Encobrimento pandêmico lança luz sobre padrão deceptivo de Pequim, afirma relatório

Por Eva Fu

O fracasso da China ao conter o vírus do PCC expôs a natureza enganosa do regime ao mundo e demonstrou que ele pode trazer consequências mortais, de acordo com um relatório de um grupo de ética médica divulgado em 5 de maio.

O manuseio incorreto do vírus, que surgiu pela primeira vez na cidade central de Wuhan, na China, é consistente com as táticas adotadas no passado pelo Partido Comunista Chinês (PCC): negar, ocultar, propagar desinformação e depois aproveitar os ganhos, disse um grupo de ética baseado nos EUA, Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH), chamando essas ações de “protocolo de engano”.

Esse padrão se repetiu nas últimas décadas, com o regime chinês cometendo violações dos direitos humanos e a comunidade internacional assistindo.

Durante essa pandemia, “as ramificações das ações do PCC, em relação ao vírus, estão sendo testemunhadas em todos os cantos do mundo”, segundo o relatório.

“A história se repetiu com o COVID-19, mas [com] consequências muito maiores e muito mais sérias”, disse o vice-diretor da DAFOH, Rob Gray, no evento de lançamento virtual do relatório na terça-feira.

Dois vírus

Li Wenliang, o oftalmologista repreendido pela polícia por “boatos” após ter postado nas mídias sociais sobre o vírus, foi apenas o mais recente denunciante alvo da censura draconiana de Pequim, observou o relatório. Li contraiu o vírus de um paciente que ele estava tratando e depois morreu.

Assim como na crise atual, as autoridades chinesas ocultaram informações durante as primeiras semanas do surto de SARS (síndrome respiratória aguda grave) em 2002 e não alertaram o público por meses. O destacado cirurgião militar chinês Jiang Yanyong cumpriu 45 dias de prisão por suas tentativas de divulgar o encobrimento das autoridades. Após o surto que se espalhou para dezenas de países, a Organização Mundial da Saúde atualizou o Regulamento Sanitário Internacional para fortalecer a comunicação de riscos à saúde e exigir que os países notifiquem a agência das Nações Unidas sobre qualquer emergência de saúde pública.

Jiang, que recebeu o prêmio Ramon Magsaysay por sua franqueza, enfrentou assédio contínuo das autoridades chinesas ao longo dos anos. Agora com 88 anos, ele permanece preso desde abril de 2019, depois de escrever às autoridades pedindo uma “reavaliação” dos protestos pró-democracia da Praça da Paz Celestial de 1989, que o regime esmagou com tanques e armas.

“Parece que falar contra a narrativa do PCC durante os estágios iniciais de um surto epidêmico ou pandêmico é uma sentença de prisão perpétua, de uma forma ou de outra”, afirmou o relatório.

Abusos médicos

Negações e enganações sistemáticas semelhantes ocorreram no campo médico da China nas últimas duas décadas e podem causar mais danos se isso continuar inabalável, segundo o relatório.

Desde 2006, surgiram relatórios alegando que o regime chinês estava extraindo órgãos de prisioneiros de consciência para realizar cirurgias de transplante com fins lucrativos.

Em junho passado, um tribunal independente com sede em Londres concluiu, após revisar evidências escritas e testemunhos, que tais práticas sancionadas pelo Estado ocorrem há anos “em escala significativa” – uma ação “indicativa” de genocídio.

O tribunal determinou que a principal fonte de órgãos vem de praticantes encarcerados da prática espiritual do Falun Gong, que estão sob severa perseguição em todo o país desde 1999.

Adnan Sharif, secretário do DAFOH, também destacou as notícias recentes de dois pacientes idosos infectados com o vírus na China que receberam transplantes de pulmão.

“O que o PCC realmente queria mostrar era o brilho científico de ser o primeiro país a fazer transplantes de pulmão nesse cenário, mas o que ele está fazendo de fato é … levantando mais perguntas sobre as fontes dos órgãos”, disse ele no evento de terça-feira, chamando a atenção para os curtos períodos de espera – três dias – para encontrar os órgãos correspondentes para os pacientes idosos.

Desde 2015, o regime chinês afirma que todos os transplantes de órgãos são realizados com órgãos coletados por meio de um sistema de doação voluntária. Mas um estudo de 2019 da BMC Medical Ethics descobriu que o regime chinês provavelmente falsificou seus dados de doação de órgãos usando uma função quadrática. Foi apenas mais um exemplo da manobra de dados do regime, disse Shariff.

Duas crianças usando máscaras descansam durante sua visita à Grande Muralha da China, em Pequim, em 18 de abril de 2020 (Wang Zhao / AFP via Getty Images)
Duas crianças usando máscaras descansam durante sua visita à Grande Muralha da China, em Pequim, em 18 de abril de 2020 (Wang Zhao / AFP via Getty Images)

Advertência contra o silêncio

O DAFOH disse que o silêncio diante de tais tragédias de direitos humanos – que por si só é uma forma de negação – tem suas conseqüências: a prisão em massa de uigures na região noroeste da China, em Xinjiang bem como a perseguição ao Falun Gong; a abrangente tecnologia de vigilância da China que está se expandindo no exterior; e dados falsos publicados durante o surto atual, observou o relatório.

Modelos estatísticos, relatos de testemunhas oculares e documentos vazados obtidos pelo Epoch Times mostraram que as autoridades chinesas estão subnotificando infecções e mortes pelo vírus.

Ao falhar na contenção do vírus dentro de suas fronteiras, o regime chinês tentou se reformular como líder global em saúde, exportando suprimentos médicos abaixo do padrão para os países enquanto realizava uma campanha agressiva de desinformação nas mídias sociais e na mídia estatal chinesa para desviar a culpa.

“A natureza, a intenção e as ações do PCC não devem mais continuar sem interrupção”, afirmou o relatório. “O PCC é o maior e mais grave vírus de todos”, disse o documento, citando um discurso de Chen Guangcheng, um advogado chinês cego dos direitos humanos que fugiu para os Estados Unidos em 2012 em meio à vigilância das autoridades.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Como o Epoch Times é diferente de outras mídias?

O Epoch Times é a mídia independente que mais cresce na América. Somos diferentes de outras organizações de mídia porque não somos influenciados por nenhum governo, corporação ou partido político. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e ser responsáveis ​​perante o público. Não seguimos a tendência doentia no ambiente de mídia atual do jornalismo orientado a agendas e, em vez disso, usamos nossos princípios de Verdade e Tradição como nossa luz guia.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia em funcionamento.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas