Encontradas no Egito estatuetas de bronze e terracota em zona industrial de 2000 anos atrás

Figuras de terracota do Deus Bes, moedas, acessórios domésticos e construções estão entre os achados
Uma zona greco-romana descoberta nas cercanias do Canal de Suez no Egito (Nevine El-Aref)

Na quinta-feira 25 de abril, pesquisadores encontraram no sítio arqueológico Tell Abu-Seifi, a leste do Canal de Suez no Egito, figuras de bronze e terracota, moedas, acessórios domésticos e construções que poderiam corresponder a uma zona industrial do período greco-romano.

Talhares de barro, estatuetas de bronze, vasos, potes e panelas estão entre os achados de uma escavação realizada pelo Ministério do Estado para as Antiguidades (MSA) do Egito, informou a mídia Ahram.

Próximo a eles foram encontrados uma série de prédios administrativos, galerias comerciais e até uma área residencial completa. Destacam-se também uma série de ânforas importadas da Itália.

“É uma descoberta muito importante, que ressalta a relação econômica e comercial entre o Egito e os países vizinhos no Mar Mediterrâneo”, disse Mohamed Ibrahim, o ministro do MSA, à mídia Ahram.

De acordo com Ibrahim, esses objetos e estruturas encontrados dão uma imagem bastante completa da vida cotidiana dos egípcios.

Também foram descobertos na região uma coleção de moedas de bronze da época dos reis Ptolomeu II e IV e estatuetas de terracota (argila), que incluem estátuas de Bes, o deus da guerra.

De acordo com dados literários, a imagem do Deus Bes estaria geralmente nas casas dos egípcios como um símbolo protetor pronto a defender as pessoas de várias maneiras. Apelava-se a ele pelo cuidado das crianças, nos trabalhos de parte, pela fertilidade e contra cobras ou maus espíritos.

Um artefato da zona greco-romana descoberta em Tell Abu-Seifi, a leste do Egito (Nevine El-Aref)

A descoberta de um registro romano proporcionou aos antropólogos egípcios informação muito detalhada sobre a importância militar de Tell Abu-Seifi para o país e sobre as divisões do exército nesta área.

Segundo o ministro, Tell Abu-Seifi foi um dos sítios históricos mais importantes do aspecto militar egípcio e está no ramo Al-Bilozi do Nilo. Ali se encontram três fortes militares da época da dinastia ptolomaica e romana.

A dinastia ptolomaica governou o Egito durante o período helenístico, a partir da morte de Alexandre, o Grande, até 30 a.C. Ela foi fundada por Ptolomeu I Soter, um general de Alexandre, e se caracterizou por adotar costumes egípcios. Seu último governante foi a famosa Cleópatra.

O sítio arqueológico de Tell Abu-Seifi é o portão oriental do Egito, onde antes havia um grande estabelecimento militar, confirmou Abdel Maqsood à mídia Ahram, em entrevista por telefone.

Uma gravura mostra como os soldados eram divididos e distribuídos em diferentes locais na fortaleza, explicou Maqsood.

As novas descobertas ocorreram durante escavações ao longo do Rio Nilo, em seu ramo Belozi, que hoje não mais inexiste. Segundo o artigo da Ahram, os arqueólogos tentam reencontrar a antiga estrada militar de Horus, usada uma vez pelo Rei Ahmose para expulsar os hicsos.

Os arqueólogos definem os hicsos como a 15ª dinastia governante do Egito, embora de origem estrangeira.

Segundo algumas versões, eles são descritos como uma mistura de povos asiáticos, a julgar por seus nomes registrados, como Khyan e Sakir Har, e pela cerâmica similar à encontrada no que hoje é a Palestina.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas.

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas