hoje a China se pronuncia claramente em favor de uma solução.

VOA: A China tem medo de que eles não paguem o que devem?

JG: Eu acho que o problema com a China não é o medo de não ser paga. Sua economia apresenta um superávit bastante amplo. Eu acho que tem a ver com a palavra prometida, com o reconhecimento, é claro, de todos os contratos e alianças no futuro, eu acho que é mais por aí do que qualquer outra coisa.

VOA: Duas semanas já se passaram desde a insurreição militar na Base Aérea de La Carlota e houve muitas teorias que giraram em torno daquele dia. Você afirmou que algumas pessoas que se comprometeram a fazer algo no final não o fizeram. Você acha que também falharam com esse grupo ou não?

JG: Não, estamos comprometidos com a Venezuela, nosso compromisso é garantir a transição, para acabar com essa tragédia que nós venezuelanos estamos vivendo e para aquele grupo, para todos os venezuelanos, ainda estamos aqui, insistindo, e não vamos parar de fazer isso.

Devemos agora insistir em quão importantes são as Forças Armadas, porque independentemente de sua participação no final da usurpação, o que poderia facilitar o processo muito rapidamente, terá a ver com a transição e com reconstruir a Venezuela, porque independentemente do que acontecer hoje, teremos que exercer a soberania na Venezuela, porque hoje a situação na fronteira é muito complicada.

A penetração do ELN em solo venezuelano (…) Eu estive conversando há alguns dias com o presidente (Iván) Duque (da Colômbia) sobre isso e concluímos que a situação já chegou a um ponto muito grave, não só a extração de ouro, as operações abertas que eles fazem na construção civil de pistas de pouso clandestinas de decolagem para o tráfico de drogas, então as forças armadas devem ter, elas terão um papel no exercício da soberania na Venezuela. Então, nesse processo todo, é preciso falar com eles claramente.

VOA: Os militares estão sendo superestimados? Os militares na Venezuela são tão importantes assim a ponto de poder seguir em direção à alternativa que a oposição venezuelana desenhou?

JG: Sim, eles são fundamentais para o processo de cessação da usurpação, acredito que hoje é óbvio quem sustenta ou os poucos que ainda sustentam Maduro, tanto que os militares cubanos vigiam os militares venezuelanos como disse uma reportagem a quatro ou cinco dias.

É que eles estão trazendo militares para apoiar o processo de inteligência e novamente, encarando o processo de exercício de soberania e governança, segurança cidadã, segurança da soberania nacional é fundamental nesse processo.

VOA: Agora disseram que Vladimir Padrino López, que era o ministro da Defesa da Venezuela, estaria em negociações ou estava em negociações com você, que ele se dispôs a colaborar nessa insurreição, mas hoje ele é mostrado ao lado de Nicolás Maduro e continua a jurar lealdade. Ele não foi capaz de vender sua opção aos militares ou a anistia não é incentivo suficiente para que ele admita o rumo que foi traçado ou se irá por esse caminho?

JG: Nós não oferecemos nada para os militares, é importante dizer. Obviamente, há uma salvaguarda e uma garantia para o complexo processo que vivemos na Venezuela, que é uma ditadura e sabemos que existem grupos, não todas as Forças Armadas, existem grupos que sentem medo por suas garantias. Estamos dizendo que vamos respeitar o Estado de Direito. É claro que queremos fortalecer, reconstruir, renovar a segurança jurídica na Venezuela, dar garantias a todas as tropas e especialmente às Forças Armadas que hoje apoiam claramente uma parte dela a Nicolás Maduro Moros, que tem um papel neste processo e enfrentar novamente a transição e a reconstrução da Venezuela serão fundamentais.

VOA: Como você disse uma parte deles, você acha que a maioria está esperando por uma mudança na Venezuela, apesar de serem mostrados ao lado de Nicolás Maduro?

JG: Não, eu não penso assim, estou absolutamente certo de que a maioria do país e a maioria das Forças Armadas estão desesperadas, não apenas esperando, elas estão desesperadas para que haja uma mudança na Venezuela.

VOA: E se o exército não ceder? Os venezuelanos estarão condenados a continuar com Maduro durante os próximos anos, com Maduro ou quem quer que seja a nova figura do chavismo?

JG: Os venezuelanos têm muitas alternativas. Hoje o que não tem alternativa é o regime porque não tem como resolver o problema da água, luz, não tem como resolver o problema do transporte público, não tem como buscar financiamento porque ninguém confia neles, não tem o apoio e respeito dos cidadãos.

Nós venezuelanos temos um problema que é a ditadura representada por Nicolás Maduro e que tem milhares de problemas, aos milhares são contados os problemas da ditadura.

VOA: Por que Nicolás Maduro não caiu?

JG: Por querer preservar seus interesses e tentar gerar medo nos cidadãos. Vou dar um exemplo simples, hoje eles querem fechar o Parlamento Nacional, querem me sequestrar e a todos os líderes da oposição. Somos todos colocados em uma cela hoje e até os venezuelanos mais rebeldes e os que estão mais para a vanguarda, os jornalistas os fecham, censuram em todos os canais.

Amanhã Maduro não vai poder resolver um problema dos venezuelanos por um motivo simples, por uma simples razão.

VOA: Mas ele tem o poder…

JG: Mas não exerce, não governa, não resolve problemas, não serve ao cidadão, então o problema será quando venezuelanos vencerem. Queremos ganhar logo, queremos sair dessa situação já, não queremos apenas sonhar em recuperar nossos direitos fundamentais de viver, mas ter uma família e ter um lar e poder ter um carro e poder curtir com a nossa família (…) não estamos apenas fartos desta situação, mas nós construímos as capacidades, temos as alternativas de cooperação internacional, temos a divisão e queremos que as Forças Armadas se unam em torno da Constituição, e hoje temos um Maduro que enfraquece cada vez mais, inclusive sem aliados internacionais, é só uma questão de tempo até que a Venezuela celebre sua vitória, que é democracia e liberdade.

VOA: É claro que, dentre as alianças que temos, está a do Grupo de Lima que nos tem dado um grande apoio e que recentemente solicitou a Cuba que fizesse parte do diálogo para buscar soluções democráticas pacíficas. O que Cuba pode fazer em seu favor, quantas garantias podem ser dadas a Cuba para traçar uma rota para a Venezuela retornar à democracia? E, em outro caso, se Cuba está apoiando as forças armadas, qual é o interesse da solução da crise na Venezuela?

JG: Vamos ver, Cuba já dependeu muito do petróleo venezuelano. Nós cortamos essa remessa de petróleo para Cuba, entendendo que esse era o mecanismo de financiamento dessas forças militares ou de inteligência ou contrainteligência. Isso teve vários estágios. As sanções dos nossos aliados, a colaboração das empresas de transporte e então as remessas ficaram muito limitadas. Isso não foi suficiente, então o Grupo Lima está esgotando os esforços, entendendo que eles não são de boa fé, porque se eles estivessem de boa fé, isso já teria acontecido.

Eles não estariam mais suportando uma ditadura que ajudaram a construir, além disso, subornando com técnica, com mecanismo, com inteligência, com perseguição. O que nossos aliados estão lhe dizendo é para não se meter mais com a Venezuela, não é apenas um problema venezuelano, mas de toda a região e os venezuelanos querem decidir livremente, então não é um pedido, mas uma exigência dos países latino-americanos para que eles não fiquem se intrometendo na Venezuela.

VOA: Você acha que eles aceitarão isso toda vez que continuarem enviando, não apenas os militares que o próprio Nicolás Maduro disse durante um discurso, mas os acordos de cooperação que eles têm em outras áreas?

JG: Olha, nós não esperamos que seja de boa fé, tanto não esperamos que cortamos o suprimento de petróleo, pedimos ajuda de nossos aliados para tornar a medida efetiva, entre outras coisas. Nós denunciamos claramente a presença da Inteligência e da Contra-Inteligência. Não será de boa fé, estamos esgotando todos os caminhos para que isso aconteça, cortando o suprimento de petróleo, conversando com nossos aliados. O Grupo de Lima, que tem uma posição muito dura contra a ditadura, não se envolvem com a Venezuela, então acho que está claro. Mas também está claro que é um apoio, se removermos esse apoio, é claro, isso também ajudaria na transição.

VOA: A propósito, voltando à questão do levante militar de 30 de abril, você acha que o fracasso em atingir os objetivos de um grupo da população jogou contra sua liderança, que hoje as pessoas não o estão seguindo? Em outras palavras, um grupo da população está desapontado com a rota que você planejou. Por exemplo, temos visto concentrações cada vez mais escassas de cidadãos?

JG: Estamos há anos nesse processo. Eu podia contar com o movimento estudantil até esta data, mas já seria muito tempo, mas recentemente em 2014 até hoje o que fizemos é somar, é construir maiorias, ganhar legitimamente com votos mesmo que tenhamos uma ditadura e tentado anulado o Parlamento Nacional. Então não é que em 2019 houve grandes mobilizações, como vinha acontecendo em todos os estados. Em 2019 foram simultâneos em 50 lugares, 53, 93 (lugares), por dezenas, mas isso aconteceu em 2014, aconteceu em 2016 e 2017, também em 2019. Não deixará de ser assim para o venezuelano.

VOA: Mas você acha que sua popularidade ficou abalada?

JG: Esta não é uma questão de popularidade, essa é uma questão de direitos fundamentais e nós entramos e eu disse em 5 de janeiro, isso não é uma questão de Juan Guaidó, isso não é uma questão de partido político, isso não é um tema de um setor da sociedade, é uma questão venezuelana, um tema de vida ou morte, uma questão existencial para os venezuelanos, o que é bom porque é a maioria que quer mudar. Continuaremos a ser a maioria que quer mudar, temos o Parlamento Nacional, também temos apoio internacional, por isso, aqueles que acreditam que isto é uma questão de popularidade está longe de entender o verdadeiro funcionamento e penso que minha popularidade está absolutamente intacta.

VOA: Em 23 de fevereiro, quando a ajuda humanitária tentou entrar no país, houve um grupo de oficiais das Forças Armadas que cruzou para o lado colombiano apoiando você. Muitos deles consideram que foram negligenciados e não querem ser refugiados na Colômbia, mas sim uma espécie de força armada no exílio. Que opções estão sendo dadas aos soldados que estão na Colômbia hoje? Você tem conseguido se comunicar com eles? A Voz da América falou com alguns dos soldados que estão na Colômbia hoje e eles disseram que muitos deles ou alguns deles estão entregues à própria sorte neste momento.

JG: Não, existem 1.634 pessoas lá, das quais quase 900 são militares e outras são familiares dos militares que decidiram emigrar com suas famílias e ficar do lado da Constituição. Então, faz vários dias desde que isso aconteceu e o que temos visto são entre 104 e 110 que estão em um dos lugares onde possuem residência em Cúcuta, o que implica a manutenção que foi resolvida graças às fundações, graças ao governo colombiano, graças ao apoio de muitas pessoas, conseguimos ter essas autoridades lá.

O que estamos fazendo neste momento? Um acordo será assinado com a Colômbia para regularizar seu status migratório, para que eles possam até mesmo trabalhar enquanto a usurpação é combatida, o que esperamos que acabe logo, e eles também poderão obter comida e um abrigo e eu acho que os migrantes venezuelanos, dos quase quatro milhões, estão em situação muito semelhante, acho que estão entre os que temos melhor pelo que representam para as Forças Armadas.

VOA: A Colômbia está tranquila com 1.634 soldados que talvez não tenham neste momento o que fazer? Isso não está causando problemas com o governo de Ivan Duque, ter militares da Venezuela no território da Colômbia?

JG: Não, nós fizemos a lição de casa, como costuma se dizer, em um acordo com nosso amigo, o presidente Iván Duque, com esse acordo que estamos prestes a assinar para que, novamente, regulemos o status migratório, para que eles possam ter treinamento em algumas áreas de interesse para o país uma vez cessada a usurpação, onde terão mais atenção imediata, onde poderão ficar tranquilos de que poderão retornar aos seus empregos.

VOA: Vamos falar sobre a Rússia. Mike Pompeo vai se encontrar novamente com o chanceler Lavrov. Você tem algum conhecimento do que pode ser discutido em relação à Venezuela? A Rússia quer remar para o seu lado?

JG: A Rússia tem interesses legítimos na Venezuela. Essa é a primeira coisa que devemos dizer. Por que eu digo isso? Bem, porque eles têm acordos e alguns investimentos especialmente em campos de petróleo que foram legitimamente contratados.

O que fizemos com relação a isso? Que um governo que respeite o Estado de direito, que respeite nossa Constituição, que queira garantir a segurança jurídica das empresas, que haja muito investimento privado para reconstruir a economia do país, naturalmente respeitaremos todos os acordos legitimamente concedidos para a Venezuela. Isso inclui, claro, os acordos com a Rússia.

Eu acho que já está claro como cristal. Se tem alguém atualmente que sabe que Maduro não garante nada, que ele não protege ninguém, são justamente os investidores. Como o caso das empresas russas na Venezuela. Hoje há 60 por cento de contração do PIB, 2 milhões e 300 mil por cento de inflação que está prevista alcançar 10 milhões, 6 dólares por mês o salário mínimo venezuelano, 4 milhões do fluxo migratório, é cada vez mais difícil conseguir um técnico especializado em diferentes áreas na Venezuela. Maduro destruiu todo o aparato econômico, que inclui o petroleiro.

Portanto, não tenho dúvidas de que posso até facilitar o processo.

VOA: Mas, eles disseram muitas vezes que temem uma intervenção e que não concordam com isso.

JG: Essa é a opinião da Rússia e nós respeitamos a sua opinião.

VOA: Você fala da cessação da usurpação como uma das três metas que você traçou. E se a usurpação não acabar este ano? Se você continuar como presidente interino no ano que vem e a Assembleia for trocada? Qual você acha que será seu destino, o exílio, a prisão ou continuar fazendo oposição, continuar sendo presidente interino?

JG: Eu, há muito tempo atrás, decidi que dedicaria minha vida ao serviço público. Eu faço isso desde que estou na faculdade. Desde que formamos um centro estudantil, desde que decidimos colaborar em nosso ambiente, para facilitar que nosso povo vivesse melhor, primeiro em nossa universidade, nosso corpo docente, em nossa comunidade e hoje na Venezuela. Isso não mudou, muito menos agora que tenho um grande compromisso.

VOA: Você tem medo da prisão caso isso não seja resolvido neste ano?

JG: Eu já fui sequestrado duas vezes por esse regime, duas vezes. Temo que minha filha acredite que é normal viver sem sair de casa, sem poder ter amigos, porque eles deixaram o país, sem poder abraçar sua família porque eles não estão, sem poder ter uma vida de sonho daqueles sonhos realizados em seu país. Esse é o meu medo, não o risco latente que existe, claro, de prisão e até mesmo risco de perder a vida.

VOA: Você está me sinalizando que temos pouco tempo, mas eu não gostaria de encerrar sem fazer umas últimas perguntas. No caso de ocorrer a eventual transição, existem peças maduristas, peças chavistas que estão dispostas a formar um governo com você ou, ao contrário, você pensa em chamar os maduristas e chavistas?

JG: Eu acho que isso se tornou cada vez mais óbvio. Só para lembrar de alguns nomes que se sobressaíram de dois anos pra cá: Luisa Ortega Díaz, Miguel Rodríguez Torres.

VOA: Ativos neste momento.

JG: Hugo Carvajal, o general de divisão Cristopher Figuera, o general da aviação que tinha uma empresa mista em Cuba (Ramón Rangel). Cada vez mais as vozes mais dissidentes do chavismo agora são chamadas de “críticas”. Estou falando de dois anos para cá. Poderíamos fazer uma retrospectiva maior desde o começo do chavismo.

Eu me encontrei pessoalmente com ministros que vêm do que eles chamam de chavismo crítico, isto no entendimento de que todos somos necessários na sociedade. Nós não poderíamos negar uma parte do país que existe, que existirá e que está lá. Pelo contrário, deve haver garantia de democracia, de participação, desde que não haja violações de direitos humanos.

VOA: A propósito, as palavras “Anistia e Reconciliação” causam ardor em alguns setores da sociedade. Você acredita que esta anistia e reconciliação podem quebrar a justiça, isto é, que não há justiça para as pessoas que colaboram com a restauração da democracia, isto é, as pessoas que colaboram, mas que foram denunciadas por outros tipos de crimes, seja de lesa humanidade ou outros crimes?

JG: Não é reconciliação se não houver justiça, não existe paz sem justiça. Nós já dissemos isso sempre. A única coisa que não merece anistia ou que não pode gerar garantias é justamente a violação dos direitos humanos, os crimes contra a humanidade.

VOA: Eu perguntei qual será o seu destino se a usurpação não acabar este ano. Eu não sei se este ano, mas estamos ansiosos em saber qual será o destino de Nicolás Maduro, atual presidente na disputa da Venezuela, se será preso, exilado ou se ficará do lado da oposição?

JG: Maduro tem atuado como um ditador.

VOA: Um ditador merece prisão ou merece o exílio?

JG: A Venezuela merece justiça, a Venezuela merece a paz, merece liberdade, prosperidade, progresso. Tem havido muitos casos como este no mundo, podemos falar de Pinochet ou Marcos Pérez Jiménez, podemos falar sobre alguns outros. Então, o melhor destino é para a Venezuela, concentrar isso em um único homem, em uma pessoa, é um passo atrás em direção ao objetivo e aos meios.

VOA: O destino de Maduro não está definido neste momento? No caso de acabar o que você qualifica como usurpação?

JG: O (destino) da Venezuela está definido, e é um destino de liberdade e democracia.

VOA: Na Venezuela, ouve-se que o maior pecado de um político é não aspirar. Você aspira à presidência da Venezuela ao terminar o governo de transição, participando de eleições para aspirar à presidência formalmente?

JG: Eu aspiro a servir meu país sempre e que meus atos e minhas ações levem à reconstrução de um país. Falar neste momento de candidaturas, quando temos que trabalhar pela cessação da usurpação, para construir a transição, para reinstitucionalizar o país, acho que seria forte, o que posso dizer é que a oposição apresentará um candidato.

VOA: Você tem uma família, você tem apenas 35 anos de idade. Quanto pesa ser o presidente interino com apenas 35 anos de idade?

JG: É um grande compromisso que assumimos com responsabilidade, entendendo o sofrimento do nosso povo, entendendo as aspirações que temos como sociedade, como venezuelanos, como aqueles que querem mudar o rumo de um país. Então, o importante é estar focado e pensar nas gerações futuras.

VOA: Há disposição para oferecer tropas para a Venezuela, isto é, quando todas as opções estão sobre a mesa, é só um blefe, ou realmente todas as opções estão sobre a mesa, incluindo apoio militar?

JG: Isso seria responder por outro país, mas ouvimos o presidente Lenin Moreno, do Equador, falar sobre a doutrina de Roldós. Escutamos o presidente Trump falando sobre todas as opções em discussão, isto é, as opções, as alternativas que ouvimos diretamente dos presidentes aliados.

VOA: Muito obrigado por ter participado desta conversa conosco.

JG: Foi um prazer.

 
Matérias Relacionadas