Empresa estatal chinesa ordena que funcionários participem dos testes de vacina para COVID-19, revela documento vazado

Na embalagem da vacina fabricada pela Sinovac, é claramente indicado que a vacina não foi aprovada pela Administração Nacional de Produtos Médicos da China

Por Nicole Hao

Pelo menos quatro fabricantes de medicamentos na China estão desenvolvendo vacinas para a COVID-19, a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês).

Na embalagem da vacina fabricada pela Sinovac, é claramente indicado que a vacina não foi aprovada pela Administração Nacional de Produtos Médicos da China (NMPA), o órgão estadual que regula a fabricação de medicamentos, dispositivos médicos, cosméticos, entre outros produtos.

No entanto, uma empresa estatal chinesa ordenou que alguns de seus funcionários participassem dos testes da vacina Sinovac, de acordo com um documento interno obtido pelo Epoch Times.

“Tomar essas vacinas [não aprovadas] é arriscado. A vacina pode não funcionar. Na pior das hipóteses, poderia infectar pessoas com o vírus da pneumonia de Wuhan [vírus do PCC]”, disse Chan King-ming, diretor do Programa de Ciências Ambientais da Universidade Chinesa de Hong Kong e membro da Sociedade de Toxicologia dos Estados Unidos.

Chan disse ao jornal chinês Epoch Times que geralmente leva cerca de um ano para desenvolver e testar uma vacina. Após testes em laboratório e em animais, uma vacina deve ser testada em três fases durante os ensaios clínicos. Depois de avaliar a segurança e eficácia da vacina e confirmar que não há preocupações com a segurança, a administração do estado pode aprová-la.

“Eu quero saber: a vacina não foi aprovada. Quem será responsável pela segurança da vacina? ”, Disse Chan.

Nos Estados Unidos, as empresas farmacêuticas começaram a realizar ensaios clínicos com testes em voluntários humanos.

A empresa biofarmacêutica de Pequim Sinovac Biotech, uma joint venture entre uma empresa privada de Hong Kong e a estatal chinesa Sinobioway, desenvolveu e fabricou o CoronaVac, candidato inativo à vacina.

Um documento interno emitido em 15 de junho pela TravelSky Technology, empresa estatal que desenvolve tecnologia para informações de viagens aéreas, revelou que a empresa solicitou a sete grupos de seus funcionários tomassem a CoronaVac, fabricada pela Sinovac.

A TravelSky possui companhias aéreas, aeroportos, agências de viagens aéreas e serviços de carga aérea entre seus clientes. Em dezembro de 2019, a TravelSky tinha 7.476 funcionários, de acordo com o relatório anual da empresa.

“A vacina tem muito boa segurança e eficácia e está pronta para ser aplicada a pessoas em situações de emergência”, lê o documento da TravelSky, divulgado no The Epoch Times por uma fonte confiável.

Os sete grupos são: funcionários em “posições-chave e fundamentais”; funcionários que trabalham nos terminais do aeroporto; funcionários que precisam fazer uma viagem de negócios ao exterior em um futuro próximo ou que frequentemente fazem viagens de negócios domésticas; gerentes e funcionários que freqüentam reuniões com freqüência; funcionários designados para tarefas de prevenção de vírus; e outros funcionários que desejam testar a vacina.

Zhang Hua (pseudônimo), um oficial de saúde do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças da China (CDC), disse à edição chinesa do Epoch Times por telefone que a participação em um ensaio clínico nesse momento deve ser voluntária.

Ao pedir que seus funcionários tomem a CoronaVac, a empresa estatal TravelSky os está forçando a participar de um ensaio clínico, disse Zhang. “Não é certo que a TravelSky não tenha dito a verdade a seus funcionários”.

Zhang acrescentou que o regulador estadual NMPA normalmente procuraria voluntários para um julgamento no público em geral, depois que uma empresa fosse bem-sucedida em seus ensaios clínicos.

Outros fabricantes de medicamentos chineses que trabalham com uma vacina para COVID-19 incluem a CanSino Biologics, que já completou as duas primeiras fases de seus ensaios clínicos da vacina Ad5-nCoV, de acordo com a mídia local Caixin. A Comissão Militar Central da China aprovou que soldados militares participem de testes de vacinas.

O Instituto Estadual de Produtos Biológicos de Wuhan também desenvolveu sua vacina e disse que, em seu ensaio clínico de fase II, todos os participantes desenvolveram anticorpos para o vírus, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

Por sua vez, o Instituto Estatal de Microbiologia da Academia Chinesa de Ciências fez parceria com a empresa privada Anhui Zhifei Longkema Biofarmaceutical para desenvolver sua vacina. Em 24 de junho, as duas empresas anunciaram que sua vacina foi aprovada para realizar a fase I do ensaio clínico.

Todas as quatro vacinas ainda não concluíram seus ensaios clínicos finais.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem total transparência do Partido Comunista Chinês sobre a COVID-19

 

 
Matérias Relacionadas