Enquanto Xi samba para reter o poder, PCC revela plano ‘Visão 2035’

Por Nicole Hao

O Partido Comunista Chinês (PCC) realizou sua reunião política mais importante do ano em 26 de outubro para discutir suas políticas econômicas.

A mídia estatal noticiou que altos funcionários do Partido elaborariam um plano econômico e de desenvolvimento de cinco anos e apresentariam um novo plano de 15 anos, denominado Visão 2035, durante a reunião de 26-29 de outubro.

Oficialmente conhecida como a quinta sessão plenária, ela geralmente conta com a participação dos 202 membros e 168 membros suplentes do Comitê Central da elite do PCC.

Os analistas da China dizem que o líder do partido, Xi Jinping, está tentando solidificar seu poder por meio da reunião, enquanto os cidadãos comuns, que tentaram apresentar suas queixas às autoridades de Pequim, foram rapidamente silenciados.

Planos econômicos

A mídia estatal Xinhua publicou um parágrafo em 26 de outubro declarando que o plano de cinco anos e a Visão 2035 estavam sendo redigidos. Enquanto nem o regime chinês nem a mídia estatal relataram quaisquer outros detalhes, Xi antecipou algumas das prioridades do Partido durante a reunião do Politburo em 22 de outubro.

“O complicado ambiente internacional trouxe novos conflitos e desafios”, portanto, “devemos promover o desenvolvimento de alta qualidade durante o décimo quarto plano de cinco anos e nos concentrar na construção de um novo padrão de desenvolvimento com a circulação econômica doméstica como o corpo principal e a dupla circulação nacional-internacional como complemento”, disse Xi.

O líder chinês Xi Jinping (à esquerda) e o primeiro-ministro Li Keqiang cantam o hino nacional em uma cerimônia que marca o 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coréia, no Grande Salão do Povo, em Pequim, China, em 23 de outubro de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)
O líder chinês Xi Jinping (à esquerda) e o primeiro-ministro Li Keqiang cantam o hino nacional em uma cerimônia que marca o 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coreia, no Grande Salão do Povo, em Pequim, China, em 23 de outubro de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)

Em meio a uma recessão econômica, devido à pandemia de COVID-19 e ao aumento das sanções às empresas chinesas, o PCC começou a promover o conceito de “circulação econômica nacional” em julho, o que significa que as cadeias de abastecimento doméstico deverão produzir todos os bens que os consumidores chineses desejam comprar.

Os planos econômicos são provavelmente as tentativas de Xi de “resolver os problemas políticos e econômicos dentro do regime do PCC”, observando que o plano Visão 2035 sugere que Xi deseja permanecer no poder, pelo menos, até então, disse o comentarista da Negócios da China com base nos Estados Unidos Tang Jingyuan.

Outro comentarista baseado nos Estados Unidos, Chen Pokong, disse o mesmo em seu canal no YouTube: “Usando o plano econômico, Xi expressou seu propósito de governar o país por mais 15 anos”.

Em 2018, o Partido alterou sua constituição e removeu o limite de dois mandatos que restringia o mandato de seu líder, abrindo caminho para que Xi governasse legitimamente sem limite de mandato.

Algumas pessoas criticaram indiretamente o plano de “circulação econômica” de Pequim.

Em 24 de outubro, o vice-presidente chinês Wang Qishan fez um discurso na Segunda Cúpula do Bund em Xangai, exortando: “A China não deve seguir o caminho da auto-circulação que está cheio de bolhas financeiras. A China não deve se desviar dos esquemas Ponzi”.

Wang instou o país a desenvolver a economia real (elementos não financeiros da economia, como manufatura, indústria de serviços, construção).

“Sem uma economia real, o setor financeiro seria como água sem fonte ou uma árvore que perdeu suas raízes”, disse ele.

Na mesma cúpula, o ex-CEO do Alibaba, Jack Ma, reclamou em seu discurso que a China tinha “muitas proibições e limitações com poucas políticas” e que as autoridades estavam “usando medidas antigas para controlar estritamente os desenvolvimentos atuais”.

O líder da China Xi Jinping (à esquerda) se levanta enquanto Wang Qishan (à direita), ex-secretário da Comissão Central de Inspeção Disciplinar, chega à primeira sessão do PCC no 13º Congresso Nacional do Povo, em Pequim, em 17 de março de 2018 (GREG BAKER / AFP por meio do Getty Images)
O líder da China Xi Jinping (à esquerda) se levanta enquanto Wang Qishan (à direita), ex-secretário da Comissão Central de Inspeção Disciplinar, chega à primeira sessão do PCC no 13º Congresso Nacional do Povo, em Pequim, em 17 de março de 2018 (GREG BAKER / AFP por meio do Getty Images)

Lutas políticas internas

Antes e durante a quinta sessão plenária, Xi também substituiu alguns altos funcionários, indicando que pretende expurgar aqueles que não lhe são leais.

Em 27 de outubro, autoridades da região da Mongólia Interior da China anunciaram que quatro altos funcionários estavam sob investigação por acusações de corrupção. No mesmo dia, o gabinete do procurador-geral da China também anunciou que o diretor do quinto escritório na Mongólia Interior estava sendo julgado por crimes de suborno.

Em 20 de outubro, duas grandes mídias estatais do PCC, o Diário do Povo e a Xinhua, anunciaram que seus editores seriam substituídos pelos diretores editoriais da mídia.

Este ano, o Partido substituiu 13 de seus líderes provinciais. Seis funcionários conhecidos por sua lealdade a Xi foram promovidos ao cargo de chefe do partido. Por exemplo, o ex-prefeito de Xangai Ying Yong foi promovido a chefe do Partido da Província de Hubei em fevereiro.

Tang acredita que Xi está tentando colocar funcionários leais em posições de alto nível antes do 20º Congresso Nacional do Partido, que deve ser realizado em outubro de 2022. A reunião é realizada a cada cinco anos para determinar sucessores dentro da liderança central do partido.

“Xi quer garantir que ele possa manter sua posição como líder do regime, promovendo seus apoiadores. Portanto, ele está aproveitando todas as oportunidades para substituir oficiais leais a outras facções do PCC ”, disse Tang.

Um policial paramilitar monta guarda em Pequim em 1º de maio de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)
Um policial paramilitar monta guarda em Pequim em 1º de maio de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)

Pessoas silenciadas

As autoridades acompanharam de perto os dissidentes antes da quinta sessão plenária.

Um peticionário, que não pertencia à agência governamental mais elevada do país que recebe recursos públicos, a Administração Nacional de Reclamações e Propostas Públicas (NPCPA), testemunhou uma tentativa de suicídio de outro manifestante depois de as autoridades se recusarem a ajudá-lo.

“Um grande número de peticionários está [em frente ao NPCPA] hoje, e muitos policiais tentaram nos prender”, disse o peticionário ao Epoch Times em uma entrevista por telefone.

Ele disse que o homem de 60 anos estava muito emocionado e comentou que o homem de repente puxou uma faca para cortar seus pulsos.

“Os policiais da cidade natal do peticionário levaram-no ao NPCPA, mas não chamaram uma ambulância”, disse a testemunha. “A polícia no local não nos permitiu tirar fotos ou fazer vídeos”.

O destino do homem é desconhecido.

Peticionários de todo o país, incluindo peticionários de Sichuan, Hubei e Xangai, disseram ao Epoch Times que viajaram a Pequim para apelar semanas antes do congresso. Mas as autoridades os enviaram de volta aos seus locais de origem antes do início das sessões.

Ni Yulan, uma dissidente e advogada de direitos humanos baseada em Pequim, disse ao Epoch Times que seu marido de 70 anos foi detido em uma delegacia local por mais de 24 horas em 24 de outubro. Dois dias depois, a polícia tentou prendê-la.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas