Empresas estrangeiras devem seguir as ordens de Pequim, de acordo com a nova lei chinesa

Por Nicole Hao

A China aprovou uma nova lei que instrui todas as pessoas e empresas na China a seguir as sanções que o regime lançou contra seus homólogos estrangeiros, mas o partido não têm que cumprir as restrições estrangeiras.

Além disso, a lei entrou em vigor em 10 de junho, quando a legislatura fantoche do regime a aprovou sem uma terceira leitura, o que é um pré-requisito da Lei Legislativa da China.

“O conteúdo da lei é muito perverso, na minha opinião. Ela ordena que os cidadãos estrangeiros ajam contra sua própria pátria e sejam leais ao Partido Comunista Chinês [PCC] ”, disse Tang Jingyuan, um comentarista de assuntos chineses baseado nos EUA, em uma entrevista por telefone ao Epoch Times.

“O momento é fundamental. O PCC aprovou a lei logo depois que o presidente Joe Biden iniciou sua viagem à Europa . Biden falará com líderes europeus sobre a investigação da origem do vírus do PCC, que provavelmente vazou do laboratório de Wuhan ”, disse Li Hengqing, acadêmico do Instituto de Informação e Estratégia de Washington, ao Epoch Times em 10 de junho.

Li acredita que o vírus do PCC , comumente conhecido como o novo coronavírus, vazou do Instituto de Virologia de Wuhan. Assim que esse fato for verificado pelo mundo, outros países responsabilizarão o regime do PCC, disse Li.

Nova lei

Em 10 de junho, a legislatura fantoche da China  aprovou e lançou a “Lei de Sanções Estrangeiras”.

A lei exige que todas as pessoas e organizações na China, independentemente de sua cidadania ou status de registro, executem as sanções lançadas pelo regime de Pequim.

Além disso, a cláusula 12 da lei declara: “Nenhuma organização ou indivíduo pode aplicar ou ajudar a aplicar as medidas restritivas discriminatórias que países estrangeiros usam contra cidadãos e organizações chinesas … Cidadãos ou organizações chinesas podem entrar com uma ação judicial contra entidades estrangeiras [que estão cumprindo com as sanções impostas pelo estrangeiro], e pedir-lhes que parem com a infração e paguem uma compensação pelas perdas [chinesas] ”.

Os Buick Excelles estão em exibição durante a cerimônia de abertura da fábrica de veículos Jinqiao South da Shanghai General Motors Corp. em Xangai, China, em 28 de maio de 2005 (China Photos / Getty Images)

Retaliação

Em retaliação às penalidades impostas por estrangeiros, a lei visa infratores estrangeiros e seus familiares imediatos, gerentes e diretores de empresas, bem como outros indivíduos e organizações relacionadas.

Os métodos de punição para infrações sob a nova lei incluem a negação ou revogação de vistos, o confisco de propriedades e ativos e a proibição de atividades comerciais.

“Este ano, a China lançou contramedidas correspondentes às entidades e indivíduos de países relevantes, em oposição à hegemonia ocidental e política de poder”, disse Wang Wenbin , porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em um comunicado à imprensa em 10 de junho.

Wang disse claramente que a lei é uma ferramenta legal para retaliar as sanções estrangeiras.

Quando questionado se a lei afetaria as relações diplomáticas com outros países, Wang disse: “Essa preocupação é completamente desnecessária”.

Nos últimos meses, os Estados Unidos, a União Europeia, o Canadá e o Reino Unido impuseram sanções às autoridades chinesas, acusando-as de graves abusos dos direitos humanos de uigures em Xinjiang e destruir a autonomia de Hong Kong.

Em 12 de maio, o governo dos Estados Unidos anunciou sanções contra um oficial do PCC por perseguir o Falun Gong, com a aproximação do 22º aniversário da repressão brutal desta prática espiritual pelo regime de Pequim.

Até o momento, o governo dos Estados Unidos impôs sanções a cerca de 45 funcionários chineses, incluindo os 14 vice-presidentes da comissão permanente do Poder Legislativo. Enquanto isso, Washington também colocou na lista negra empresas chinesas incapazes de comprar tecnologia americana, como a maior fabricante de telecomunicações da China, Huawei , que violou as sanções dos EUA contra o Irã.

O regime chinês começou sua retaliação no início deste ano. Em 21 de janeiro, o regime proibiu 28 americanos e seus familiares imediatos de visitarem a China continental e Hong Kong.

O líder chinês Xi Jinping (segunda linha C) e legisladores defendem o hino durante a sessão de encerramento da conferência legislativa fantoche no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 11 de março de 2021 (Kevin Frayer / Getty Images)

Consequências

“A Lei de Sanções Anti-Estrangeiras recentemente lançada é uma retaliação abrangente contra os Estados Unidos e outros países desenvolvidos. Ela abrange todos os indivíduos e organizações e ameaça confiscar suas propriedades se eles ignorarem o regime de Pequim ”, disse Tang ao Epoch Times.

Tang está preocupado com o fato de o PCC exigir que empresas estrangeiras comprem produtos que exigem trabalho forçado, como a compra de algodão de Xinjiang, e que vendam tecnologia americana para empresas chinesas, como a venda de chips semicondutores para a Huawei.

“Vejo os riscos que essa lei acarreta para a sociedade. Eu imagino que as empresas estrangeiras terão que deixar o mercado chinês antes que o PCC as force a fazer coisas [contra as sanções dos EUA] e as empresas chinesas sejam forçadas a parar de comprar tecnologia importada ”, disse Tang.

Tang usou o maior e mais avançado fabricante de chips da China, a Semiconductor Manufacturing International Corporation (SMIC), como exemplo.

Em 15 de setembro de 2020, a SMIC disse ao jornal estatal chinês Securities Times que parou de fornecer chips para a Huawei porque a SMIC usou tecnologia americana para fazer seus chips e a Huawei foi colocada na lista negra como aqueles que não podem comprar nenhuma tecnologia americana.

“De acordo com a Lei de Sanções Estrangeiras da China, a SMIC não tem escolha a não ser fornecer chips para a Huawei. Depois que a SMIC vendeu chips para a Huawei, ela violou a lei dos EUA e perde o direito de usar a tecnologia dos EUA, bem como seu mercado global ”, disse Tang.

Para as empresas estrangeiras, a situação é pior do que a da SMIC. “Eles perderão todos os seus ativos e outras propriedades na China se não seguirem a lei do regime de Pequim”, acrescentou Tang.

Com informações de Luo Ya.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas